terça, 16 de agosto de 2022
Dourados
29°max
19°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

IP: Morte de empresário e geólogo em SP deve encerrar esta semana

20 setembro 2004 - 21h35

A polícia civil paulista espera encerrar o inquérito que apura a morte do empresário Antonio Ribeiro Filho, assassinado no Guarujá (SP) até o final da semana. O processo, que corre em segredo de justiça, já tem mais de 600 páginas."Quando terminar esta fase, poderei entrar com os argumentos de defesa dos meus clientes", explica José Roberto da Rosa, advogado do cabo da polícia militar Nelson Barbosa Oliveira e do servidor público, Alberto Aparecido Nogueira, conhecido como "Betão". Nelson Oliveira está detido no Presídio Militar, à disposição da Justiça paulista. Betão está foragido. Crimes ligadosO cabo é apontado pela polícia paulista como o assassino do geólogo Nicolau Ladislau Ervin Haralyi, morto no dia 21 de julho, na capital paulista. "Com as fotos que tiramos do cabo, feitas durante nossa estada em Campo Grande, testemunhas daqui reconheceram Nelson Oliveira como autor dos disparos", afirma o delegado Rui Augusto da Silva, que na semana passada esteve em Campo Grande para diligências. Ele e os outros dois delegados, João Jorge Guerra Cortez e Flávio Afonso têm convicção que o assassinato do geólogo e do empresário foram cometidos pela mesma pessoa. "O `modus operandi´ do crime, a roupa usada pelos assassinos do Guarujá chamaram a atenção do delegado da Homicídios, Flávio Afonso, que investiga o assassinato do geólogo. Por isso, resolvemos vir a Campo Grande para coletar mais informações." Uma outra coincidência que liga os dois crimes é que tanto o empresário Antonio Ribeiro Filho, no Guarujá, e o geólogo Nicolau Haralyi, seriam grandes latifundiários em Mato Grosso. Caso Guarujá O delegado Rui Augusto afirma que a identificação da mulher que teve o retrato falado divulgado na imprensa vai ser fundamental para concluir o caso. Ela foi vista por testemunhas que estavam no flat onde morava o empresário Antonio Ribeiro Filho junto aos agentes Ezequiel Leite Furtado e Eduardo Minari Higa. Os dois policiais civis sul-mato-grossenses estão presos em São Paulo. A análise pericial da arma pessoal do cabo Nelson Barbosa de Oliveira, uma pistola 380, também vai ser um dos instrumentos para incriminar ou não o cabo, de acordo com o delegado João Jorge Guerra Cortez. Segundo ele, a arma está em São Paulo para exames periciais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS

Advogada envolvida em resgate do PCC vai para prisão domiciliar

POLÍTICA

Eleições 2022: restam 2 dias de prazo para solicitar voto em trânsito

Casa fica destruída por incêndio causado por queda de raio
NOVA ANDRADINA

Casa fica destruída por incêndio causado por queda de raio

GERAL

TJ/MS disponibiliza nova edição da Revista Trimestral de Jurisprudência

CAMPO GRANDE

Identificação de homem assassinado e que teve corpo queimado com óleo pode levar 10 dias

ELEIÇÕES 2022

TSE autoriza que mais militares façam inspeção das urnas

COSTA RICA

Adolescentes denunciam servidor por assédio sexual em prefeitura

NÚMEROS DA PANDEMIA

Média de mortes por Covid volta a cair após 29 dias de estabilidade

POLÍCIA

Baleado, ladrão invade casa e pede para ficar até socorro chegar

BRASIL

Teto do ICMS pode ser revisto se estados perderem receita, diz Guedes

Mais Lidas

TRAGÉDIA

Passageiro tem corpo dilacerado ao cair de moto e ser atropelado por carreta 

ESTADO GRAVE

Mulher é esfaqueada por vizinho por se recusar a emprestar carregador

NOVA ANDRADINA

Funcionário de companhia de água encontra feto de bebê em esgoto

REGIÃO

Homem é preso por embriaguez após tombar carreta com placas de Dourados