Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Inscrições para o Vale Universidade começa em janeiro

15 dezembro 2009 - 12h43

As inscrições para o programa Vale Universidade em 2010 acontecem de 25 de janeiro a 25 de fevereiro. O candidato deverá realizar a inscrição pela internet no portal da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (http://www.setas.ms.gov.br), onde já está disponível a lei e decretos que regulamentam o programa, com os requisitos para a seleção dos inscritos.

Além do aumento da faixa de renda individual de R$ 650,00 para R$ 750,00 e familiar de R$ 1,7 mil para R$ 1,8 mil, os novos critérios estabelecem que o candidato deve estar matriculado em curso presencial de bacharelado ou licenciatura com duração de no mínimo três anos, autorizado pelo Ministério da Educação e não ter registro de reprovação de qualquer disciplina na data de inscrição no programa.

O candidato à concessão do benefício deverá estar matriculado, durante o curso regular, em no mínimo cinco disciplinas do curso, nos casos em que a instituição de ensino permite ao acadêmico frequentar disciplinas avulsas. Também é exigida a frequência regular de, no mínimo, 80% nas disciplinas cursadas no semestre ou ano letivo.

Benefício

O Vale Universidade oferece 680 vagas a estudantes matriculados nos cursos de licenciatura e bacharelado de universidades públicas e particulares do Estado.

Os alunos inseridos no programa, que cursam instituições particulares de ensino, recebem desconto de 70% no valor da mensalidade do curso, sendo 50% subsidiado pelo governo do Estado – o valor não deve ultrapassar um salário mínimo- e 20% oferecido pelas faculdades particulares conveniadas. Já os estudantes de universidades públicas recebem benefício referente à média aritmética em valores de cursos oferecidos pelas instituições particulares.

Este ano, o programa contou com 45 instituições de ensino superior conveniadas em 21 Municípios do Estado. A partir do próximo ano serão incluídas a Faculdade de Educação de Costa Rica (Fecra) e Faculdades Integradas de Três Lagoas (AEMS).

Os alunos inseridos no programa realizam atividades complementares de 20 horas semanais, cumpridas em jornadas de quatro horas diárias em órgãos e entidades da administração pública estadual, municipal, federal ou organizações não-governamentais (ONGs). O estágio é a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula. Este ano, 52 acadêmicos que integram o progama vão se formar e estarão aptos a entrar para o mercado de trabalho.

Com a intenção de que o benefício fosse garantido ao estudante, o governador André Puccinelli transformou os programas Vale Universidade e Vale Universidade Indígena em Lei, assinada no dia 16 de novembro com a presença do presidente da Assembleia Legislativa, Jerson Domingos, deputados e autoridade.

iniciaCorpo("12;11;14;12;16;13;18;14");

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE PÚBLICA
Segundo do país em incidência, MS se aproxima de 60 mil notificações por dengue
ARQUITETURA & DESIGN
O sonho de toda mulher: o closet por Juliana Saraiva
PANDEMIA
Mesmo com o aumento diário de casos de coronavírus, douradenses mantêm isolamento baixo
COMER BEM
Comer sem engordar Burguer e batata e possível? Conheça o Burguer Fit.
BR-463
Alegando estar desempregado, homem é detido transportando drogas para Santa Catarina
NAVIRAÍ
Adolescentes membros de facção criminosa são apreendidos após roubo a boate
CLIMA
"Sobe e desce": temperatura aumenta 17ºC e depois cai 15ºC em Dourados
OPERAÇÃO DEP CAUGHT
Quatro municípios de MS são alvos de operação de combate a pedofilia
DOURADOS
Em emergência pelo Covid-19, prefeitura homologa R$ 3,6 milhões via dispensa de licitação
BRASIL
Publicada com vetos lei sobre ajuda financeira a estados e municípios

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher