Menu
Busca quarta, 12 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Índios perdem avião e não embarcam para julgamento

21 fevereiro 2011 - 10h43

Ao todo 12 indígenas que deveriam embarcar às 4 horas da manhã de hoje para participar do julgamento do assassinato do cacique guarani-kaiowá Marcos Veron, que acontece hoje, às 11 horas em São Paulo, não conseguiram embarcar. Eles alegam terem sido discriminados, já a empresa, alega atraso dos clientes.

Entre os indígenas há um tradutor e antropólogo, oito vítimas e três testemunhas. “Chegamos antes, tinham duas mulheres na nossa frente na fila, que embarcaram e para nós [o atendetente] disse que chegamos atrasados e o avião estava lá parado, as pessoas embarcando e ele sumiu e não sentou no guichê até nos sairmos”, disse Tonico Benites, interprete e antropólogo.

O indígena, Araldo Verão, disse que eles foram ofendidos e que o passo, agora, era fazer um relatório de tudo o que aconteceu para enviar ao Ministério Público. Entre os indígenas presentes estavam os três filhos do cacique assassinado, a nora e a esposa dele.

Por outro lado, o representante da empresa aérea de Dourados, Ademar Ferreira, disse que os indígenas chegaram atrasados e que não houve nenhum tipo de ofensa a eles. “Além dos índios ficaram outras pessoas que também chegaram atrasadas. Eles teriam que chegar às 4 horas, o balcão só atende até 4h30 e eles chegaram 4h45, teria que fechar o voo, fazer o peso de bagagem, refazer todos os mapas de novo, o que implica em 30, 40 minutos de atraso”, esclareceu.

Segundo, a assessoria do Ministério Público Federal, os indígenas embarcam hoje, às 18 horas e devem chegar à capital paulista ás 21 horas. A assessoria informou, ainda, que eles devem ser ouvidos durante a semana e que a ausência deles não afeta a programação de hoje do julgamento.

O crime

O julgamento é referente ao assassinato do cacique Veron, que aconteceu em janeiro de 2003, em Juti. A denúncia é de que quatro homens armados teriam sido contratados por um fazendeiro para agredir os indígenas e expulsá-los das terras da fazenda Brasília do Sul. Veron, na época, tinha 72 anos e morreu no hospital com traumatismo craniano após ser atingido por um tiro.

Respondem pelo crime Estevão Romero, Carlos Roberto dos Santos, Jorge Cristaldo Insabralde e Nivaldo Alves de Oliveira. O julgamento foi transferido para São Paulo devido ao poder econômico e a influência dos fazendeiros.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Quem já teve dengue tem mais chance de ter sintomas na Covid-19, indica estudo
SAÚDE & BEM - ESTAR
Quem já teve dengue tem mais chance de ter sintomas na Covid-19, indica estudo
Residência de idosa é invadida e furtam botijão, cadeira e tv
DOURADOS
Residência de idosa é invadida e furtam botijão, cadeira e tv
Cabo Almi apresenta melhora e pode ser extubado nas próximas horas
COVID-19
Cabo Almi apresenta melhora e pode ser extubado nas próximas horas
Trabalha na área da Beleza e Estética? Veja como o Dourados News pode impactar no seu alcance
BELEZA & ESTÉTICA
Trabalha na área da Beleza e Estética? Veja como o Dourados News pode impactar no seu alcance
Veículos carregados com mais de três mil pacotes de cigarro são apreendidos
CONTRABANDO
Veículos carregados com mais de três mil pacotes de cigarro são apreendidos
REGIÃO
Polícia apreende comboio com nove veículos carregados de mercadorias ilegais
NEGÓCIOS & CIA
Tira dúvidas do IR 2021: prazo de pagamento, soma de rendimentos, pecúlio
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 27 milhões nesta quarta-feira
SAFRA 2021/2022
Ministério aprova zoneamento agrícola de risco climático para soja em MS
DOURADOS
Homem morre após ser encontrado ferido em frente de residência

Mais Lidas

PANDEMIA
Levado pela Covid-19, "João da União" deixa legado para família e em Dourados
INDÁPOLIS
'Frio' e com roupa ainda suja de sangue, assassino de tio não mostrou arrependimento ao ser preso
DOURADOS
Homem morre no HV após acidente com condutor que empinava moto
PANDEMIA
Novo decreto mantém toque de recolher às 21h e autoriza abertura de cinema em Dourados