Menu
Busca segunda, 25 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Índios em "pé-de-guerra" cercam a usina Quebra Coco

16 dezembro 2009 - 10h22

Dezenas de índios em "pé-de-guerra" chegaram em três ônibus agora pela manhã na usina Santa Olinda, mais conhecida como "Quebra Coco", situada no distrito de mesmo nome, município de Sidrolândia, para cobrar direitos trabalhistas sonegados pela usina desde o início do ano quando teriam sido dispensados. A informação é de Oviedo Santos, presidente do Sindicato dos
Trabalhadores nas Indústrias da Fabricação do Açúcar e Álcool de Rio Brilhante e Região (inclusive o município em questão).

Embora a entidade que preside não envolve questões indígenas ele diz que apenas informa o problema já que os trabalhadores da usina, representados pelo seu sindicato, também enfrentam o mesmo problema de falta de pagamento. A usina Santa Olinda não paga, desde o início do ano, férias de dezenas de funcionários que já teriam recebido o benefício mas não os recursos referentes a esse direito. Além disso não pagou ainda, pelo menos até hoje (16) o salário de novembro de centenas de trabalhadores.

A Santa Olinda, do empresário José Pessoa, já habitou-se a dar o calote nos empregados. Há quase dois anos ela vem promovendo constantes atrasos no pagamento de salários sem que nenhuma providência tenha sido tomada pelas autoridades, inclusive o Ministério Público do Trabalho - MPT, que deveria investigar e punir as inúmeras denúncias registradas no órgão ao longo desse período de quase dois anos.

Oviedo Santos tem procurado sensibilizar a empresa a efetuar o pagamento em dia aos funcionários e mesmo com o apoio da Federação dos Trabalhadores na Indústria de Mato Grosso do Sul - FTI/MS, não têm obtido êxito. O presidente da federação, José Roberto Silva já participou de inúmeras reuniões com trabalhadores e representantes da usina, mas os pagamentos continuam atrasando.

A usina é dirigida pelas empresas CBAA - Companhia Brasileira de Açúcar e Álcool e a Agrissul, ambas do empresário José Pessoa, dono de outras seis usinas no País. Oviedo só não entende por que o empresário dá calote nos funcionários somente da Quebra Coco.

Quanto aos indígenas, Oviedo informou ainda que eles chegaram com pintura de guerra e com o firme propósito de não deixar a usina até serem pagos. Logo cedo eles teriam bloqueado o transito de veículos pela estrada que demana à usina e outras regiões do município. No entanto, um acordo com a Polícia Rodoviária Estadual, eles teriam liberado a pista, mas permaneceram em frente à usina inclusive com tendas e fogões para o preparo dos alimentos. A idéia é não deixar o local, disseram.


Deixe seu Comentário

Leia Também

STJ
Quinta Turma dará mais publicidade aos processos levados em mesa para julgamento
BRASIL
Câmara pode votar Lei de Emergência Cultural na próxima terça-feira
BRASIL
Firjan Senai oferece cursos de aperfeiçoamento para todo o país
STJ
Juiz deverá aplicar medidas coercitivas a familiares que se recusam a fazer DNA, sejam ou não parte na investigação de paternidade
STF
Empresas optantes pelo Simples têm direito a imunidades em receitas decorrentes de exportação
MINISTRO
Weintraub: “tentam deturpar minha fala para desestabilizar a nação”
DIA MUNDIAL
Situação de stress social pode ser gatilho para quem tem esquizofrenia
ESTADO
Canil do Corpo de Bombeiros participa de ocorrências no interior e na capital
ESPORTE
Beach Handebol brasileiro busca alternativas para se manter no topo
INTERIOR
Com peças de Lego, alunas da UEMS criam robô que ajuda na prevenção do coronavírus

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Homem morre atropelado por rolo compactador
PANDEMIA
Dourados ultrapassa marca de 100 casos confirmados de coronavírus
MARACAJU
Homem morre após tentativa de fuga e troca de tiros com a polícia
MS-145
Motorista disse não ter visto momento que atropelou e matou ciclista