Menu
Busca sábado, 06 de março de 2021
(67) 99257-3397

Índios de MS podem lançar candidato a deputado para defendê-los

17 agosto 2009 - 17h41

O  representante indígena brasileiro na ONU (Organização das Nações Indígenas) Marcos Terena, em Campo Grande desde o início desta semana, esteve presente em evento da Prefeitura e da CEF (Caixa Econômica Federal). Marcos Terena é também gerente do Memorial dos Povos Indígenas, em Brasília (DF), onde mora. Ao Capital News, ele respondeu questões sobre os conflitos em torno dos estudos da Funai (Fundação Nacional do Índio) em Mato Grosso do Sul.

“Isso é tudo jogo de cena das entidades que representam os produtores. Quando nós conversamos frente a frente com os fazendeiros que não são latifundiários, vimos que eles aceitam a retomada. Por isso, a discussão tinha que ser feita de forma gradual e não em bloco porque senão gera este conflito”, diz.

Parra Marcos Terena, o índio não é um inimigo do não-índio. “Essa discussão gera uma falsa informação de que o Estado vai perder 26 municípios. Nós não desconsideramos que o M to Grosso do Sul é um Estado é de produtores, agora, o índio é produtor também. Foi o índio também que contribuiu – seja como capataz, seja como camponês das fazendas – para construir tudo isso. Falar de devolução da terra é falar de um resgate da história e um resgate ético para com o primeiro povo dessa terra.”Briga política

A questão toda que ocorre em Mato Grosso do Sul seria briga política, principalmente na Câmara Federal e Senado. “Tem as bancadas ruralistas. Elas têm forte poder. E muito dessa bancada vem daqui de Mato Grosso do Sul. Todos da bancada federal daqui, a meu ver, são favoráveis aos fazendeiros. Nós ficamos, por exemplo, insatisfeitos quando o senador – que é suplente – Valter Pereira (PMDB) tenta fazer passar um projeto que quer transferir do Executivo para o Legislativo o poder de decisão sobre as demarcações. Isso é errado. O próprio nome já diz que quem tem que executar é o Executivo. Não é o Senado quem deve fazer isso. Ele está pensando no momento atual. O Senado é transitório.”

As chances de os indígenas ganharem mais vez nas discussões pode estar na eleição de um nome de consenso das comunidades. Estamos conversando forte para que, no ano que vem, nós tenhamos um nome parra candidato a deputado estadual na região de Dourados e outro na região dos povos do Pantanal, também para estadual. A quantidade de pessoas nas aldeias podem ser suficientes para elegermos. Se existe bancada de ruralistas, de fazendeiros, podemos ter um indígena”, defende Marcos Terena.
"Ainda não temos os nomes", disse Marcos. mas afirma que as nogociações estão fortes, mesmo sem citar também partidos. No interior, vários indígenas têm experiências políticas como vereadores, além dos representantes que atuam nas Funais regionais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia usa drone para achar e prender suspeito de planejar morte de policial
LADÁRIO
Polícia usa drone para achar e prender suspeito de planejar morte de policial
IMUNIZANTE
Covid-19: Moderna confirma 13 milhões de doses da vacina para o Brasil
Motorista que saiu de MS é preso com cocaína em Minas Gerais
POLÍCIA
Motorista que saiu de MS é preso com cocaína em Minas Gerais
JUDICIÁRIO
TJ/MS divulga resultado da prova de sentença do Concurso da Magistratura
GPS e drone descobrem área de vegetação desmatada ilegalmente 
NOVA ANDRADINA
GPS e drone descobrem área de vegetação desmatada ilegalmente 
FUTEBOL
Lances de mão na bola terão novas regras; entenda o que muda
BATAGUASSU
Homem é encontrado morto com tiros na cabeça em área de pasto
PANTANAL
Agesul interdita parcialmente ponte na MS-243, na região do Nabileque
CORUMBÁ
Bombeiros suspendem buscas por homem desaparecido há 12 dias em fazenda
PAGAMENTO
Guedes diz que governo antecipará 13º de idosos e dos 'mais frágeis'

Mais Lidas

PONTA PORÃ
Casal é assassinado na fronteira e corpos são deixados um ao lado do outro
EXECUÇÃO
Executado na fronteira era publicitário e morador em Dourados
DIÁRIO OFICIAL
Guarda municipal de Dourados condenado por tráfico em SP é demitido
MATO GROSSO DO SUL
Ministro da Justiça lamenta morte de coronel Adib e posta foto antiga do GOF