Menu
Busca domingo, 29 de março de 2020
(67) 9860-3221

Indígenas continuam ocupando fazenda em Iguatemi

27 dezembro 2003 - 11h38

O chefe de patrimônio indígena e meio ambiente da Funai (Fundação Nacional do Índio) em Amambai, Cleomar Vaz Machado, deve retornar hoje até a sede da fazenda Pedra Branca, antiga Agrolak, em Iguatemi, onde estão mil índios Guarani. A última informação obtida por ele é de que os indígenas continuavam na sede da propriedade, contrariando pedido feito pela Funai. Machado disse ter solicitado que os índios deixassem o local e fossem para as margens do rio Iguatemi, próximo da localidade, até que a Justiça decida ou não conceder reintegração de posse da área ao proprietário, Pedro Fernandes. Machado comenta que ainda hoje deve retornar à fazenda e tentar novamente dialogar com os indígenas. Eles reclamam a incorporação das terras à aldeia Porto Lindo, com base em um estudo antropológico apontando a ocupação indígena na região.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

DEFENSORIA PÚBLICA
DPU cria canal para denúncias durante o enfrentamento ao coronavírus
MATO GROSSO DO SUL
Calendário de vacinação e plano de ação contra aftosa são mantidos
BRASIL
Bolsonaro dá passeio em Brasília após Mandetta enfatizar isolamento
ACIDENTE
Motociclista morre ao colidir em touro em cidade do interior
ESTAVA NA PED
Mato-grossense é preso com por tráfico de drogas em Dourados
NOTA PREMIADA
Lista de ganhadores já está disponível para consulta
DOURADOS
Homem entra em veículo e anuncia assalto com arma de brinquedo; vídeo
COVID-19
Casos de coronavírus no Brasil em 29 de março
COXIM
Jovem de 17 anos esfaqueia tio por causa de buzina de carro
PANDEMIA
Ex-técnico René Simões testa positivo para o novo coronavírus

Mais Lidas

COVID-19
Saúde confirma coronavírus para mulher internada em Dourados e casos chegam a 28 em MS
COVID-19
Dourados confirma primeiro caso do novo coronavírus
COVID-19
Mulher de 52 anos é o 2º caso de coronavírus em Dourados, total no Estado é de 31
DOURADOS
Sindicato emite nota e diz que empregados foram obrigados a participar de ato