Menu
Busca quarta, 04 de agosto de 2021
(67) 99257-3397
BRASIL

Historiadora traça paralelo entre a gripe espanhola e a pandemia de Covid-19 em evento do STF

12 junho 2021 - 20h00Por Assessoria/STF

A antropóloga e historiadora Lilia Schwarcz participou, na sexta-feira (11), do evento virtual "Registros históricos em períodos de pandemia: um olhar para a Covid-19", promovido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A professora da Universidade de São Paulo (USP) e de Princeton, nos Estados Unidos, traçou um paralelo entre a gripe espanhola de 1918 e a atual pandemia da Covid-19 e destacou as lições que a sociedade deve apreender com a crise.

Lilia iniciou a apresentação lembrando que, na pesquisa que embasou seu último livro, "Bailarina da morte: a gripe espanhola no Brasil" , em parceria com Heloísa Starling, encontrou poucos registros históricos a respeito do assunto. Na Europa, a 1ª Guerra Mundial devastava o continente, e a imprensa não tinha as liberdades que hoje lhes são garantidas. Foi então que os jornais da Espanha (daí o nome gripe espanhola) começaram a comentar a doença, que já atingia vários países, mudando, inclusive, os rumos das batalhas.

Apesar do nome pelo qual ficou conhecida, a gripe, na verdade, chegou na Europa num navio proveniente dos Estados Unidos, mais especificamente de um forte no Texas que preparava soldados para a guerra. "O que os EUA não sabiam é que eles estavam levando duas armas, as físicas e a biológica", observa a professora. Segundo ela, a “gripe espanhola” era conhecida como “francesa”, na Espanha, e, ainda, como “gripe bailarina” e “gripe dos três dias”, em razão de sua letalidade, que matava famílias inteiras em curto tempo.

História se repete

Exibindo recortes de jornais da época, a historiadora demonstrou como a gripe chegou ao Brasil a bordo do navio Demerara, que a trouxe da Inglaterra. A partir de então, Lilia passou a demonstrar uma série de paralelos entre a situação ocorrida no Brasil em 1918 e agora, no início do século XXI.

Uma dessas coincidências foram os protocolos adotados na época, que variavam entre o uso de máscaras, o incentivo para que se lavassem as mãos e o fechamento de escolas e igrejas, que passaram a receber grande número de doentes como hospitais de campanha. Por outro lado, a antropóloga ressaltou que "tempos de pandemia são tempos de desassossego", o que levou à proliferação de muitos boatos sobre a gripe por todo o país.

Lilia citou que, no Rio de Janeiro, espalhou-se a notícia falsa de que a melhor saída para se livrar da gripe seria tomando caldo de galinha. Em São Paulo, a receita era a célebre caipirinha. No Rio Grande do Sul, o tradicional chimarrão foi proibido, mas com fundamentação, pois evitava o compartilhamento de itens para seu consumo. No Pará e na Bahia, a população se rendeu a santos e orixás clamando pela cura.

Desigualdades

Assim como ocorre atualmente no Brasil, a gripe espanhola foi desigual, aponta a professora. Apesar das poucas informações disponíveis, ela afirma que as populações indígenas e negras foram profundamente afetadas, visto que a abolição havia ocorrido poucas décadas antes. A diferença foi demonstrada nas imagens de funerais da elite, no Cemitério da Consolação, em São Paulo, de um lado, e os caixões empilhados e enterros em valas comuns, do outro.

Lições práticas

Para a historiadora, o estudo da história pode nos fornecer valiosas lições tanto dos erros quanto dos acertos. O papel da imprensa foi tão importante antes como é agora. Ela rememora que, em razão da censura estatal sobre as informações, comum em 1918, somente por meio do trabalho da imprensa a sociedade teve acesso aos números e à gravidade da gripe espanhola.

Em relação à Covid-19, a professora acredita que a necessidade do distanciamento social despertou uma tendência por regimes híbridos de trabalho. "Pudemos concluir que nem todas as reuniões precisam ser presenciais", disse. Por ser, também, editora, Lilia avalia que o número de leitores deve aumentar.

Por outro lado, a história também mostra que, com a sensação de que a pandemia está próxima do fim, as pessoas tomam as ruas "em ato de desespero ou esperança". Por isso, alerta para a importância de não esquecermos que as medidas de prevenção ao contágio pelo novo coronavírus seguem em vigor. "Espero que a humanidade possa se reinventar", concluiu.

SAE Talks

O evento "Registros históricos em períodos de pandemia: um olhar para a Covid-19" faz parte do projeto SAE Talks - Ideias que aprimoram o Supremo, organizado pela Secretaria de Altos Estudos, Pesquisas e Gestão da Informação (SAE) do STF, com o objetivo de promover o intercâmbio de experiências e a produção de conhecimento. Na edição anterior, o embaixador do Brasil junto às Nações Unidas, Ronaldo Costa Filho, apresentou questões relacionadas à Agenda 2030.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SELIC
Copom eleva juros básicos da economia para 5,25% ao ano
Golpistas que teriam contratado andarilho para sacar empréstimo são presas
LOTERIA
Veja as dezenas do concurso 2.396 da Mega-Sena, prêmio de R$ 46 milhões
PF apreende jatinho com mais de uma tonelada de cocaína em aeroporto
FORTALEZA
PF apreende jatinho com mais de uma tonelada de cocaína em aeroporto
NÚMEROS DA PANDEMIA
Sob ameaça da variante delta, Brasil ultrapassa 20 milhões de casos de Covid
AQUIDAUANA
Padrasto é condenado a 14 anos de prisão após estupro de enteada
FUTEBOL
STJD aceita pedido do Flamengo e libera volta do público aos estádios
BATAYPORÃ
Juiz nega quebra de sigilo bancário de ex-líder do PSL assassinada
DOURADOS
UFGD abre inscrições para curso on-line de português para estrangeiros
REGIÃO
Descoberta de túnel frustra fuga em massa de integrantes do PCC no Paraguai

Mais Lidas

DOURADOS
Assessora vai à polícia e diz que foi ameaçada de morte por vereadora
DOURADOS
Após ideia da filha, empresária cria 'varal comunitário' para ajudar quem tem frio
MORTE A ESCLARECER 
Encontrado inconsciente em praça, idoso morre no HV após passar uma semana internado
DOURADOS 
Usuário de drogas procura delegacia após ser assaltado em boca de fumo