Menu
Busca sábado, 17 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Gravidez durante aviso prévio garante estabilidade

30 setembro 2005 - 11h05

Demitida, a empregada que engravida durante o período de aviso prévio tem direito a estabilidade de cinco meses após o parto, ou à indenização pelo período. O entendimento é dos juízes do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo. Uma ex-empregada do estacionamento E-Park foi avisada de sua demissão em 22 de março de 2003, e passou a cumprir o período de 30 dias de aviso prévio. Cinco semanas depois, descobriu que estava grávida. Seu médico atestou que a gestação teve início na segunda semana junho daquele ano, ou seja, na vigência do aviso prévio. A trabalhadora, então, ingressou com uma ação na 29ª Vara do Trabalho de São Paulo, sustentando que, se estava grávida, a demissão deveria ter sido suspensa. A vara julgou procedente o pedido e determinou que a empresa indenizasse a reclamante pelo período de estabilidade. Insatisfeito com a sentença, o estacionamento recorreu ao TRT-SP, sustentando que a própria trabalhadora só descobriu a gravidez depois do término do contrato de trabalho e que a gestação ocorreu no decorrer do aviso prévio. De acordo com o juiz Valdir Florindo, relator do recurso no tribunal, a garantia de emprego da gestante "se inicia com a confirmação da gravidez e não com a confirmação por parte da empregada do estado junto ao empregador". Para o relator, "na verdade, a ciência da gravidez pelo empregador é irrelevante, pois não se configura pressuposto previsto pelo dispositivo da Carta Magna. É um risco biológico, que ambos, empregado e empregador estão sujeitos". Segundo ele, está consolidado na Justiça do Trabalho o entendimento de que "a data de saída a ser anotada na CTPS do trabalhador deve corresponder à do término do aviso prévio". Sendo assim, "mesmo que o início da sua gravidez tenha ocorrido durante o período do aviso prévio, este integra o tempo de serviço para todos os efeitos legais, ainda que indenizado", observou o juiz Valdir. O TRT acompanhou o voto do relator, condenando o estacionamento a pagar indenização à ex-empregada referente aos salários, férias acrescidas de 1/3, 13º salário, descansos semanais remunerados, FGTS com multa de 40%, "desde a ilegal dispensa até cinco meses após o parto". Com informações da Redação Terra.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia apreende mais de uma tonelada de maconha em caminhonete furtada 
TRÁFICO
Polícia apreende mais de uma tonelada de maconha em caminhonete furtada 
SAÚDE
Bolsonaro confirma que passará por nova cirurgia para corrigir hérnia
CAPITAL
Morre condutor de moto que sofreu acidente com namorada na BR-163
MS recebe neste sábado 338.130 medicamentos do 'kit intubação'
COVID-19
MS recebe neste sábado 338.130 medicamentos do 'kit intubação'
Foragido, sul-mato-grossense é preso com R$ 5 milhões em drogas
PARANÁ
Foragido, sul-mato-grossense é preso com R$ 5 milhões em drogas
SÃO PAULO
Parlamentares invadem Hospital em meio à pandemia de Covid-19
CAPITAL
Homem executado com 60 tiros já foi acusado de homicídio e tentativa
IMUNIZANTE
Azambuja assina carta dos governadores à ONU por mais vacinas
FRONTEIRA
Polícia 'estoura' lava jato que estocava cocaína para facções criminosas
GERAL
Emissão de Certidões Negativas segue disponível no Portal do TJMS

Mais Lidas

DOURADOS
Motociclista é preso após passar 'fumando um baseado' ao lado de viatura
CRIME AMBIENTAL
Goiano preso com minhocas terá que pagar multa de quase meio milhão de reais
AMEAÇA DE EXTINÇÃO
Após passar por MS, homem é preso com mudas raras que seriam vendidas na Bolívia
DOURADOS
Funsaud oficializa saída de diretor médico da UPA após denúncia de escala sem plantonista