Menu
Busca segunda, 06 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Governo quer cobrar taxa de ex-aluno universitário

17 dezembro 2003 - 11h35

Um projeto de Lei que tramita no Congresso com o apoio do Ministério da Educação e de 211 deputados federais vai obrigar, se aprovado, os ex-alunos de universidades públicas a pagarem uma taxa ao governo após se formarem e obterem boa colocação no mercado de trabalho. A União Nacional dos Estudantes já declarou-se contra a proposta. O projeto é de autoria da deputada Selma Schoms (PT-PR) e visa amenizar a crise financeira das universidades públicas e aumentar os investimentos em educação por meio da criação de um Fundo de Desenvolvimento do Ensino Superior. O texto do projeto prevê que todos os alunos formados por universidades públicas após a aprovação da nova lei e que tenham uma renda média acima de R$ 25 mil ao ano contribuam para o financiamento da educação. Alunos formados antes da aprovação do projeto não precisariam pagar a taxa. De acordo com a autora do projeto, o valor de R$ 25 mil foi estimado após uma análise técnica da renda obtida por profissionais com curso superior. "O valor é só uma referência para o debate. Nossa idéia é de que as pessoas que puderam estudar em universidades públicas e, depois de formadas, conseguem um bom emprego ou uma renda média elevada, possam contribuir para a melhoria do ensino público", diz a deputada. Selma contesta os argumentos de que o projeto é contra o princípio da gratuidade das universidades públicas. "Nenhum estudante vai pagar para estudar. Quem pagaria, eventualmente, seriam os profissionais formados que possuem renda para isso". O projeto prevê que o pagamento da contribuição seja automático, feito junto com a declaração do imposto de renda. Além de criar a contribuição, o projeto de lei altera o percentual de vinculação das receitas. Hoje, por lei, a União é obrigada a investir 18% do que arrecada em educação e os Estados 25%. Com a nova lei, os valores subiriam para 25% no caso da União e 30% para os Estados. "Estamos garantindo mais recursos para ampliar o acesso gratuito às universidades públicas, onde há uma forte demanda retraída". De acordo com estudos da Comissão de Educação do Congresso, se aprovada a lei pode garantir cerca de R$ 3 bilhões por ano aos cofres do governo federal. Uma pequena parcela, cerca de 10% do valor, seria repassada aos Estados. Além do Ministério da Educação, 211 deputados já declararam apoio ao projeto de Selma. O diretório nacional da União dos Estudantes (UNE) já se manifestou contra o projeto de Selma Schoms, alegando que a cobrança é inconstitucional. Na opinião da UNE, os alunos devem dar retorno à sociedade com trabalho voluntário e contribuições sociais, não em dinheiro. Apesar da Constituição garantir que o ensino público deve ser totalmente gratuito, Selma acredita que seu projeto não vai contra a Lei. "É claro que esta vai ser uma discussão política, submetida à tramitação do Congresso e votações nas comissões de constituição e justiça. Mas acredito que não vamos ter problemas com isso", diz. Selma explica ainda que a contribuição de profissionais que se beneficiaram das universidades públicas não é uma idéia nova. "Essa discussão vem desde a legislatura anterior, com proposta semelhante escrita pelo deputado Padre Roque (PT-PR)."    

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Saldo da balança comercial de MS no 1º trimestre é de US$ 493 milhões
CONTRABANDO
Carro abarrotado com 1,5 mil pacotes de cigarros é apreendido
JUSTIÇA
Família de vítima de disparo de arma de fogo será indenizada
POLÍTICA
Mandetta continua no governo com apoio de militares e da cúpula do Congresso
ANASTÁCIO
Jovem morre após bate motocicleta em trator na rodovia MS-170
CORONAVÍRUS
Agepen recebe doação de álcool 70 para trabalho dos servidores nos presídios de MS
INDÚSTRIA
BRF diz que unidade de aves de Dourados está autorizada a exportar para a China
CAPITAL
Homem mata vizinho a facadas após discutir sobre limpeza de vila de casas
COVID-19
Saúde confirma segunda morte por coronavírus em MS
CORONAVÍRUS
Comitê pede cuidados básicos ao projetar aumento de fluxo nas ruas de Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Dois homens são executados por dupla de moto no Jardim Carisma
DOURADOS
Homem agride gestante e é assassinado a pauladas em favela
DOURADOS
Polícia apura que filho matou pai a pauladas após agredir a mãe grávida
COVID-19
Estado tem mais três confirmações do novo coronavírus em 24 horas, todas no interior