Menu
Busca sábado, 27 de novembro de 2021
Dourados
35°max
19°min
Campo Grande
32°max
21°min
Três Lagoas
35°max
22°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
OPERAÇÃO OMERTÀ

Gaeco aponta falta de provas e juiz arquiva investigação contra desembargador

18 outubro 2021 - 09h03Por André Bento

O juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande, arquivou procedimento investigatório envolvendo o desembargador aposentado Joenildo de Souza Chaves, um dos alvos da terceira fase da Operação Omertà, deflagrada em 18 de junho de 2020. 

Em despacho datado de 7 de outubro passado, o magistrado acatou pleito do próprio MPE-MS (Ministério Público Estadual) e determinou o arquivamento por considerar não haver indícios suficientes de que três dos investigados, entre eles Joenildo, integrem a suposta organização criminosa armada, cuja existência está sendo apurada nas ações penais em trâmite.

Responsável pelas investigações, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) chegou a cumprir mandados de busca e apreensão na casa do desembargador aposentado, suspeito de tentar comprar o silêncio do policial militar Paulo Roberto Teixeira Xavier, cujo filho de 20 anos foi morto a tiros por engano em um acerto de contas no âmbito de uma suposta facção criminosa. 

A suspeita de tentativa de obstrução de justiça foi motivada por depoimento de Paulo, mas a Promotoria de Justiça considerou posteriormente que as seguidas declarações dele, de que a organização criminosa tinha a intenção de mata-lo em razão de sua “atuação exemplar como policial militar”, “quando na verdade era em decorrência de desacordo negociais (envolvendo terras)”, “acaba por retirar a força de suas palavras”.

Além disso, o desembargador aposentado Joenildo de Souza Chaves “produziu contra-indícios que minaram a versão inicial”, segundo o Gaeco, ao provar que foi procurado pelo policial militar em seu escritório de advocacia várias vezes antes do encontro no qual teria ocorrido a suposta tentativa de compra do silencia envolvendo o assassinato do jovem. 

“Ou seja, até o momento, não existe arcabouço probatório suficiente para deflagrar uma ação penal em desfavor de Joenildo de Souza Chaves pelo crime previsto no art. 2º, § 1º, da Lei 12.850/13”, ponderaram em despacho de 16 de setembro os promotores de Justiça Tiago Di Giulio Freire, Thalys Franklyn de Souza, Marcos Roberto Dietz, todos do Gaeco. 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Covid-19: casos da variante Ômicron e impõem restrições de voo no Reino Unido
França terá animais abatidos e desinfecção após foco de gripe aviária
INTERNACIONAL
França terá animais abatidos e desinfecção após foco de gripe aviária
SEGURANÇA
Senado vai analisar projeto sobre gravação de ações policiais
POLÍTICA
Câmara pode votar na terça-feira PEC que mantém benefícios fiscais para empresas de tecnologia
ESPORTE
Brasil lidera quadro de medalhas nos Jogos Pan-Americanos Júnior
DOURADOS
Motociclista fica ferida após passar sobre buraco e cair
DOURADOS
Homem armado invade Pet Shop e leva dinheiro e celular
ARTIGO
Lamentam as mortes e agora vão pular carnaval?
EDUCAÇÃO
Ensino a distância conquista adeptos e aumenta após fim de restrições
DOURADOS
Ladrões retiram portão e furtam moto da garagem de residência

Mais Lidas

ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Jovem é preso após manter relacionamento com menina de 11 anos em Dourados
DOURADOS
Menina diz que mantinha relações sexuais com acusado de estupro desde os 10 anos
AÇÃO CONJUNTA
Dourados terá operação 'Lei Seca' para conter bebedeira no trânsito após final da Libertadores
DOURADOS
Acusado de estupro tem prisão preventiva decretada e é transferido para a PED