Menu
Busca sexta, 05 de março de 2021
(67) 99257-3397

Fumantes contam os desafios de tentar largar o cigarro

06 agosto 2009 - 13h38

A restrição ao fumo em qualquer lugar que tenha teto ou paredes de uso coletivo em São Paulo, que entra em vigor a 0h desta sexta-feira, em todo o estado, serviu de incentivo para algumas pessoas que querem largar o cigarro.

A prefeitura da capital e o governo do estado oferecem tratamentos gratuitos para aqueles que querem parar de fumar. Em geral, eles têm fila de espera, mas quem já participou diz que vale à pena e se orgulha da nova vida sem o vício.

O agente administrativo Antônio Paulo Silva Santos não quer mais a nicotina como companheira. Sobre a mesa, ele tem o “kit fissura” – um pacote com frutas secas para aliviar a vontade de fumar. Santos fuma há 13 anos, e já chegou a gastar em média R$ 200 por mês com o cigarro. Agora, decidiu parar para aliviar o bolso e a saúde.

Ele participa de reuniões no centro de referência de álcool, tabaco e outras drogas do governo do estado, que fica no Bom Retiro, Centro de São Paulo. Além de muita conversa com especialistas, as pessoas recebem medicamentos para controlar a ansiedade, gomas de mascar e adesivos para desintoxicar o organismo.

Quem decide passar por este tratamento tem que fazer exame de sangue e avaliação pulmonar, além de ser examinado por um dentista. Geralmente, em um mês de atendimento, metade das pessoas consegue parar de fumar. Todos os anos, 2,5 mil fumantes procuram o local. A fila de espera atual é de um mês.

A funcionária pública Sônia Maria Prado sofre, além da abstinência, de efeitos mais visíveis no corpo com a falta do cigarro. “Meu dedo é atrofiado, ele sente falta do cigarro. Porque depois de 20 anos portando cigarro, você sente falta dele em tudo”.

Depois de 30 anos fumando, a auxiliar de enfermagem Sueli Aparecida da Silva tem pressa para parar. “Eu sinto que estou morrendo aos poucos”, conta ela, que já chegou a fumar cinco maços por dia. “Um atrás do outro. Às vezes eu percebia que eu acendia um no cinzeiro e um na mão.”

A Secretaria de Saúde de são Paulo disse que pode atender 140 fumantes por mês que queiram deixar o vício. A pasta informou ainda que pretende aumentar a capacidade, mas não tem nenhum prazo.

Para se inscrever no programa, é preciso telefonar para um dos nove centros que fazem o tratamento. Já no caso do governo do estado é preciso ir a uma unidade básica de saúde, onde o médico irá encaminhar o paciente para o programa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Sexta-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados
Jovem morre ao ser atingido por raio quando trabalhava em fazenda
PARAÍSO DAS ÁGUAS
Jovem morre ao ser atingido por raio quando trabalhava em fazenda
POLÍTICA
Secretário da prefeitura de Dourados vai à Brasília destravar projetos e obras
TRÊS LAGOAS
Vizinhos ouvem tiro, denunciam e mulher é encontrada ferida em residência
FUTEBOL
STJD indefere pedido do Vasco para anulação de jogo com o Inter
CORUMBÁ
PMA realiza campanha educativa sobre atropelamentos de animais silvestres 
JUSTIÇA
Weintraub é condenado por dizer que universidades cultivam maconha
PARAGUAI
Polícia acha explosivos e descobre 'tentativa de fuga em massa' de presídio
EDUCAÇÃO
Lista de espera do Prouni está disponível para consulta
TRÁFICO
Traficantes de cocaína construíam carretas para levar drogas para São Paulo

Mais Lidas

DOURADOS 
Vídeo mostra momento da colisão entre veículos em Dourados
PONTA PORÃ
Casal é assassinado na fronteira e corpos são deixados um ao lado do outro
NOVA DOURADOS
Colisão entre veículos deixa pessoa gravemente ferida em Dourados
PANDEMIA 
Secretário alerta para nova variante do coronavírus na região da Grande Dourados