Menu
Busca quinta, 02 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Frente Parlamentar quer alterar Estatuto do Índio

08 janeiro 2004 - 12h05

A Frente Parlamentar em Defesa dos Povos Indígenas quer apressar a tramitação do Projeto de Lei 6493/02, que altera o Estatuto do Índio e autoriza a construção de guarnições militares em terras indígenas. A informação é do coordenador da frente, deputado Eduardo Valverde (PT-RO), que ressalta a necessidade da aprovação urgente da proposta pela Comissão de Constituição e Justiça e de Redação (CCJR). "Logo após o início dos trabalhos legislativos, a intenção da Frente é acelerar a votação do Estatuto do Índio, já que boa parte dos conflitos estão acontecendo porque o atual estatuto se mostra insuficiente. E o novo texto conta com diversas saídas normativas para solucionar esses conflitos", explica Valverde. As discussões sobre o Estatuto do Índio foram retomadas no ano passado, durante o seminário "Ações Governamentais para os Povos Indígenas da Amazônia", promovido pela Comissão de Amazônia e de Desenvolvimento Regional. A proposta de um novo estatuto para os povos indígenas tramita na Câmara desde 1991, em outro projeto, o PL 2057/91. O texto dessa proposta, no entanto, acabou defasado, devido às alterações feitas em legislações paralelas, citadas no estatuto. Na última terça-feira, cerca de 200 índios e fazendeiros realizaram uma série de protestos no estado de Roraima, contrários à homologação de uma reserva indígena no estado. As principais vias de acesso a Boa Vista foram bloqueadas e os prédios do Incra e da Funai, invadidos. Os manifestantes queixam-se da proposta do Ministério da Justiça de demarcar a área de forma contínua, incluindo as cidades e plantações dentro de seus limites. De acordo com o coordenador da frente parlamentar, os índios estão sendo influenciados pelos fazendeiros, que querem o avanço da agricultura naquela região. Na avaliação do deputado, é necessária uma política social para resolver os conflitos e definir formas de demarcação das áreas indígenas. Em Mato Grosso do Sul, nos municípios de Iguatemi e Japorã, a situação também é tensa. Armados com arcos, flechas e tacapes, quase três mil índios guarani-caiová já invadiram cinco fazendas da região desde o dia 22 de dezembro. De autoria do deputado Alceste Almeida (PL-RR), o Projeto de Lei 6493/02, enviado à Comissão de Constituição e Justiça e de Redação em dezembro, já foi aprovado pelas comissões de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias e de Relações Exteriores e de Defesa Nacional. Como está sujeito à apreciação conclusiva pelas comissões, só será votado pelo Plenário da Câmara se houver recurso de parlamentar com essa finalidade ou se a CCJR rejeitar o seu mérito.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Rapaz é espancado por trio após ser acusado de ‘ficar’ com adolescente
JUDICIÁRIO
STF dá 48 horas para Bolsonaro listar ações tomadas contra a Covid-19
CAMPO GRANDE
Polícia resgata duas pessoas que ficaram presas em carro sob forte sol
SOLIDARIEDADE
Campanha Online da UEMS irá ajudar alunos durante a Covid-19
COXIM
Socorrida por bombeiros, mulher arromba armário e furta morfina de hospital
MEIO AMBIENTE
Ambiental captura jiboia com mais de dois metros em residência de Coxim
RECURSOS
MPT destinou R$ 124 milhões para prevenção e combate à Covid-19
BENEFÍCIO
UFGD mantém assistência a estudantes durante suspensão do calendário
CORONAVÍRUS
Câmara aprova projeto de lei que libera remédios sem aval da Anvisa
DOURADINA
Polícia apreende meia tonelada de agrotóxicos na região da Grande Dourados

Mais Lidas

REGIÃO
Ex-assessor de Mandetta é encontrado morto em apartamento na Capital
COVID-19
Primeiro óbito por coronavírus do Estado é registrado em Dourados
NOVA ANDRADINA
Hospital confirma três profissionais com coronavírus em unidade que atendeu idosa
BOLETIM DA SES
Dourados registra mais um caso de coronavírus e MS tem 51 confirmações