Menu
Busca sexta, 05 de março de 2021
(67) 99257-3397

FETEMS: trinta anos de lutas por Wilson Valentim Biasotto

17 agosto 2009 - 07h53

FETEMS: trinta anos de lutas por Wilson Valentim Biasotto
 


 

Freud ensinou no século 19 que, mormente, as criações humanas são coletivas. De fato, é extremamente difícil distinguir algo que seja criação exclusivamente individual. Mesmo essa singela crônica, quantos co-autores teria, se fossemos contar desde os meus pais e minhas primeiras professoras – Dona Enide e Dona Maria do Carmo – que me ensinaram, respectivamente, a balbuciar as primeiras palavras e a escrever as primeiras letras?  Até mesmo uma idéia, que nos parece singular, somente ganha corpo, substância e seguidores, no caso destes terem a mesma ideia, ou, ao menos, ideias semelhantes.
Se por um lado as criações são coletivas, por outro, a continuidade, o aperfeiçoamento e o sucesso dessas criações, mais que coletivas, são transgeracionais. Significa dizer que as instituições humanas não são obras acabadas, estão em permanente construção. E quanto melhor a concepção inicial de determinada instituição, tanto maior será a chance das gerações seguintes empenharem-se em torná-la cada vez mais sólida, forte, brilhante.
Tomemos à título de exemplificação as Universidades mais antigas do Ocidente, todas elas com mais de 800 anos de existência: Bolonha, Oxford, Paris, Cambridge, Salamanca. Quem as idealizou? Quem as criou? Quem foi dia a dia, ano a ano, século a século, edificando as suas respectivas histórias?
Mesmo especialistas nessa área da historiografia terão dificuldades em apresentar dados substanciais sobre essas questões acima levantadas, mas não terão dúvidas de suas importâncias no processo de transformação social, política e econômica que operaram e continuam operando.
Da mesma forma, ocorre com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Mato Grosso do Sul. Os seus idealizadores, suas primeiras lideranças, vão ficando invisíveis à medida que o tempo passa. Mas em compensação, o processo, tanto de fundação como de desenvolvimento da entidade, vai se tornando cada vez mais compreensível.  Não existiram heróis, mas pessoas que fizeram aquilo que deveriam ser feito no tempo certo. É o processo de criação coletiva e transgeracional ao qual me referi de início.
A FETEMS, Federação dos Trabalhadores em Educação do Mato Grosso do Sul, completou dia 9/08/2009, trinta anos. Poucos anos de existência, se comparados às Universidades acima citadas. Muitos e profícuos anos se tivermos em conta a fragilidade da democracia brasileira que, desde a Proclamação da República até os nossos dias, somente ultrapassou essa marca em seu período inicial, chamado de 1ª República, e que vigeu entre 1889 e 1930.
Gestada em 1978 e nascida no mesmo ano que Mato Grosso do Sul – 1979 - a FETEMS não se tornou protagonista somente de sua própria história, é personagem indissociável também das conquistas políticas e sociais que o nosso estado alcançou, bem como contribuiu sobremaneira para que o Brasil tivesse um governo federal que devotasse atenção especial à classe trabalhadora.
Até 1979,
em Mato Grosso
do Sul, 100 mil crianças em idade escolar estavam fora das escolas. A ditadura militar ainda imperava. Não havia eleições diretas para Presidente. Apenas 10% dos professores estaduais eram efetivos. Os diretores eram nomeados à revelia da comunidade escolar. Inexistia qualquer Plano de Cargos, Carreira e Salários. Não havia piso salarial. O atraso em pagamentos de salários era regra. A comunidade escolar precisava fazer promoções para trocar uma telha que fosse. Faltava giz para as escolas. Mas faltava especialmente respeito dos governantes para com uma categoria que trabalha a educação como arma de plantar a liberdade.
Em relação ao Brasil, convém lembrar que até pouco tempo tínhamos uma dívida impagável, o ensino fundamental abandonado e o superior sucateado, cerca de 1/3 de nossa população abaixo da linha da pobreza e uma política neoliberal que dilapidou com o patrimônio público devido as malfadadas privatizações.
Para cada um dos problemas acima, uma bandeira de luta desfraldada na busca de soluções. Trinta anos de dedicação em benefício da categoria, com certeza, mas em benefício também da educação de qualidade, da cidadania, da democracia, da liberdade de expressão. Trinta anos de lutas por uma sociedade mais justa, mais solidária, mais igual.
Valeu! Parabéns à FETEMS e a todos os que acreditam na Educação como fonte de transformação social.

 

Suas críticas são bem vindas: biasotto@biasotto.com.br
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Sexta-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados
Jovem morre ao ser atingido por raio quando trabalhava em fazenda
PARAÍSO DAS ÁGUAS
Jovem morre ao ser atingido por raio quando trabalhava em fazenda
POLÍTICA
Secretário da prefeitura de Dourados vai à Brasília destravar projetos e obras
TRÊS LAGOAS
Vizinhos ouvem tiro, denunciam e mulher é encontrada ferida em residência
FUTEBOL
STJD indefere pedido do Vasco para anulação de jogo com o Inter
CORUMBÁ
PMA realiza campanha educativa sobre atropelamentos de animais silvestres 
JUSTIÇA
Weintraub é condenado por dizer que universidades cultivam maconha
PARAGUAI
Polícia acha explosivos e descobre 'tentativa de fuga em massa' de presídio
EDUCAÇÃO
Lista de espera do Prouni está disponível para consulta
TRÁFICO
Traficantes de cocaína construíam carretas para levar drogas para São Paulo

Mais Lidas

DOURADOS 
Vídeo mostra momento da colisão entre veículos em Dourados
PONTA PORÃ
Casal é assassinado na fronteira e corpos são deixados um ao lado do outro
NOVA DOURADOS
Colisão entre veículos deixa pessoa gravemente ferida em Dourados
PANDEMIA 
Secretário alerta para nova variante do coronavírus na região da Grande Dourados