Menu
Busca sábado, 04 de abril de 2020
(67) 9860-3221
Saúde e Bem-estar

Falando de Disgrafia!

18 fevereiro 2020 - 09h06Por LUCIANE SPERAFICO
Distúrbios da expressão escrita fazem parte de distúrbios de aprendizagem específicos e referem-se à presença de habilidades de escrita abaixo do esperado para a idade da criança, nível intelectual e ano letivo. É comum ver dificuldades em compreender textos escritos, erros gramaticais, erros de pontuação, má organização dos parágrafos, erros ortográficos e caligrafia ruim.
 
Muitas pessoas costumam achar que letra feia é normal, uma situação de quem não tem capricho ao escrever. Mas na verdade, o que algumas pessoas têm é a chamada Disgrafia.
 
A Disgrafia é um transtorno do Neurodesenvolvimento, que compromete o traço gráfico da caligrafia. Ou seja, a pessoa que tem este transtorno tem uma letra bastante difícil de ler, é ilegível. Em geral, como em outros transtornos de Aprendizagem, podemos considerar que existem fatores etiológicos, genéticos, neurobiológicos, perinatais e ambientais. É importante saber que o problema pode vir sozinho ou acompanhado por outros transtornos de aprendizagem como, por exemplo, Dislexia, transtorno não verbal, além de outros Neuro-comportamentais, como Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) e o Transtorno do Espectro Autista (TEA).
 
Ao contrario do que muitos pensam a Disgrafia não é apenas aquela letra feia, ilegível, além disso, é muito comum que os Disgráficos demorem muito para concluir tarefas que envolvam a escrita.
 
A identificação precoce e o início imediato do tratamento ajudam muito no prognóstico e reabilitação. Por isso saber identificar os principais sinais e sintomas é tão importante, pois permite que os especialistas sejam acionados o quanto antes.
 
Uma pessoa Disgráfica não é simplesmente alguém que tem a letra feia. É preciso diferenciar características isoladas de um conjunto delas, que é o que determina um Disgráfico. No quadro abaixo apresentamos algumas dessas características como sinais de alerta: 
 
Letra ilegível ou indecifrável;
Desorganização na escrita;
Traços irregulares: muito fracos ou tão fortes que até afundam o papel;
Inconstância na pressão do lápis ou caneta sobre o papel;
Folha bagunçada sem noções de espaço quanto a linhas e margem;
Tamanhos desproporcionais: letras muito pequenas ou muito grandes;
Espaçamento irregular;
Confusão com letras que são parecidas: errar o lado do S ou Z, L ou J para o lado errado...
Letra com hastes incompletas e retoques;
Falta de letras em palavras;
Escrever muito rápido ou muito devagar;
Letras inclinadas;
Postura incorreta na hora de escrever;
Dificuldade em segurar o instrumento de escrita;
Cansaço físico após escrever;
 
Reconhecer uma pessoa Disgráfica o quanto antes é essencial para trabalhar essa dificuldade e integrar os Disgráficos dentro da vida social para evitar que o problema atrapalhe em trabalhos importantes que envolvem a escrita. O uso excessivo de computadores na rotina das crianças e adolescentes é um dos principais fatores que dificultam a tarefa de identificar os Disgráficos logo cedo.
 
Tipos de Disgrafia
 
Esse déficit é comumente classificado em dois tipos:
 
Disgrafia Motora: também chamada de Discaligrafia, está relacionada à coordenação motora fina da criança. Ela não consegue reproduzir aquilo que vê. Ou seja, a criança consegue ler e falar bem, mas não consegue passar bem para o papel.
 
Disgrafia Disléxica: ou Disgrafia perceptiva. É o tipo de Disgrafia que a pessoa não consegue relacionar sistemas simbólicos e alfabetos com palavras, sons e frases. Mesmo assim, é importante não confundir com Dislexia, que está mais relacionada à leitura e atenção ao conteúdo.
 
 
Disgrafia tem cura?
 
A cura para a Disgrafia é relativa, dificilmente um indivíduo supera isso naturalmente até a idade adulta. É mais seguro dizer que esse distúrbio tem tratamento e o principal objetivo é conseguir uma letra legível que não prejudique a pessoa nas suas atividades cotidianas. Nesse caso, é muito importante ressaltar que uma letra legível é algo diferente de uma letra bonita. Uma pessoa Disgráfica dificilmente terá uma letra linda e redondinha, mas ela pode sim, conseguir uma letra compreensível por outros leitores.
 
O tratamento pode ser feito por um psicopedagogo que poderá mediar com sugestões de uma atividade individual à escola. Ainda assim, é de extrema importância que os educadores sejam conscientes desse tipo de problema para não repreender a criança quanto a isso e até considerar a expressão oral em avaliações escolares como forma de valorizar isso na criança.
Além do acompanhamento psicopedagógico existem comportamentos e estímulos que ajudam no tratamento da Disgrafia. São eles:
 
Evitar broncas e repreensões;
Conscientizar a pessoa desse problema;
Estímulos positivos a cada melhora;
Evitar canetas vermelhas na correção;
Cuidar da autoestima;
Incentivar a escrita no dia-a-dia com anotações e listas, por exemplo;
Estimular a escrita em cadernos de caligrafia ou folhas pautadas;
Usar o caderno de caligrafia para além da escrita: fazer bolinhas, ondinhas e risquinhos que devem seguir sempre o mesmo padrão;
Exercícios e atividades que estimulem a coordenação motora, etc;
Em suma, quanto mais cedo qualquer problema de Aprendizagem for percebido, procure verificar as causas e consulte um profissional especializado, (Psicopedagogo/Neuropedagogo) que é preparado para atender crianças ou adolescentes com problema de Aprendizagem.
 
Portanto, o terapeuta pode ajudá-lo a determinar em que você precisa trabalhar e orientá-lo no tratamento do transtorno.
Agende sua Avaliação e Tratamento no CENAIPP

CENTRO DE ATENDIMENTO E INTERVENÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA, PSICODIAGNÓSTICO/ PSICOLOGIA/ NEUROPSICOLOGIA/ COACH VOCACIONAL & CARREIRA.

 Os contatos: 

(67)9.9954-8716 ou (67) 3421-0550

Rua Ciro Melo, 2280 Centro- Dourados/MS

Facebook-Cenaipp

Sobre a Profissional - LUCIANE SPERAFICO”

* Mestre em Psicologia

* Psicanalista

* Psicopedagoga

* Pedagoga e Neuropedagoga

* Especialista Em Neuropsicologia

* Atualização Em Reabilitação Neuropsicológica

* Especialista Em Educação Especial com ênfase em Autismo

* Especialista Em Psicoterapia Cognitivo Comportamental

Screener da Síndrome de Irlen

*Analista Comportamental DISC pela SLAC

* Coach de Carreira &Coach Vocacional

*Facilitadora da metodologia LEGO SERIOUS PLAY e POINTS OF YOU

*Tutora Cogmed- Treinamento de Memória Operacional &Treino Cognitivo (Atenção)

*Formação em Psicologia Positiva e Terapia do Esquema

*Atualização em Mindfulness 

 
 
 
 
 

Leia Também

PANDEMIA
Em Mato Grosso Sul, 27 pessoas já finalizaram a quarentena por conta do coronavírus
PANDEMIA
Países da América Latina e Caribe se unem para evitar desabastecimento
COVID-19
Brasil tem 365 mortes e passa dos 9 mil casos de coronavírus
POLÍCIA
Homens são presos com porções de maconha em Aquidauana
COVID-19
MPT já recebeu mais de 5 mil denúncias durante a pandemia
LEVANTAMENTO
Brasil tem 34,6 mil crianças e adolescentes em casas de acolhimento
IMPOSTOS
Prorrogados tributos municipais, estaduais e federais do Simples Nacional
BOLETIM
Mulher de Nova Andradina com coronavírus está internada em Dourados
DOURADOS
Vereador deixa o Cidadania no último dia de janela e desembarca no PSDB
DOURADOS
Novas medidas para flexibilização do comércio devem sair até terça

Mais Lidas

DOURADOS
Exame de jovem que morreu no HU testa negativo para coronavírus
COVID-19
Dourados tem mais um caso confirmado de coronavírus
DOURADOS
Jovem morre no HU e município pede agilidade no resultado do exame de coronavírus
CORONAVÍRUS
Dourados registra mais dois casos de Covid-19 e MS tem 60 confirmações