Menu
Busca segunda, 25 de maio de 2020
(67) 99659-5905

EUA tentam acordo para pôr fim à crise em Honduras

06 janeiro 2010 - 15h23

A três semanas da posse do novo presidente de Honduras, Porfírio “Pepe” Lobo, ainda persiste o impasse político no país vizinho. Em busca de um acordo entre o presidente deposto, Manuel Zelaya, e o presidente de fato, Roberto Micheletti, o subsecretário adjunto para o Hemisfério Ocidental dos Estados Unidos, Craig Kelly, está em Tegucigalpa (capital hondurenha). O objetivo é tentar evitar que a crise se estenda até o futuro governo de “Pepe” Lobo.

Ainda hoje (6) Kelly tem reuniões com Micheletti em busca de uma solução para encerrar a crise. Ontem (5) o norte-americano esteve com Zelaya. É a quinta visita do subsecretário a Honduras desde o golpe de Estado ocorrido em junho do ano passado.

Em novembro de 2009, o governo dos Estados Unidos intermediou o Tegucigalpa-San José. Por meio desse acordo, Zelaya retornaria ao poder e Micheletti deixaria o cargo até o dia 27 de janeiro, quando “Pepe” Lobo assume a Presidência da República.

No entanto, em dezembro o Congresso Nacional de Honduras rejeitou o retorno do presidente deposto ao poder. A derrota foi expressiva: apenas 14 deputados foram favoráveis ao retorno de Zelaya ao governo e 111 parlamentares votaram contra a volta dele.

Desde o golpe de Estado que o retirou do poder em 28 de junho de 2009, Zelaya é substituído por Micheletti, cujo governo não é reconhecido pelas autoridades brasileiras. A auxiliares, o presidente deposto demonstra desânimo na possibilidade de um acordo.

Para Zelaya, Roberto Micheletti não tem interesse em deixar o cargo e ficará na Presidência até a posse do presidente eleito. Há quase quatro meses o presidente deposto está instalado na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa.

Da embaixada brasileira, Zelaya, acompanhado por assessores, cumpre suas atividades políticas que são policiadas do lado externo por um forte esquema armado montado pelo governo de Honduras. O presidente deposto e sua mulher não podem deixar a representação diplomática sob o risco de serem presos.

Paralelamente, o Brasil e vários países da América Latina, como a Argentina, o Paraguai, a Venezuela e a Nicarágua, resistem em reconhecer a legitimidade das eleições que deram a vitória a “Pepe” Lobo. Em posição oposta estão os Estados Unidos, o Peru, o Panamá e a Costa Rica, que defendem a legalidade das eleições em Honduras e o reconhecimento do futuro presidente como resultado de um processo democrático.

Deixe seu Comentário

Leia Também

STJ
Quinta Turma dará mais publicidade aos processos levados em mesa para julgamento
BRASIL
Câmara pode votar Lei de Emergência Cultural na próxima terça-feira
BRASIL
Firjan Senai oferece cursos de aperfeiçoamento para todo o país
STJ
Juiz deverá aplicar medidas coercitivas a familiares que se recusam a fazer DNA, sejam ou não parte na investigação de paternidade
STF
Empresas optantes pelo Simples têm direito a imunidades em receitas decorrentes de exportação
MINISTRO
Weintraub: “tentam deturpar minha fala para desestabilizar a nação”
DIA MUNDIAL
Situação de stress social pode ser gatilho para quem tem esquizofrenia
ESTADO
Canil do Corpo de Bombeiros participa de ocorrências no interior e na capital
ESPORTE
Beach Handebol brasileiro busca alternativas para se manter no topo
INTERIOR
Com peças de Lego, alunas da UEMS criam robô que ajuda na prevenção do coronavírus

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Homem morre atropelado por rolo compactador
PANDEMIA
Dourados ultrapassa marca de 100 casos confirmados de coronavírus
MARACAJU
Homem morre após tentativa de fuga e troca de tiros com a polícia
MS-145
Motorista disse não ter visto momento que atropelou e matou ciclista