Menu
Busca sábado, 23 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
OLIMPÍADAS

Rio 2016 enfrenta atrasos em obras, falta de voluntários e corte de custos

17 janeiro 2016 - 18h07

A vinda do Comitê Olímpico Internacional ao Rio de Janeiro para a reunião de revisão de projetos, na semana passada, coincidiu com uma série de problemas em relação às Olimpíadas que começam daqui a 201 dias, 5 de agosto. Desde obras paradas, passando por falta de voluntários e o processo de corte de custos do Comitê Rio 2016, entidade organizadora dos Jogos.

A principal questão nas obras é em relação à reta final da construção do Centro de Tênis e da reforma do Centro de Hipismo, que estão paradas. O imbróglio é entre a Prefeitura do Rio e a construtora Ibeg. No tênis, a empresa lidera o consórcio ITD com Tangram e Damiani, e no hipismo opera sozinha. Na última quarta-feira, a Prefeitura anunciou o rompimento de contrato na obra do tênis pelo não cumprimento dos prazos e cláusulas contratuais, além de multar o consórcio em R$ 11 milhões. No dia seguinte, o Município suspendeu a multa ao consórcio e estipulou prazo de cinco dias para a defesa da empresa.

As decisões aconteceram após uma semana de protestos de operários da obra que foram demitidos sem que o consórcio pagasse as rescisões. Houve manifestações em frente ao Parque Olímpico e o galpão da fiscalização do Centro de Tênis acabou incendiado. A Prefeitura assumiu o pagamento aos ex-operários, e Eduardo Paes acusou a Ibeg de ter feito "chantagem". A Ibeg já havia sido notificada pela Prefeitura por atraso na obra no Centro de Hipismo.
A construtora entrou com duas ações na Justiça. Uma liminar para não ser afastada da obra do hipismo, e com outra para que a Prefeitura apresentasse os projetos básicos das duas frentes de trabalho em 24 horas. Segundo a Ibeg, a demora para apresentação dos projetos básicos e o atraso nos repasses dos recursos comprometeram os trabalhos. Em uma planilha da Riourbe, no entanto, verifica-se que 30 das 33 parcelas foram repassadas à Ibeg antes da data do vencimento das faturas.

O Centro de Tênis do Parque Olímpico está 90% concluído. Já consumiu 149,6 milhões de dinheiro do governo federal e tem custo final estimado em R$ 175,4 milhões, sem contar os R$ 36 milhões de aditivos pela inflação e pela mudança de projeto, que elevaram o custo final para R$ 211,4 milhões. Já o Centro de Hipismo tem previsão de custo de R$ 157,1 milhões, também com recursos do governo federal e execução da Prefeitura. As duas instalações já receberam evento-teste e deveriam ter sido concluídas até o final do ano passado.

O velódromo, obra mais atrasada do Parque Olímpico, teve o seu evento-teste adiado de março para o fim de maio. A demora para a instalação da pista de pinho siberiano determinou a mudança. Empreiteira da obra 76% concluída, a Tecnosolo já recebeu duas notificações da Prefeitura e desde o início da construção opera em recuperação judicial.

Já no Estádio de Remo da Lagoa, a previsão é que a obra seja retomada nesta semana, após um mês parada. A Giver Engenharia deixou a reforma da instalação, 80% concluída, após parar de receber da Secretaria de Estado de Obras, que por sua vez alegou falta de repasse do Banco do Brasil. Se a obra for realmente retomada, ela vai demorar mais três meses para ser concluída.

Ecobarcos sem pagamento

Na Baía de Guanabara, o trabalho dos ecobarcos está prestes a parar pela falta de pagamento da Secretaria Estadual de Ambiente. As duas empresas que recolhem o lixo flutuante da água estão sem receber desde outubro. A empresa que gerencia o trabalho, a Prooceano, ainda não recebeu R$ 600 mil pelos seis meses do contrato-teste. A qualidade da água da Baía de Guanabara foi novamente questionada pelo COI após reclamações de velejadores durante a Copa Brasil de Vela, mês passado, nas mesmas raias dos Jogos Olímpicos. Ainda há preocupação com os testes de vírus e bactérias da água da baía e da Lagoa Rodrigo de Freitas. O COI pediu exames diários, mas como o resultado só sai em 48h, a medida não seria coerente.

Comitê Rio 2016 segue cortando gastos

A tesoura do corte de custos continua voando pelo Comitê Rio 2016. A definição do quanto será possível cortar só deverá ser definida em fevererio. Algumas áreas tiveram cortes de até 30%, mas a média deverá ficar em 10% para manter o orçamento de R$ 7,4 bilhões com dinheiro privado. O COI não concordou com alguns cortes, como nas impressoras nas arenas para que jornalistas recebem a relação dos resultados em papel. Também falta finalizar a compra de passagens aéreas dos cerca de 10.500 atletas. Para gastar menos serão comprados bilhetes para viajar durante a semana, mais baratos do que as viagens nos fins de semana.

Na Vila dos Atletas, aparelhos de ar condicionado serão providenciados, deixando-se para trás a ideia de alugá-los aos atletas. Não haverá televisão em cada quarto, apenas nas salas dos apartamentos.

Um corte praticamente definido é o da arquibancada flutuante do espelho d´água da Lagoa Rodrigo de Freitas. A instalação temporária para 4.000 pessoas está sob a responsabilidade do Comitê Rio 2016. A definição será dada no início de fevereiro, em uma reunião entre dirigentes de federações internacionais na Suíça. Entidade que comanda o remo, a World Rowing foi convidada a bancar a instalação.

À espera da energia temporária

Na questão da energia temporária, falta a Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro aprovar a isenção de ICMS para a Light, no valor de R$ 160 milhões, para a instalação de geradores nas áreas de competição de Deodoro, Maracanã e Copacabana. Só dessa forma o governo estadual, em grave crise financeira, poderia assumir a responsabilidade. Coube ao prefeito Eduardo Paes, do mesmo partido do presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), garantir ao COI a aprovação da isenção na volta do recesso dos deputados estaduais, em fevereiro.

Na região da Barra da Tijuca, a principal dos Jogos, está definido que o trabalho será feito pela Tecnogera, com um custo de R$ 290 milhões orçados pelo governo federal. A escocesa Aggreko, líder mundial no fornecimento de energia temporária, e que já atuou em nove edições dos Jogos Olímpicos, se retirou da concorrência.

Faltam voluntários

As dificuldades também estão nas cerimônias de abertura e encerramento, no Maracanã. O Comitê Rio 2016 conseguiu selecionar apenas 3.000 dos 12.000 voluntários que precisa nas audições no fim do ano passado. A campanha para atrair voluntários começou em maio do ano passado, e mesmo prorrogada não atraiu gente suficiente que precisa ter habilidades como dança, acrobacia, skate, patinação, malabares ou grafite, entre outros. Uma nova campanha será lançada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA ANDRADINA
Após acidente, condutores são autuados por dirigir sem CNH
PANDEMIA
Fiocruz finaliza análise de segurança e libera doses para distribuição
Justiça suspende pagamento do IPVA para pessoas com deficiência em SP
BRASIL
Justiça suspende pagamento do IPVA para pessoas com deficiência em SP
Polícia recupera veículo ao atender ocorrência em bar
REGIÃO
Polícia recupera veículo ao atender ocorrência em bar
Maratona Enem faz aulão de revisão ao vivo para segundo dia de provas
EDUCAÇÃO
Maratona Enem faz aulão de revisão ao vivo para segundo dia de provas
REGIÃO
Homem é preso um dia depois de praticar assalto em Três Lagoas
PONTA PORÃ
Após tentativa de homicídio na fronteira, submetralhadora 9 mm é apreendida
PANDEMIA
MS confirma mais 23 óbitos por coronavírus e soma quase 12 mil em isolamento
ECONOMIA
Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
MATO GROSSO DO SUL
Renave é garantia de segurança e credibilidade nas transações comerciais, diz diretor

Mais Lidas

CENTRO
Primeiro acidente de trânsito com vítima fatal neste ano é registrado em Dourados
DOURADOS
Segundo corpo encontrado às margens da BR-163 é identificado
VIAGEM SANTA
PF deflagra operação contra tráfico de drogas em empresas de turismo religioso de Dourados
DOURADOS
Um dos corpos encontrados às margens da BR-163 foi quase decapitado