Menu
Busca domingo, 28 de fevereiro de 2021
(67) 99257-3397
FLAMENGO

Ministério Público denuncia 11 pessoas por incêndio no Ninho do Urubu

15 janeiro 2021 - 21h50Por Agência Brasil

O Ministério Público (MP) denunciou à Justiça pelo crime de incêndio culposo qualificado 11 pessoas apontadas como responsáveis pela tragédia do Ninho do Urubu, quase dois anos atrás. No dia 8 de fevereiro de 2019, o incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo provocou a morte de dez adolescentes e lesões em mais três.

Segundo a denúncia, oferecida junto à 36ª Vara Criminal da Capital, houve desobediência a sanções administrativas impostas pelo Poder Público por descumprimento de normas técnicas regulamentares e ocultação das reais condições das construções existentes no local ante a fiscalização do Corpo de Bombeiros.

De acordo com o MP, houve ainda contratação e instalação de contêineres em discordância com regras técnicas de engenharia e arquitetura para servir de dormitório de adolescentes, inobservância do dever de manutenção adequada das estruturas elétricas e inexistência de plano de socorro e evacuação em caso de incêndio.

A ação penal relata que, antes do incêndio, o Centro de Treinamento tinha sido interditado pelo fato de o Flamengo exercer ilegalmente atividade no local. A denúncia destaca que, em 2015, o MP ajuizou ação civil pública buscando a interdição imediata do alojamento da base do Flamengo, justamente por conta da sua estrutura precária e da ausência de monitores treinados e adequados para cada grupo de dez jovens, inclusive durante o período noturno.

De acordo com o MP, o denunciado Eduardo Carvalho Bandeira de Mello, então presidente do clube e detentor final da tomada de decisão, optou por não cumprir a disponibilização de um monitor por turno para cada dez adolescentes residentes e por não adequar a estrutura física do espaço destinado a eles às diretrizes e parâmetros mínimos.

Conforme a denúncia, Bandeira tinha plena ciência do estado de clandestinidade administrativa dos módulos habitacionais. Ainda segundo o MP, os outros denunciados também incrementaram o risco ao negligenciar diversos cuidados necessários e adotar condutas que caracterizam imperícia.

Ao fim do processo, os denunciados estarão sujeitos a penas de detenção de 1 ano e 4 meses a 4 anos, com aumento de pena de um sexto até a metade, em razão do concurso formal.

Bandeira de Mello foi procurado pela reportagem, mas não retornou o pedido de posicionamento sobre a denúncia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Como descobrir se seus dados pessoais estão sendo utilizados por terceiros?
UTILIDADE PÚBLICA
Como descobrir se seus dados pessoais estão sendo utilizados por terceiros?
Jovem colide moto e embriagado tenta fugir do hospital mas é detido
DOURADOS
Jovem colide moto e embriagado tenta fugir do hospital mas é detido
TRÁFICO DE DROGAS
Homem é preso com droga que levaria para PR
ESPORTES
Vasco anuncia Marcelo Cabo como seu novo técnico
Mega-Sena: aposta do Rio leva sozinha prêmio de R$ 49 milhões
LOTERIA
Mega-Sena: aposta do Rio leva sozinha prêmio de R$ 49 milhões
TEMPO
Domingo tem previsão de temperatura elevada e não chove
CAMPEONATO ESTADUAL
Focado em se manter na elite, Dourados estreia hoje contra o Aquidauanense
JUSTIÇA FEDERAL
Contribuinte não pode mudar declaração de IR simplificada para completa após prazo de entrega
BRASIL
Ceará lança lista inédita de animais encontrados no estado
PANDEMIA
Ampliados setores que vão abrir durante lockdown no Distrito Federal

Mais Lidas

DOURADOS 
Mulher é esfaqueada na região central e encaminhada ao HV em estado grave
DOURADOS 
Mulher que esfaqueou rival é autuada em flagrante por tentativa de homicídio
DOURADOS 
Mulher é presa após furtar residência no Altos do Indaiá
ITAQUIRAÍ
Acusado de matar homem com tiro na nuca diz que vítima ameaçava ex