quarta, 29 de junho de 2022
Dourados
26°max
15°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
FUTEBOL

Jorginho diz não ser xenófobo, mas reforça críticas a postura de Abel

17 junho 2022 - 21h05Por Globoesporte

O técnico Jorginho, do Atlético-GO, comentou as declarações que dirigiu a Abel Ferreira, comandante do Palmeiras, após o confronto entre as equipes pelo Campeonato Brasileiro, na última quinta-feira. Ele acusou o colega de ser desrespeitoso com o Brasil ao reclamar constantemente com a arbitragem. O clube paulista emitiu uma nota oficial repudiando a fala.

Em entrevista ao Seleção sportv nesta sexta, Jorginho disse não ser xenófobo, mas condenou a atitude de Abel e sua comissão técnica à beira do campo durante os jogos.

– Em primeiro lugar, fui 12 anos estrangeiro na minha vida, dez anos como jogador e dois anos como treinador. Tenho respeito muito grande por ser estrangeiro e como estrangeiro. Tenho cidadania portuguesa, não tenho nada contra o Abel. No jogo de ontem, ele não veio me cumprimentar, como um anfitrião tem que fazer, não entendi essa postura – disse.

    – O que me assusta em campo é a forma desrespeitosa que ele e sua comissão técnica fazem com o árbitro. Tenho 12 anos fora do meu país, aprendi a amar as pessoas independentemente do país. A única coisa que fiz foi pedir ao quarto árbitro para ter mais severidade com aquilo que ele estava fazendo. Conversei com alguns treinadores brasileiros hoje sobre isso, a gente vê em algumas entrevistas como ele tem uma gestão de campo maravilhosa. Dentro de campo, precisa mudar o seu comportamento.

Jorginho se desculpou pela declaração. Mas reforçou as críticas a Abel e também citou Jorge Sampaoli, ex-técnico de Santos e Atlético-MG.

– Está sendo polêmica essa declaração sobre ele ter vindo ao nosso país. Me assusto com o olhar que o Abel dá para o árbitro e para o quarto árbitro. O que eles falam é um absurdo. Se de alguma forma passei essa imagem, não é a minha forma de ser (xenófobo). Não é uma justificativa, mas acho que esses temas e esse comportamento precisam ser debatidos. No momento que ele está falando e sendo desrespeitoso com o árbitro, automaticamente ele está falando com a minha equipe. Que ele possa refletir junto com sua comissão sobre essa posição.

 – É ridícula a forma como eles olham e tratam os árbitros. Se eu faço uma coisa dessas, sou punido com cartão vermelho. Me deixa triste essa diferença de tratamento. Tínhamos o Sampaoli, que tinha uma postura parecida. Tomar quatro gols em sete minutos deixa a gente triste e chateado, mas fiz essa colocação e deixei parecer que sou xenófobo, peço desculpas. Jamais vou tratar estrangeiros de forma diferente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rhaiza Matos vistoria obra de revitalização e instalação de arena esportiva no Parque Sucupira
NAVIRAÍ

Rhaiza Matos vistoria obra de revitalização e instalação de arena esportiva no Parque Sucupira

Fiesta é apreendido em Dourados com mercadorias do Paraguai
FISCALIZAÇÃO

Fiesta é apreendido em Dourados com mercadorias do Paraguai

Jovem é baleado por homem de moto enquanto caminhava na Cohab II
DOURADOS

Jovem é baleado por homem de moto enquanto caminhava na Cohab II

Marçal Filho recebe título de cidadão Maracajuense
LEGISLATIVO DE MS

Marçal Filho recebe título de cidadão Maracajuense

ORDEM DO DIA

Refic para quitação de débitos dos municípios é aprovado em 1ª

REGIÃO

Contrabando avaliado em quase R$ 50 mil é apreendido em veículo abandonado

ECONOMIA

Senado aprova MP que facilita empréstimos para produtores rurais

POLÍTICA

TCU aprova contas do governo federal de 2021 com ressalvas

REGIÃO

Autor de furto majorado e dois receptadores são detidos em investigação

EDUCAÇÃO

Publicado resultado do sorteio para cursos de qualificação profissional do IFMS

Mais Lidas

DOURADOS

Jovem morre com tiro na cabeça e outro fica ferido no Terra Roxa

FEMINICÍDIO

Morre em hospital homem acusado de torturar e assassinar ex em MS

DOURADOS 

'Cansado' de traficar, jovem se apresenta em delegacia e entrega 'crack'

DOURADOS

Comerciantes que ficavam em posse de cartões de indígenas pagarão R$ 150 mil em indenização