Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
FUTEBOL

Copa América começa hoje com craques, equilíbrio e importância

11 junho 2015 - 19h00

Se um dia se falou que a Eurocopa era a versão da Copa do Mundo sem Brasil e Argentina, a Copa de 2014 transformou a máxima em falácia. Um ano depois, a Copa América de 2015, que será disputada no Chile, chega mostrando o momento de alta do futebol sul-americano: alguns dos principais craques do planeta jogarão, não se fala mais em favoritismo de Brasil e Argentina e todas as equipes competem pelo topo, e não mais por experiência.

A edição da Copa América que chega com enorme expectativa começa nesta quinta-feira, dia 11 de junho, às 19h30 (MS), no estádio Nacional, de Santiago, e será aberta com a partida entre Chile e Equador, pelo Grupo A, que também conta com México e Bolívia. Os motivos para crer que o torneio ilustrará o grande momento vivido pelo futebol do continente são muitos.

###Alguns dos melhores jogadores do planeta
Lionel Messi, já favorito ao prêmio de melhor jogador do mundo em 2015, jogará esta Copa América. E possivelmente com a sensação de revanche pela edição de 2011, quando não conseguiu brilhar tanto como se esperava e acabou eliminado nas quartas de final pelo Uruguai, que mais tarde seria campeão.

Ainda na Argentina, jogadores como Carlos Tévez, que fez excelente temporada pela Juventus, Javier Mascherano, que venceu tudo com o Barcelona, e Sergio Aguero, artilheiro do Campeonato Inglês, aparecem. E ainda há outros atletas de destaque, como o meia Ángel Di Maria, do Manchester United.

O Brasil não tem um time totalmente estrelado, mas tem Neymar, decisivo para o Barcelona na vitoriosa temporada e em constante ascensão. Além do capitão e camisa 10, conta com protagonistas emergentes, como Willian e Philippe Coutinho, dominantes em Chelsea e Liverpool, na Inglaterra, respectivamente.

A Colômbia, que nos últimos anos - assim como a Bélgica na Europa - se colocou como uma das maiores seleções do mundo, também mostra suas armas: James Rodríguez, a sensação da Copa do Mundo e hoje no Real Madrid, Juan Cuadrado, do Chelsea, Jackson Martínez, do Porto, e Falcao Garcia, que mesmo em má fase após temporada apagada no Manchester United tenta se recolocar após a ausência por lesão na Copa do Mundo.

No Chile, as placas de publicidade da competição espalhadas pela capital Santiago alternam entre as imagens do atacante Alexis Sánchez, do Arsenal, do volante Arturo Vidal, finalista da Liga dos Campeões com a Juventus, e do goleiro Claudio Bravo, do Barcelona.

A renovada seleção uruguaia, campeã da última edição, não tem Luis Suárez, suspenso pela famosa mordida da Copa do Mundo. Mas tem Diego Godín, hoje considerado um dos melhores zagueiros do mundo, do Atlético de Madri, e o atacante Edinson Cavani, do Paris Saint-Germain.

###O favoritismo mudou de mãos
Há muitas edições não se via um cenário em que falava-se abertamente antes do início da competição que os favoritos ao título não são apenas Brasil e Argentina. Hoje a seleção colombiana, por exemplo, é tida por técnicos e jogadores rivais como um adversário do mesmo nível. Dunga disse isso, e ainda colocou o Chile, anfitrião, em patamar mais alto. E os próprios chilenos se colocam como favoritos.

###Copa do Mundo mostrou força da Copa América
Seis dos 16 times que participaram das oitavas de final da Copa do Mundo de 2014 jogam esta Copa América de 2015. O México, convidado nesta edição, é um deles. Mas o retrato importante está em Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e Uruguai.

O caminho brasileiro até chegar aos 7 a 1 contra a Alemanha também mostrou isso: nas oitavas de final, uma vitória nos pênaltis para superar o Chile, que na primeira fase vencera a então campeã mundial Espanha, por 2 a 0, jogando melhor. Depois, sofreu novamente para vencer por 2 a 1 a Colômbia, que eliminara o Uruguai.

A Argentina, que desde 1990 não chegava a uma final, chegou. Com um time reinventado por Alejandro Sabella, consertou os problemas defensivos e finalmente conseguiu montar o quebra-cabeça ofensivo com peças que não encaixavam havia anos.

###Quatro entre oito primeiras do ranking da Fifa
Hoje a América do Sul representa metade daqueles que seriam os cabeças de chave numa Copa do Mundo segundo o ranking da Fifa. A Argentina ocupa a 3ª posição, seguida de Colômbia (4ª) e Brasil (5º). O Uruguai aparece em 8º. Entre eles, europeus: Alemanha (1ª), Bélgica (2ª), Holanda (6ª) e Portugal (7º).

###Todos jogam para ganhar. Virou prioridade
A Copa América de 2015 encerrou o discurso de que joga-se para formar um grupo, para adquirir experiência. O equilíbrio entre os times hoje faz com que Brasil, Argentina, Colômbia, Chile e Uruguai, pelo menos, cheguem ao torneio com a maior das ambições: todos falam em título.

Se todos colocam tal troféu como prioridade, acima da formação de um time, da oportunidade de adquirir entrosamento para uma meta maior, a competição fez-se importante.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
Major da reserva da PM morre em decorrência do novo coronavírus
REPARAÇÃO HISTÓRICA
Volks faz acordo para reparar violações dos direitos humanos na ditadura
CAMPO GRANDE
Homem invade casa da ex e agride atual com socos e golpe de marreta
BRASIL
Caixa Econômica lança a "Super Sete" nova modalidade de loteria
POLÍCIA
Homem morre ao tentar invadir delegacia de Glória de Dourados
RIO DE JANEIRO
Alerj autoriza continuidade do processo de impeachment contra Witzel
DESCAMINHO
Polícia apreende carreta com cigarros e causa prejuízo de dois milhões
JUSTIÇA
Loja deve trocar produto que apresentar defeito até 6 meses de uso
PRESIDENTE INVESTIGADO
Julgamento no STF sobre depoimento de Bolsonaro será em plenário virtual
ITAQUIRAÍ
Ação conjunta prende traficante e apreende duas toneladas de drogas

Mais Lidas

DOURADOS
Carro carregado com calhas capota após colisão e mulher fica ferida
PARANÁ
Traficante Elias Maluco é encontrado morto em presídio federal
PEDRO JUAN
Terror na fronteira: três veículos de luxo são incendiados em pontos distintos
PANDEMIA
Prefeitura e MPE entram em acordo para retorno das aulas presenciais na rede privada