Menu
Busca domingo, 31 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Esporte e Cultura já!, por Silva Junior

19 fevereiro 2010 - 15h00

Com entusiasmo e alegria estarei alcançando quarenta e cinco anos de idade em maio do ano em curso. Confesso minha gratidão a Deus pelas muitas conquistas e também apreensões, dores, sofrimentos, fatores naturais na rotina humana ao longo desta trajetória.
No entanto, me sinto um privilegiado por alcançar quatro décadas e meia de vida, vivendo a grande maioria nesta cidade extraordinária e acolhedora chamada Dourados. Neste rico pedaço de chão tudo que se planta, colhe com abundância.
As oportunidades oferecidas não deixam margens a dúvidas, basta observar quantos talentos foram descobertos em todas as áreas: saúde, política, esporte, empresarial, intelectual, eclesiástica, jurídica, entre outras. Gente vinda de várias partes aporta aqui diariamente vislumbrando novos horizontes e aquelas de bom entendimento conseguem sobressair com galhardia.
Porém, entretanto, todavia, muitos ainda não percebem e apresentam certo grau de dificuldade para enxergar a grandiosidade engendrada num convívio social decente, próspero e com qualidade de vida.
Essa reflexão me veio à baila depois de participar de uma reunião realizada na Prefeitura de Dourados envolvendo prefeito, vereadores, secretários e imprensa, na tentativa de se buscar mecanismos para tirar o Estádio Douradão do ostracismo em que vive.
O gigante agoniza, pede socorro, e a cada mandato político decisões a passos de tartaruga mostram sua faceta com o bastão da incompetência sendo passado para frente, sobrepondo os obstáculos ao invés de unir forçar para removê-los.
Essa inércia não é benéfica para ninguém. Não representa absolutamente nada. Seria de bom grado, se ao invés de rusgas e jogo de empurra, houvesse efetivamente empenho plural em torno de soluções reais para esse gargalo inoperante que ofusca o poderio do segundo mais habitado município sul-mato-grossense.
Nas últimas administrações, José Elias Moreira, passando por Luiz Antonio Álvares Gonçalves, Braz Melo (duas vezes), Humberto Teixeira, Laerte Tetila (duas vezes) e Ari Artuzi, duas importantes pastas não tiveram e não tem o respeito que lhes são merecidas: esporte e cultura.
Pessoal, é necessário planejamento com no mínimo dez anos de existência e com recurso mensal da arrecadação para colocar essas duas casas em ordem. Jeito tem, basta vontade, iniciativa e todos nós e a Grande Dourados vamos poder dizer, amém. Discutir de quem é a culpa é manter o mesmo trilho paupérrimo que não leva a lugar nenhum.

*Jornalista/Radialista

Deixe seu Comentário

Leia Também

DURANTE A PANDEMIA
Saiba quais foram as maiores lives musicais realizadas na internet
SOLIDARIEDADE
Ação de ONG leva roupas e itens de higiene para famílias de Campo Grande
BRASIL
Parques e igrejas de maior porte reabrem no DF na quarta-feira
CORRIDA ESPACIAL
SpaceX e Nasa lançam foguete com astronautas nos EUA
BRASIL
Cidade de São Paulo prorroga quarentena até 15 de junho
"RAÍZES"
Documentário sobre sacis filmado em MS tem estreia online em junho
EM MIRANDA
Mulher é estuprada após ser levada para quintal de residência
REDES SOCIAIS
Bolsonaro tira fotos sem máscara após ir a lanchonete em Goiás
NA CAPITAL
Criança fica ferida ao ser atropelada por moto em avenida de Campo Grande
RELAÇÕES INTERNACIONAIS
EUA anunciam mais US$ 6 mi para ajudar Brasil no combate à pandemia

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
PANDEMIA
Estado alerta que Dourados deve ser cidade com mais casos de Covid-19 na próxima semana
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
POLÍCIA
Homem encontrado morto sob a ponte do Calarge tinha 38 anos