Menu
Busca terça, 26 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
ISOLAMENTO

Engenheiro brasileiro enfrenta desafio em missão aeroespacial simulada

26 setembro 2020 - 13h00Por Agência Brasil

Imagine que você está em missão espacial e tem direito a apenas oito minutos de banho – por semana. Em tese, um minuto por dia. Como faria para administrar essa escassez de água fora do planeta Terra?

Pois este foi um dos desafios que o engenheiro aeroespacial Lucas Brasileiro enfrentou ao participar de uma missão simulada da Agência Espacial Europeia, a ESA, batizada de EuroMoonMars 3, em janeiro deste ano.

E olha a solução que ele encontrou: "Eu vim com a solução do balde de água. Então, eu colocava um minuto de água no balde e tomava meu banho tranquilamente. E este protocolo foi inserido para outras missões. Foi uma solução que encontrei e pude me higienizar com o balde de água, que é o que a gente faz no Brasil quando há algum problema de encanamento e a água não vem."

Foram duas semanas no Havaí, em uma área explorada pela Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos, e pela ESA para simular um habitat extraterrestre – como seria, por exemplo, na Lua ou em Marte.

O brasileiro, formado pela Universidade de Brasília e que hoje faz doutorado na França, foi selecionado junto com mais cinco pessoas para convivência em área inóspita do nosso planeta, uma espécie de domo, que imita um alojamento que pode ser usado em futuras missões.

Além do limite de água para banho, Lucas Brasileiro destacou que o maior desafio na missão foi estar preso dentro de uma bolha, com um rotina fechada.

"A minha função era de engenheiro-chefe e, nesse caso, eu tinha que tomar conta do sistema o tempo inteiro. De hora em hora, checar níveis de bateria e de água, tudo isso era uma coisa diária e então essa nova rotina foi um desafio. Também os testes psicológicos no fim do dia, quando estávamos cansados. Um deles era relacionado a missões marcianas."

Ele destaca como a engenharia aeroespacial é fundamental em missões, ainda mais aquelas que podem ser tripuladas. "Os engenheiros aeroespaciais focados em propulsão, eletrônica, no controle de voo, em estruturas e materiais estarão sempre tentando achar meios seguros,com soluções para dificuldades que poderão vir. A ideia dessas missões é não perder ninguém."

Ao fim da missão, Lucas Brasileiro lembra a emoção ao sair daquele ambiente árido e mudar a perspectiva sobre coisas simples. "Quando a gente saiu, a gente começou a ver as coisas mais verdes, ver gente, comer comida que considera natural, comida de verdade. Então, apesar de duas semanas de isolamento total, é um pouco chocante essa saída."

Deixe seu Comentário

Leia Também

Após denúncias, Guarda localiza maconha na Via Parque
DOURADOS
Após denúncias, Guarda localiza maconha na Via Parque
Aumento de temperatura pode chegar a 2,7 graus no século, alerta ONU
INTERNACIONAL
Aumento de temperatura pode chegar a 2,7 graus no século, alerta ONU
Guarda de Dourados recupera moto furtada na fronteira
POLÍCIA
Guarda de Dourados recupera moto furtada na fronteira
OPORTUNIDADE
Mestrado Acadêmico em Letras da UEMS de Campo Grande esta com inscrições para alunos regulares
Mulher causa confusão em bar, corta os punhos, joga sangue em policiais e vai presa
CASSILÂNDIA
Mulher causa confusão em bar, corta os punhos, joga sangue em policiais e vai presa
OPORTUNIDADE
Governo abre processo seletivo para contratar analista previdenciário com salário de R$ 4,1 mil
BRASIL
Presidente do TSE volta a defender regulamentação de redes sociais
TRÁFICO
Guarda encontra droga em terreno próximo a Via Parque em Dourados
MS-080
Homem morre após capotar caminhonete e ser arremessado a 10 metros
CASSILÂNDIA
Homem agride esposa, furta itens da casa dela para comprar drogas e vai preso

Mais Lidas

CLIMA
Vendaval atinge Dourados e deixa rastro de destruição
DOURADOS
Namorada posta 'status' de jovem com arma, polícia rastreia carro e prende rapaz
DOURADOS
Três vias de Dourados passam a ser "mão única"
DOURADOS
Mulher "roleta" Weimar, causa acidente e deixa motociclista ferido gravemente