Menu
Busca domingo, 13 de junho de 2021
(67) 99257-3397

Em MS, só 2% conseguem a autorização para ter arma

07 maio 2006 - 11h16

Mesmo com a vitória do “não” no referendo em que os brasileiros se manifestaram a favor à venda de armas de fogo e munição no país, ter uma arma não está sendo tarefa fácil no País. Depois da entrada em vigor das regras do Estatuto do Desarmamento, mais rígidas do que sempre, o comércio desse tipo de produto teve queda de cerca de 90% na movimentação e a PF (Polícia Federal) aponta que apenas 2% das pessoas que solicitam, conseguem o porte de armas no Estado. Desde que o Estatuto entrou em vigor, em dezembro de 2003, foram emitidos apenas 34 portes de armas. As demais pessoas que possuíam a autorização para andar armadas, antes da lei, tiveram o direito suspenso. A negativa se deve ao fato dos interessados não atenderem os requisitos previstos em lei, ou seja, não comprovam a necessidade de ter uma arma e acabam com o pedido recusado pela PF. O delegado federal Jonas Cleber Rossatti, da Delegacia de Defesa Institucional, explicou que quem consegue o porte são pessoas que provam atuar em atividade profissional de risco efetivo, como empresários que estejam sujeitos a seqüestros ou pessoas que lidam com grande volume de dinheiro. O delegado explicou que de 20 a 30 pessoas procuram por mês a Polícia Federal em busca do porte, mas não têm relação com profissão de risco. Antes de iniciar o processo, segundo o delegado, muitos são eliminados na primeira entrevista prévia na delegacia quando têm que argumentar a necessidade de andar armado. Entre ele, estão casos de trabalhadores que saem de casa de madrugada ou que voltam para suas residências altas horas da noite. “São cidadãos comuns sujeitos à violência urbana como qualquer outro”, ressaltou. O funcionário público Paulo Henrique de Oliveira Franco é um deles. Coordenador Estadual do Movimento Viva Brasil, de defesa dos direitos individuais, Franco tem registro de arma há 18 anos e há seis possuía o porte. No entanto, desde 2004, perdeu o benefício, mas não tentou renovar, pois considera os custos proibitivos. Pela lei, ele deveria pagar R$ 1 mil pelo pedido de porte, além de pagar exame psicológico e prático. Na opinião dele, para o bandido, que vive fora da lei e usa arma ilegal, agora ficou mais fácil praticas crimes, já que ele sabe que o cidadão comum não anda armado.O servidor público contou à reportagem do Campo Grande News que, embora já tenha usado a arma, nunca precisou atirar e não concorda que o porte contribua para o aumento da violência. Ele disse que uma vez flagrou um rapaz tentando furtar o carro em frente a sua casa e só ao mostrar o revólver, o ladrão fugiu. “Minha segurança pessoal e a da minha família é responsabilidade minha. Se eu praticar ato ilegal devo responder por isso. Quem vai me socorrer na hora de maior necessidade?”, questionou Paulo Oliveira Franco. PorteAté dezembro de 2003, quando a emissão de porte e registro de arma era feita pela Polícia Civil, existiam no Estado cerca de 20 mil registros. O delegado Marcelo Vargas, que respondia pela DEOPS (Delegacia de Ordem Pública e Social), afirmou que o porte tinha validade por 12 meses e por ano eram emitidos de 400 a 500 portes. Com a entrada em vigor do Estatuto do Desarmamento, em 23 de dezembro daquele ano, atualmente, no Mato Grosso do Sul, apenas 34 pessoas estão autorizadas a portar amas de fogo, sendo que ao todo 46 mil armas estão registradas junto à Polícia Federal. Além do rigor na emissão no registro e porte, comprar uma arma teve o custo significativamente elevado. Comprar um revolver, dos mais baratos, e ter o registro e o porte chega a custar cerca de R$ 3 mil. Só para ter o registro o solicitante precisa investir R$ 850, somente o teste teórico custa um salário mínimo (R$ 350). Se o comprador quiser ter o porte, ou seja, a permissão para se deslocar com a arma, tem que desembolsar a taxa de R$ 1 mil. Além disso, vai precisar comprar a arma, que não sai por menos de R$ 1,4 mil, valor do mais barato, o revólver 85 Taurus de duas polegadas, com capacidade para cinco tiros, com cano curto. Uma arma com maior capacidade e ainda com baixo custo sairá por R$ 2,4 mil, que é o caso da pistola calibre 380, com capacidade para até 19 tiros. Comércio - Em Campo Grande, apenas duas lojas mantêm o comércio de armas atualmente: a Central Armas e a Jacaré Caça e Pesca. A proprietária da Central, Claudia Patrícia Gonçalves informou que as vendas caíram em cerca de 90% depois da lei, índice confirmado pelo gerente comercial da Jacaré Luis Carlos Moraes. Segundo Claudia, quando a emissão de porte e registro era menos burocrático a loja vendia mais, no entanto, ela defende que como para dirigir um carro, a pessoa precisa sim do licenciamento e da CNH, para ter um revólver é necessário, na opinião da comerciante, que o dono da arma tenha equilíbrio psicológico e saiba manuseá-la.Em função da baixa nas vendas, a loja Jacaré Caça e Pesca está diversificando as atividades e a venda de armas e produtos de pesca já são atividades secundárias. A loja também é conveniência. A pessoa que vai para a pesca ou camping encontra no local uma serie de produtos como carvão, espeto, etc. O gerente comercial informou que a última arma que vendeu neste ano foi há dois meses para um policial civil. Além do Estatuto do Desarmamento, que impõe regras mais rigorosas e afeta o comércio, a mudança da legislação da pesca e a redução de cota, prejudicou a venda de produtos pesqueiros. Regras Para portar armas em casa ou no local de trabalho, o cidadão deve ter mais de 25 anos, declarar necessidade, ter residência fixa, provar ocupação lícita, capacidade técnica e aptidão psicológica --por meio de um teste psicotécnico-, além de apresentar uma certidão de antecedentes criminais fornecida pelas Justiças Federal, Estadual, Militar e Eleitoral.Somente a Polícia Federal, por meio do Sinarm (Sistema Nacional de Armas), está autorizada a conceder o registro, que deve ser renovado a cada três anos; e o porte de armas.Além disso, portar armas ilegalmente é crime inafiançável. São exceções policiais, guardas municipais, integrantes das Forças Armadas, funcionários de empresas de segurança e transporte de valores, desportistas de tiro e pessoas que comprovarem sua necessidade por exercício de atividade profissional de risco ou de ameaça à sua integridade física, além de caçadores. As informações são do site de notícias Campo Grande News.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Historiadora traça paralelo entre a gripe espanhola e a pandemia de Covid-19 em evento do STF
BRASIL
Historiadora traça paralelo entre a gripe espanhola e a pandemia de Covid-19 em evento do STF
Covid-19: projeto oferece apoio psicológico online para superar o luto
BRASIL
Covid-19: projeto oferece apoio psicológico online para superar o luto
Olimpíada: Fernando Reis e Jaqueline Ferreira se classificam
ESPORTE
Olimpíada: Fernando Reis e Jaqueline Ferreira se classificam
Prova de vida pode ser feita sem sair de casa
BRASIL
Prova de vida pode ser feita sem sair de casa
Defron desarticula entreposto de cocaína no Campo Dourado
DOURADOS
Defron desarticula entreposto de cocaína no Campo Dourado
MS
Cargas de 164 m³ de carvão ilegal motivam multa de R$ 49,2 mil em empresa carvoeira
CONSCIENTIZAÇÃO
Cardiopatia congênita: diagnóstico precoce é essencial para tratamento
CAPITAL
Condutor de BMW que causou acidente vai a júri por vitimar motociclista
BRASIL
STF julga inconstitucional regra que veda créditos de PIS/Cofins na aquisição de recicláveis
MS
TRT define regime de teletrabalho a partir de segunda-feira

Mais Lidas

FLEXIBILIZAÇÃO
Decreto que libera atividades comerciais a partir de domingo é publicado
EMOCIONATE
VIDEO: Recuperada da Covid-19, douradense é recebida pela mãe em Rondônia
LOCKDOWN
Decreto flexibiliza atendimento via delivery no Dia dos Namorados em Dourados
LOCKDOWN
Fiscalização encontra funcionários dentro de filial das Casas Bahia em Dourados