Menu
Busca domingo, 16 de maio de 2021
(67) 99257-3397

"Efeito entressafra" está no fim

09 fevereiro 2011 - 12h34

Em uma tentativa de aliviar os temores inflacionários domésticos, o Ministério da Agricultura informou ontem que calcula que a colheita de grãos nos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Goiás, São Paulo e Rio Grande do Sul deverá alcançar 119 milhões de toneladas até o fim de abril e que, com isso, fatalmente haverá uma desaceleração dos preços dos alimentos.

Nesses Estados, lembra o ministério, a colheita começou em janeiro. O grosso do volume previsto até o término do primeiro quadrimestre é formado por soja, milho, arroz e feijão, todos com reflexos diretos sobre os preços de alimentos vendidos no varejo, inclusive por causa dos efeitos nas rações animais.

No total, incluindo as safras de verão e de inverno, a colheita brasileira de grãos deverá somar 149,4 milhões de toneladas nesta safra 2010/11, praticamente o mesmo volume de 2009/10 (149, 087 milhões), conforme números divulgados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em janeiro. Na manhã de hoje a Conab divulga um novo levantamento.

Ainda que arroz e feijão tenham seus preços formados basicamente em função do quadro interno de oferta e demanda, os preços de grãos como soja e milho, que são exportados em volumes consideráveis pelo Brasil, também dependem do comportamento das cotações no mercado internacional. E estas seguem elevadas e deverão permanecer assim nos próximos meses, pelo menos até que emerjam sinais mais concretos dos tamanhos das safras no Hemisfério Norte, onde o plantio da safra 2011/12 ganhará força ainda neste primeiro trimestre. Hoje a expectativa é que essas safras serão maiores e menos prejudicadas pelo clima do que a anterior.

Conhecedor dos tradicionais ciclos de altas e baixas das commodities, o ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues afirmou à agência Reuters que os agricultores do país não devem se iludir com a forte valorização das commodities. Apesar de mais longo que o normal, lembrou, o atual ciclo de altas também terá fim. Daí porque o Brasil já deveria se preparar estrategicamente, com políticas de Estado, para épocas de preços eventualmente não tão bons.

Rodrigues observou que a extraordinária demanda global puxada pelo países emergentes inexoravelmente motivará uma elevação da oferta, arrefecendo os mercados. Entretanto, ponderou, mesmo quando o abastecimento estiver regular a curva de queda de preços será mais suave, justamente pela demanda forte.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Menina registrada pelo pai com nome de anticoncepcional usado pela mãe poderá mudar de nome
Veículo carregado com duas mil doses de vacina da gripe se envolve em batida
BR-163
Veículo carregado com duas mil doses de vacina da gripe se envolve em batida
POLÍCIA
Bebê de um ano e avó ficam reféns de sequestradores por seis horas
EDUCAÇÃO
Curso gratuito de desenvolvimento de aplicativos tem 40 vagas para jovens de sete municípios
JUSTIÇA
Retomada de implantação de sistema de apoio ao consumidor começa nesta segunda-feira
ESTADO
Por intermédio da Agepen, primeira certidão de nascimento digital de preso indígena é emitida
COVID-19
Botucatu inicia neste domingo vacinação em massa da população adulta
REGIÃO
Homem é encontrado morto com sinais de atropelamento
REGIÃO
Mulher mata o marido a facadas após discussão em MS
MINISTRO
Queiroga diz que ministério estuda campanha de testagem contra covid

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Após discussão, jovem bate veículo em poste e namorada que estava no capô morre
TRÁFICO DE DROGAS
Chefe do 'Comando Vermelho' e foragido há seis meses é preso em Dourados
FEMINICÍDIO
Mulher baleada na cabeça pelo ex-marido morre no hospital
CAPITAL
Jovem sai para comprar narguilé e morre após colidir moto contra poste