Menu
Busca quarta, 27 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
JUSTIÇA

Tempo excessivo de espera em fila de banco gera danos morais

03 dezembro 2020 - 17h50Por Da Redação

Em acórdão unânime da 3ª Câmara Cível, um pensionista de Dourados teve concedido o direito à indenização por danos morais a ser paga por uma instituição bancária que o deixou na fila de espera por quase duas horas. O consumidor alegou que a demora excessiva no atendimento ultrapassou o mero aborrecimento e causou-lhe danos morais. Ele receberá R$ 4 mil de indenização.

Segundo o processo, em dezembro de 2019, o apelante dirigiu-se à agência do banco onde possuía conta, no município de Dourados, a fim de realizar uma operação bancária. Ele chegou ao estabelecimento às 11h01, conforme comprovado pela senha retirada, mas foi atendido apenas às 12h44, ou seja, 1 hora e 43 minutos após adentrar no local. Depois de apresentar reclamação no Procon da cidade, o pensionista ingressou com ação na justiça requerendo indenização por danos morais.

Depois de ver seu pedido negado na 1ª instância, o consumidor apelou junto ao Tribunal de Justiça. Em seu recurso, sustentou que o tempo de espera na fila foi superior ao estabelecido na Lei Municipal n. 4.303/2005, a qual versa sobre o assunto, não podendo ser considerado mero aborrecimento, mas conduta causadora de dano moral.

O relator do recurso, Des. Claudionor Miguel Abss Duarte, ressaltou que as instituições bancárias devem responder objetivamente pelos danos causados a seus consumidores, ou seja, sem a necessária prova de culpa ou de dolo em sua conduta. Para o magistrado, portanto, basta a comprovação da existência do dano decorrente de uma conduta ilícita da instituição financeira para que fique configurado o dever de indenizar.

“A espera em fila de banco aguardando o atendimento é absolutamente normal. Anormal é quando a simples espera se traduz em humilhação, ocasionando cansaço físico e emocional ao consumidor, conduta aviltante e que afronta a dignidade do cliente, configurando dano moral passível de indenização. Assim, evidente o defeito no serviço prestado pelo banco requerido, notadamente porque o autor foi atendido em tempo muito superior ao considerado razoável para que permanecesse em fila de espera”, considerou.

No entendimento do julgador, a espera por 1 hora e 43 minutos não pode ser considerada mero aborrecimento, principalmente quando a Lei Municipal sobre o assunto estipula uma demora máxima no atendimento de 15 minutos em dias normais e de 30 minutos antes e depois de feriados prolongados. Soma-se a isso o fato do dano moral em questão ser daquele denominado dano moral puro, ou seja, decorrente da simples demora no atendimento, de forma que “a parte ofendida não necessita comprovar o efetivo dano moral, o qual se opera por força da simples violação”.

“Ante o exposto, dou provimento ao recurso de apelação, para reformar a sentença de primeiro grau, julgando procedente o pedido e condenar o réu ao pagamento de R$ 4.000,00 (quatro mil reais) em favor do autor, a título de compensação por danos morais”, concluiu

Deixe seu Comentário

Leia Também

INVESTIGAÇÃO
Ossada humana é encontrada enterrada às margens da BR-267
Nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje
BRASIL
Nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje
Dupla é presa com várias porções de maconha no Jardim Novo Horizonte
Dupla é presa com várias porções de maconha no Jardim Novo Horizonte
Ministro concede prisão domiciliar a blogueiro investigado por atos antidemocráticos
STF
Ministro concede prisão domiciliar a blogueiro investigado por atos antidemocráticos
Dupla é presa após praticar assaltos em Dourados
VILA ESPERANÇA
Dupla é presa após praticar assaltos em Dourados
TRAGÉDIA
Incêndio na boate Kiss completa oito anos sem julgamento dos réus
DOURADOS 
Frentista é assaltado durante madrugada em posto de combustível
STF
Ministra nega HC a acusado de ocultar provas do assassinato de Marielle Franco
DOURADOS
Prefeitura pagará mais R$ 478 mil por mão de obra carcerária nos serviços urbanos
IMUNIZAÇÃO
MPF expede recomendação para garantir transparência nas ações de vacinação

Mais Lidas

ACIDENTES
Trânsito de Dourados faz terceira vítima fatal no ano, todas motociclistas
TEIXEIRA
Ex-primeira-dama morre cinco dias após o marido em Dourados
BR-276
Carreta com quase dez toneladas de maconha é apreendida em Dourados
DOURADOS
Empresária leva prejuízo de R$ 7 mil ao ter loja arrombada por ladrões em bairro