Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
SUPREMO

STF permite acúmulo de pensão e aposentadoria, se não ultrapassar teto

06 agosto 2020 - 21h20Por G 1

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira, dia 06 de agosto, que é possível o acúmulo de valores de pensão por morte e aposentadoria, desde que respeitado o teto constitucional do funcionalismo (R$ 39,2 mil, correspondente ao salário de ministro do STF).

O caso específico em julgamento foi o de uma servidora do Distrito Federal que começou a receber pensão após a morte do marido e depois se aposentou, passando a receber também a aposentadoria. A soma dos valores ultrapassava os R$ 39,2 mil permitidos.

A União questionou uma decisão do Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios que afastou o teto, sob argumento de se tratar de direitos distintos.

Segundo a União, a decisão afrontou a Constituição, argumentando que é “incabível aceitar que servidor ou ex-servidor público, ao acumular proventos e pensões, receba remuneração ou proventos em valor superior ao do subsídio mensal dos ministros do STF”.

A maioria dos ministros seguiu o entendimento do relator do caso, ministro Marco Aurélio Mello, para quem “não se trata de vínculo do servidor, da servidora, com o poder público, duplo vínculo autorizado pela Constituição”.

“Não pode haver nenhuma dúvida. E aqui temos um verdadeiro paradoxo. Em um país em que tantos necessitam de teto, alguns querem fugir ao teto, ao teto constitucional, em relação ao que é recebido”, afirmou Marco Aurélio Mello. “Deve ser considerado o teto revelado pelos subsídios recebidos pelos ministros do Supremo.”

Para o ministro Luís Roberto Barroso servidor que ganha o equivalente ao teto não está em "risco social" que justificasse a concessão do benefício.

“Estamos falando de um benefício adquirido pela atuação de terceiro. Acho que se houver situação de dependência, ou de risco social, se justifica. Mas um servidor que já ganha o teto, com todas as vênias, nem é dependente nem está em risco social”, argumentou o Luís Roberto Barroso.

Os ministros Celso de Mello, Ricardo Lewandowiski e Dias Toffoli entenderam que o teto incide isoladamente em cada valor recebido, em razão do direito adquirido.

"É uma solução que me parece mais justa, mais razoável. Não é possível que o servidor público, combativo, que dá o sangue que a administração seja bem sucedida, seja responsabilizado pela crise que não causou”, afirmou o ministro Ricardo Lewandowski.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Após tiros, rapaz é perseguido por bandidos durante assalto
BOMBEIRO
Capivara é resgatada "dando uma volta" na região central de Dourados
AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga parcela de R$ 300 do auxílio a mais 1,6 milhão de pessoas
DOURADOS
Amplitude térmica passa de 14 graus no início da primavera
LOTERIA
Mega-Sena fica sem acertador mais uma vez e prêmio acumula em R$ 50 milhões
TV DOURADOS NEWS
Angelo Ximenes disputa eleição como presidente da Mútua dia 1 de outubro
FRONTEIRA
Traficante é preso com arma e 3,7 toneladas de maconha em chácara
REGIÃO
Senador Nelsinho Trad conquista mais R$ 38 milhões da União para MS
UFGD
Workshop de Plantas Medicinais será realizado em formato online
BONITO
Quartel do Corpo de Bombeiros terá investimento de R$ 3,1 milhões

Mais Lidas

DOURADOS
Carro carregado com calhas capota após colisão e mulher fica ferida
PARANÁ
Traficante Elias Maluco é encontrado morto em presídio federal
PEDRO JUAN
Terror na fronteira: três veículos de luxo são incendiados em pontos distintos
PANDEMIA
Prefeitura e MPE entram em acordo para retorno das aulas presenciais na rede privada