Menu
Busca terça, 19 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
JUSTIÇA

Seguradora deve indenizar agricultor que perdeu 95% da safra

27 novembro 2020 - 20h50Por Da Redação

A Justiça concedeu o direito a recebimento de prêmio de seguro a um produtor de soja cuja produção se perdeu quase por completo em razão do excesso de chuva. O acórdão unânime da 1ª Câmara Cível ressaltou que embora tenham sido colhidos grãos acima do esperado, 95% deles não tinham a qualidade necessária para a venda.

Segundo os autos do processo, um produtor de soja de Dourados contratou seguro para a sua safra. De acordo com a apólice, o parâmetro para o pagamento da indenização seria para o caso de uma produção abaixo de 26,08 sacas por hectare. Ao realizar a colheita, o agricultor atingiu uma produtividade de 34,87 sacos por hectares, ou seja, superior à produtividade garantida. Contudo, perícia realizada por engenheira agrônoma atestou que 95% dos grãos colhidos eram imprestáveis à comercialização, pois apodreceram devido ao excesso de chuvas, restando uma produtividade efetiva de apenas 1,74 sacas por hectare.

Como a apólice previa o excesso de chuvas como um dos riscos cobertos, o produtor acionou o seguro, o qual, no entanto, recusou-se ao pagamento, valendo-se do número de sacas por hectare no momento da colheita.

Em recurso de apelação, o agricultor enfatizou que a produtividade efetiva de sua safra foi de menos de 2 sacas por hectare, devendo esse número ser utilizado como base para o pagamento do seguro.

Para o relator do recurso, Des. Marcelo Câmara Rasslan, as alegações do requerente merecem prosperar. “Ao contrário do que restou sentenciado, tenho que a produtividade efetiva no caso em apreço foi de apenas 1,74 sacas por hectare, quantia inferior à 'produtividade garantida' prevista no contrato, estando, portanto, a seguradora obrigada ao pagamento do seguro”, ressaltou.

O desembargador entendeu incabível a alegação de que a perda da qualidade do grão se trata de risco expressamente excluído da cobertura do seguro, pois, no presente caso, não foi uma simples perda de qualidade, mas a imprestabilidade dos grãos. Aliás, a exclusão poderia se dar desde que a perda da qualidade tivesse ocorrido por risco não coberto pela apólice, mais especificamente pela cláusula 3.1.1 do contrato.

“Se as avarias que inutilizam quase que totalmente uma safra, em razão de um dos riscos nomeados na cláusula 3.1.1, forem vistas apenas como uma simples perda de qualidade, os segurados jamais serão indenizados pelos danos suportados”, asseverou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde alerta sobre ligações e SMS falsos de cadastro para vacinação
GOLPE
Saúde alerta sobre ligações e SMS falsos de cadastro para vacinação
Após investigação, 'Boca de fumo' é fechada em ação conjunta
REGIÃO
Após investigação, 'Boca de fumo' é fechada em ação conjunta
Senadora Soraya pede inclusão de pessoas com síndrome de Down como prioridade na vacinação
COVID-19
Senadora Soraya pede inclusão de pessoas com síndrome de Down como prioridade na vacinação
PESQUISA
Cientista brasileira mulher e negra faz descoberta de método de combate a alopecia
IMUNIZAÇÃO
Hospital Cassems de Campo Grande recebe vacina da Covid-19 nesta quarta
CRIME AMBIENTAL
Fazendeiro é multado R$ 6,6 mil por desmatar vegetação nativa
REGIÃO
Sanesul dá ordem de serviço para obras de Rio Brilhante
BRASIL
Incidência de pedras nos rins aumenta 30% no verão, alertam médicos
TEMPO
Chuva em Dourados já supera o estimado para todo o mês
MATO GROSSO DO SUL
Primeiros imunizados contra Covid-19 relatam emoção e encorajam população

Mais Lidas

DOURADOS
Morto por descarga elétrica pode ter tentado consertar portão
ACIDENTE
Homem morre após sofrer descarga elétrica em Dourados
DOURADOS
Comitê alerta para crescente da Covid e prefeito expede decreto com novas regras
DOURADOS
Em ação conjunta, polícia deflagra operação para investigar crimes