Menu
Busca segunda, 29 de novembro de 2021
Dourados
30°max
19°min
Campo Grande
28°max
21°min
Três Lagoas
32°max
25°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
JUSTIÇA

Seguradora deve indenizar agricultor que perdeu 95% da safra

27 novembro 2020 - 20h50Por Da Redação

A Justiça concedeu o direito a recebimento de prêmio de seguro a um produtor de soja cuja produção se perdeu quase por completo em razão do excesso de chuva. O acórdão unânime da 1ª Câmara Cível ressaltou que embora tenham sido colhidos grãos acima do esperado, 95% deles não tinham a qualidade necessária para a venda.

Segundo os autos do processo, um produtor de soja de Dourados contratou seguro para a sua safra. De acordo com a apólice, o parâmetro para o pagamento da indenização seria para o caso de uma produção abaixo de 26,08 sacas por hectare. Ao realizar a colheita, o agricultor atingiu uma produtividade de 34,87 sacos por hectares, ou seja, superior à produtividade garantida. Contudo, perícia realizada por engenheira agrônoma atestou que 95% dos grãos colhidos eram imprestáveis à comercialização, pois apodreceram devido ao excesso de chuvas, restando uma produtividade efetiva de apenas 1,74 sacas por hectare.

Como a apólice previa o excesso de chuvas como um dos riscos cobertos, o produtor acionou o seguro, o qual, no entanto, recusou-se ao pagamento, valendo-se do número de sacas por hectare no momento da colheita.

Em recurso de apelação, o agricultor enfatizou que a produtividade efetiva de sua safra foi de menos de 2 sacas por hectare, devendo esse número ser utilizado como base para o pagamento do seguro.

Para o relator do recurso, Des. Marcelo Câmara Rasslan, as alegações do requerente merecem prosperar. “Ao contrário do que restou sentenciado, tenho que a produtividade efetiva no caso em apreço foi de apenas 1,74 sacas por hectare, quantia inferior à 'produtividade garantida' prevista no contrato, estando, portanto, a seguradora obrigada ao pagamento do seguro”, ressaltou.

O desembargador entendeu incabível a alegação de que a perda da qualidade do grão se trata de risco expressamente excluído da cobertura do seguro, pois, no presente caso, não foi uma simples perda de qualidade, mas a imprestabilidade dos grãos. Aliás, a exclusão poderia se dar desde que a perda da qualidade tivesse ocorrido por risco não coberto pela apólice, mais especificamente pela cláusula 3.1.1 do contrato.

“Se as avarias que inutilizam quase que totalmente uma safra, em razão de um dos riscos nomeados na cláusula 3.1.1, forem vistas apenas como uma simples perda de qualidade, os segurados jamais serão indenizados pelos danos suportados”, asseverou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Caixa d´água não é luxo. É necessidade
ARTIGO
Caixa d´água não é luxo. É necessidade
DOURADOS
Maiores de 18 anos imunizados até 29 de julho podem tomar reforço
Fernando Duarte lutará em Brasilândia nesta sexta-feira no evento UFTI de MMA
TV DOURADOS NEWS
Fernando Duarte lutará em Brasilândia nesta sexta-feira no evento UFTI de MMA
EMPREGO
Funtrab oferece 2.764 vagas na última semana de novembro
FORAGIDO
Colombiano que estava na lista da Interpol é preso em MS
ECONOMIA
Pix Saque e Pix Troco estão disponíveis a partir desta segunda
REGIÃO SUL
Governador entrega obras de infraestrutura, educação e esporte
CAPITAL
PRF que atirou em homem no interior de motel é encontrado morto
TEMPO
Segunda-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados
BRASIL
Distrito Federal reabre memorial indígena após pandemia e reforma

Mais Lidas

DOURADOS
Vítima diz que assaltante devolveu dinheiro roubado após oração
CHAPADÃO DO SUL
Motociclista morre e mulher fica gravemente ferida após colisão frontal na MS-306
DOURADOS
Homem invade residência da ex, agride jovens com garrafa e acaba preso
LOTERIAS
Sete apostas de Dourados faturam R$ 1,1 mil na quadra