Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 9860-3221

Região Centro-Oeste puxou o crescimento do PIB brasileiro

22 janeiro 2013 - 12h19

O Centro-Oeste, com o agronegócio, puxou o Produto Interno Bruto (PIB) de 2012. Sem a região, o resultado teria sido ainda pior que o fraco crescimento de 0,8% a 1% com o qual o Brasil deve ter encerrado o ano passado. Enquanto o Sudeste, que representa mais da metade da economia brasileira, cresceu abaixo da média nacional (só 0,5%, segundo estudo da consultoria Tendências), o ritmo do Centro-Oeste foi o triplo do país: 3,3%.

As regiões brasileiras reagiram de forma distinta ao cenário internacional, à desaceleração da atividade doméstica e aos incentivos lançados pelo governo durante todo o ano passado para reaquecer o consumo, a produção e os investimentos. Enquanto os Estados mais ligados à produção industrial, como São Paulo e Amazonas, sofreram com a queda das exportações e a concorrência dos importados, o Centro-Oeste, fortalecido pelo agronegócio, avançou mais.

Em 2013, o agronegócio deve continuar gerando bons retornos à região, mas a maior promessa vem do Norte do país. A consultoria estima crescimento de 3,2% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano, com a Região Norte avançando 4,5% - um salto frente ao 1,1% previsto em 2012 -, e o Centro-Oeste se expandindo 3,7%, ligeiramente acima dos 3,3% do ano passado.

Enquanto o Sudeste também deve se recuperar com ajuda da indústria e das obras para a Copa - previsão de alta de 3,1% -, a Região Sul, assim como em 2012, deve ficar na lanterna do crescimento, avançando 2,2% (previsão de apenas 0,2% para o encerramento de 2012).

Nas regiões Norte e Nordeste, a despeito do comportamento tímido da indústria no ano passado, as vendas do comércio cresceram a um ritmo de dois dígitos, impulsionadas pela expansão da renda decorrente do aumento real expressivo do salário mínimo, situação que não deve se repetir com a mesma magnitude neste ano.

O ano passado não foi bom para o Sudeste. Os quatro Estados que compõem a região viram suas indústrias encolherem. "O setor automobilístico derrubou a produção industrial do Rio de Janeiro e também de outros Estados, apesar dos esforços do governo", diz Cristina Reis, economista do Iedi.


Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS
Para evitar aglomeração, prazo de validade dos medicamentos é ampliado
BRASIL
Informalidade cai, mas atinge 38 milhões de trabalhadores
COVID-19
Primeiro óbito por coronavírus do Estado é registrado em Dourados
COMER BEM
Casa de Vó: delivery ou pegue e leve
INTERNACIONAL
Mortes por coronavírus nos EUA somam 3.393 e superam total da China
DOURADOS
Filas em comércios deverão respeitar distância de 2 metros entre clientes
EDUCAÇÃO
IFMS inicia pesquisa sobre o perfil de ex-estudantes
MATO GROSSO DO SUL
MPF e MPMS recomendam fiscalização de carreatas no Estado
ECONOMIA
Setor de máquinas e equipamentos tem aumento de 1,5% em fevereiro
COVID-19
Detran-MS faz alerta sobre pagamentos de guias durante fechamento das agências

Mais Lidas

FRONTEIRA
Acidente na MS-164 em Ponta Porã leva pai e filho a óbito
DOURADOS
Homem entra em veículo e anuncia assalto com arma de brinquedo; vídeo
DOURADOS
Homem leva surra de populares e é detido por furtar dois veículos em Dourados
NOTA PREMIADA
Lista de ganhadores já está disponível para consulta