Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Receita recupera R$ 5,2 bilhões em dívidas de empresas com o Simples

19 janeiro 2020 - 20h00Por Agência Brasil

Mais de 230 mil micro e pequenas empresas quitaram  débitos com o Simples Nacional no segundo semestre de 2019 e foram mantidas no regime especial de tributação em 2020. A regularização das pendências permitiu ao governo recuperar R$ 5,2 bilhões aos cofres públicos.

O balanço da regularização foi divulgado pela Receita Federal. Em setembro do ano passado, o governo tinha notificado 738.605 contribuintes de débitos previdenciários e não previdenciários com a Receita Federal e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). No total, as micro e pequenas empresas deviam R$ 21,5 bilhões ao Simples Nacional.

Dos R$ 5,2 bilhões recuperados, R$ 3,6 bilhões referem-se a dívidas com a Receita Federal, e R$ 1,6 bilhão a débitos cobrados pela PGFN.

Só foram mantidos no Simples Nacional, regime tributário que unifica a cobrança de tributos federais, estaduais e municipais e tem alíquotas especiais, os contribuintes que quitaram os débitos até 30 dias depois da data de ciência da notificação. Em caso de discordância, micro e pequenos empresários poderiam pedir a impugnação do ato de exclusão.

Quem não pagou os débitos foi retirado do Simples Nacional em 1º de janeiro deste ano. As empresas excluídas, no entanto, têm até 31 de janeiro para pedir o regresso ao Simples Nacional, desde que resolvam as pendências até essa data.

Regularização
O processo de regularização deve ser feito por meio do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da Receita Federal, requerendo certificado digital ou código de acesso.

O devedor pode pagar à vista, abater parte da dívida com créditos tributários (recursos que a empresa tem direito a receber do Fisco) ou parcelar os débitos em até cinco anos com o pagamento de juros e multa.

Criado em 2007, o Simples Nacional é um regime tributário especial que reúne o pagamento de seis tributos federais, além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado por estados e pelo Distrito Federal, e do Imposto Sobre Serviços (ISS), arrecadado pelos municípios.

Em vez de pagar uma alíquota para cada tributo, o micro e pequeno empresário recolhem, numa única guia, um percentual sobre o faturamento que é repassado para os três níveis de governo. Somente as empresas que faturam até R$ 4,8 milhões por ano podem optar pelo regime.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
UFGD sediará um dos maiores eventos do agronegócio brasileiro
PARANAÍBA
Idoso acusado de estuprar adolescentes morre antes de ser julgado
JUSTIÇA
Casal será indenizado por não ter passagens emitidas por agência de viagem
TRF-3 manda UFGD encaminhar lista tríplice ao MEC
IMBRÓGLIO
TRF-3 manda UFGD encaminhar lista tríplice ao MEC
CAPITAL
Filho de massagista ajudou a esquartejar chargista e levou corpo
REGIÃO
PM captura três foragidos da justiça durante rondas em Bataguassu
COTAÇÃO
Dólar fecha em queda com expectativa de liquidez global
LIBERTADORES
Partida entre Inter e Boca Juniors é adiada após morte de Maradona
0h ÀS 5H
Prefeitura de Campo Grande define retorno do toque de recolher
SAÚDE PÚBLICA
MS registra mais de 500 novos casos de dengue em uma semana

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Mulher esfaqueia ex após discussão em hotel no Centro de Dourados
ENTERPRISE
Operação contra tráfico internacional de cocaína cumpre mandado de prisão em Dourados
CAPITAL
Funcionária de restaurante é presa em flagrante após furtar dinheiro do caixa
CRIME BÁRBARO
Suspeita de esquartejar e colocar corpo de namorado em malas se entrega à polícia