Menu
Busca sábado, 28 de março de 2020
(67) 9860-3221

Queda na conta de luz será maior que a prometida pelo governo

23 janeiro 2013 - 17h00

A presidente Dilma Rousseff anunciará nesta quarta-feira (23), em pronunciamento, que a conta de luz cairá mais do que o prometido em setembro passado, com a redução para residências de 18,5% na média, disse à 'Reuters' uma fonte do governo a par do assunto.

Segundo a fonte, que falou sob condição de anonimato, a tarifa de energia para a indústria cairá de 32% a 34%.

Inicialmente, o governo pretendia garantir uma redução da conta de luz de cerca de 16% para residências e de até 28% para indústrias. A redução média estimada pelo governo, neste caso, seria de cerca de 20%, entre residência e indústria.

A redução da tarifas ocorrerá por meio do corte de encargos setoriais, aportes do Tesouro Nacional e diminuição da remuneração de ativos de geração e transmissão que terão suas concessões renovadas antecipadamente.

Segundo essa mesma fonte, a diferença será paga pelo Tesouro Nacional, que elevará o aporte anual para cobrir a conta, dos R$ 3,3 bilhões previstos inicialmente para mais de R$ 8 bilhões.

As novas tarifas das distribuidoras, já com os descontos, serão votadas na quinta-feira (24), a partir das 10h, pela diretoria da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), em processo de revisão tarifária extraordinária. Os descontos entrarão em vigor em 5 de fevereiro.
O que as concessões das elétricas têm a ver com a conta de luz mais barata?

Na véspera do feriado de 7 de setembro, a presidente Dilma Rousseff anunciou que a conta de luz ficaria mais barata para consumidores e empresas a partir de 2013. A medida era uma reivindicação antiga da indústria brasileira para tornar-se mais competitiva em meio à crise global.

Para conseguir baixar a conta de luz, o governo precisou "mudar as regras do jogo" com as companhias concessionárias de energia, e antecipou a renovação dos contratos que venceriam entre 2015 e 2017. Em troca de investimentos feitos que ainda não tiveram tempo de ser "compensados", ofereceu uma indenização a elas.

Algumas empresas do setor elétrico ofereceram resistência ao acordo, alegando que perderiam muito dinheiro. As companhias estaduais Cesp, Cemig e Copel optaram por não renovar suas concessões de geração, ficando com os ativos nas condições atuais até o vencimento dos contratos.

Em pouco mais de quatro meses, as empresas brasileiras de energia com ações na Bolsa de Valores perderam R$ 37,2 bilhões em valor de mercado, segundo a consultoria Economatica.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIONAL
Em parto raro, gêmeos nascem na maternidade do Hospital de Ponta Porã
ARTIGO
Cenários para o Covid-19 e a capacidade do sistema de saúde em MS
CAPITAL
Motorista bêbado é preso em flagrante após capotar carro na BR-262
AVANÇO DO COVID-19
Brasil tem 19 mortes por coronavírus em um dia e total chega a 111
MEIO AMBIENTE
Polícia Militar Ambiental captura capivara no centro da cidade de Coxim
PANDEMIA
Estudantes intercambistas poderão remarcar viagens sem custo
CAMPO GRANDE
Motorista de F-1000 faz “delivery” de cocaína e acaba preso na Capital
SÃO JOSÉ DO DIVINO
Prefeito de cidade do Piauí morre vítima do novo coronavírus
TRÊS LAGOAS
Polícia usa bala de borracha para conter rapaz que ameaçava mãe após surto
CRIATIVIDADE
Escolas estaduais criam canais para compartilhamento de conteúdo

Mais Lidas

COVID-19
Saúde confirma coronavírus para mulher internada em Dourados e casos chegam a 28 em MS
PANDEMIA
Bebê de três meses é novo caso confirmado de coronavírus em MS
DOURADOS
Sindicato emite nota e diz que empregados foram obrigados a participar de ato
BATAYPORÃ
Paciente com suspeita de coronavírus é internada em estado grave em Dourados