Menu
Busca domingo, 19 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
ECONOMIA

Produção da indústria cai 1,4% em junho, diz IBGE

01 agosto 2014 - 13h30

A produção de veículos caiu 12% de maio para junho e impactou a indústria brasileira, que mostrou retração pela quarta vez seguida.

No sexto mês do ano, a atividade industrial registrou baixa de 1,4% frente ao mês anterior, a maior desde dezembro de 2013 nesse tipo de comparação, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"São quatro meses de resultados negativos. A magnitude dessa queda tem uma relação importante com o menor número de dias trabalhados para o mês de junho. Claro que tem relação direta com redução de jornada de trabalho, concessão de férias coletivas, redução de turnos de trabalho. Claro que o evento Copa do Mundo tem relação com esses fatores”, disse André Luiz Macedo, gerente da coordenação de Industria do IBGE.

Frente a junho do ano anterior, a queda foi ainda maior, de 6,9%. Segundo a pesquisa, foi o recuo mais forte desde setembro de 2009, quando o índice teve baixa de 7,4%.

No segundo trimestre, a indústria brasileira mostra queda de 5,4% e, no primeiro semestre, de 2,6%, em relação aos mesmos períodos de 2013. Em 12 meses, o índice acumula baixa de 0,6% – a primeira queda desde março do ano passado.

Maioria dos setores tem queda

Segundo o IBGE, na comparação mensal, junho contra maio, a maioria das atividades da indústria mostrou queda, com destaque para a produção de veículos automotores, reboques e carrocerias (-12,1%) e equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-29,6%). Na contramão, aumentou a produção de derivados do petróleo e biocombustíveis (6,6%), produtos alimentícios (2,1%) e bebidas (2,5%).

“O movimento de queda passa pela atividade de automóveis e caminhões ele vai também às autopeças. Ou seja, a gente tem toda a cadeia da produção automobilística com comportamento de queda”, afirmou Macedo.

Nessa mesma base de comparação, o setor de bens de consumo duráveis, como carros e eletrodomésticos, apresentou uma queda de 24,9%, a mais forte desde o início da série histórica do IBGE. A produção de bens bens de capital, caso das máquinas e equipamentos, também mostrou baixa de 9,7%. O setor produtor de bens de consumo semi e não-duráveis, como roupas e alimentos, registrou queda de 1,3%. A menor queda (0,1%) foi vista nos bens intermediários, caso das matérias-primas.

Comparação anual

Na comparação com junho de 2013, a queda também foi generalizada, quando analisados os setores da indústria. A maior retração partiu da indústria de veículos automotores, reboques e carrocerias, que recuou 36,3%, "pressionada em grande parte pela menor fabricação de automóveis, de caminhões, de caminhão-trator para reboques e semirreboques, de autopeças e de veículos para transporte de mercadorias", segundo informou o IBGE. Essa é a maior queda desde dezembro de 2008, quando havia recuado 51%, de acordo com Macedo.

Também sofreram reduções as produções de máquinas e equipamentos (-14,2%), metalurgia (-12,7%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-25,1%), produtos de metal (-15,6%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-18,4%), entre outros.

Na contramão, avançaram as produções de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (9,9%), produtos alimentícios (7,4%), indústrias extrativas (2,9%) e bebidas (9,4%).
A produção de bens de consumo duráveis caiu 34,3% e de bens de capital, 21,1%. Também tiveram resultados negativos bens de consumo semi e não-duráveis (-3,0%) e de bens intermediários (-2,9%).

No semestre

No ano, assim como nos outros tipos de comparação, o setor que mais diminuiu sua produção foi o de veículos automotores, acumulando queda de 16,9%. Na sequência, aparecem produtos de metal (-10,1%) e metalurgia (-5,0%), entre outros. Entre as oito atividades que aumentaram sua produção estão, principalmente, indústrias extrativas (4,1%) e produtos alimentícios (2,1%).

Entre as categorias, recuaram as produções de bens de consumo duráveis (-8,6%) e de bens de capital (-8,3%), pressionadas especialmente pela redução na fabricação de automóveis (-16,7%) e de equipamentos de transporte (-15,1%). O segmento de bens intermediários mostrou queda de 2,2%.
A única taxa positiva no semestre é a do setor produtor de bens de consumo semi e não-duráveis, que cresceu 0,3%, "impulsionado principalmente pela maior produção de medicamentos, gasolina automotiva e álcool etílico".

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Crise hídrica: chuvas da primavera não vão encher reservatórios
A caminho de hospital, ambulância com paciente grave se envolve em acidente
POLÍCIA
A caminho de hospital, ambulância com paciente grave se envolve em acidente
CIDADES
Prazo para pagar licenciamento de veículos com final 9 termina no dia 30 deste mês
POLÍCIA
Ao defender a mãe, jovem é agredido em bar e fica inconsciente
POLÍCIA
Mulher é atropelada e arrastada por motorista embriagado que não tinha CNH
PANDEMIA
Mato Grosso do Sul recebe mais 167.530 doses de vacina contra a Covid-19
POLÍCIA
Criança de 5 anos morre após pais pararem para ajudar motorista em rodovia
BRASIL
Vulcão nas Ilhas Canárias poderia provocar tsunami no Brasil
POLÍTICA
CPI da Covid deve fechar relatório com pedido de indiciamento de Bolsonaro por prevaricação
BRASIL
Presidente Jair Bolsonaro viaja aos Estados Unidos para assembleia da ONU

Mais Lidas

DOURADOS
Morto durante o trabalho em fazenda tinha 26 anos
ACIDENTE DE TRABALHO
Maquinário cai e mata trabalhador em fazenda entre Dourados e Itahum
'AMIGÃO'
Bêbado bate carro e deixa amigo ferido em canteiro
REGIÃO
Casal precisa ser socorrido após carro quase ser "engolido" pela chuva