Menu
Busca terça, 24 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
JUSTIÇA

Mulher vítima de acidente desenvolve fobia e deverá ser indenizada

21 outubro 2020 - 17h50Por Da Redação


Uma empresa de transporte deverá pagar R$ 10 mil de indenização por danos morais a uma passageira que estava dentro de seu ônibus durante acidente de trânsito que vitimou o motorista e outros passageiros. A consumidora alegou que desenvolveu fobia de andar de ônibus, além de ter se submetido a longo tratamento para correção dos dentes. A decisão é da 8ª Vara Cível de Campo Grande.

Segundo os fatos narrados no processo, em setembro de 2013, uma aposentada de 67 anos viajava da Capital para Nova Alvorada do Sul, quando o motorista do ônibus em que estava invadiu a pista contrária e colidiu o veículo em dois caminhões. O próprio condutor morreu no acidente, bem como dois passageiros. A autora sofreu lesões no membro inferior, na cabeça, além de ter quebrado três dentes.

A autora então buscou a justiça requerendo indenização por danos materiais, estéticos e morais, tendo em vista o tratamento médico pelo qual teve de passar e a fobia desenvolvida de andar de ônibus.

A defesa da empresa de transporte alegou que seu motorista sofreu um mal súbito, o que caracterizaria um fato imprevisível e inevitável, eximindo-a de responsabilidade. Asseverou também a falta de comprovação dos danos alegados.

Para o juiz titular da 8ª Vara Cível, Mauro Nering Karloh, no caso dos autos incide a responsabilidade objetiva, independente de culpa, a qual só pode ser afastada por ocorrência de caso fortuito externo ou força maior, culpa de terceiro ou fato exclusivo da vítima. Para o magistrado, porém, a situação narrada no processo consiste em fortuito interno.

“O fortuito interno, por sua vez, consubstancia-se no evento inevitável mas que se insere dentro do risco da atividade desenvolvida, e não possui o condão de afastar a responsabilidade civil pelo dano relacionado”, ponderou.

O juiz também ressaltou que a contratação de funcionários com capacidade física e psíquica hábeis ao exercício da função se insere dentro do risco da atividade desenvolvida pela empresa. Ademais, testemunha trazida pela própria requerida afirmou que já havia trabalhado com o motorista em outra empresa e que este já sofrera desmaio na direção de ônibus que conduzia. “Não era, pois, um fato imprevisível!”, reforçou Karloh.

Embora a responsabilidade da empresa no evento tenha sido reconhecida, vez que a autora não conseguiu comprovar os danos materiais e estéticos sofridos, o magistrado negou estas indenizações.

Em relação ao dano moral, contudo, o juiz entendeu cabível. “O sinistro causado, diante da magnitude do acidente e das consequências lesivas à parte autora, exteriorizados pelas imagens fotográficas acostadas nos autos, são caracterizadores de dano moral, pela evidente situação de sofrimento e tristeza. O dano moral decorre do próprio ato em si, sendo presumido”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Identificado assassino de jovem morto no aniversário do irmão
CONTÁGIO
Grupo de pesquisadores diz que Brasil vive 'início de 2ª onda' de Covid
SÃO GABRIEL
Com tiros na cabeça e pescoço, homem é socorrido em estado grave
MUDANÇA NA CASA BRANCA
Trump autoriza início do processo de transição do poder para Biden
APARECIDA DO TABOADO
Homem é acusado de arrastar por duas quadras cachorro que fugiu
UFGD
Prazo para inscrição no Bolsa Cultura Web termina nesta sexta-feira
ESPORTE
Corumbaense e Maracaju desistem de jogar o Estadual de Futebol
ESPORTES
Atleta de Amambai é vice-campeão brasileiro sub-18 de atletismo
PEDRO JUAN
Polícia acusa PCC por ataque que dilacerou nariz de criança na fronteira
CORONAVÍRUS
Ex-ministro que minimizou pandemia é internado com Covid-19

Mais Lidas

DOURADOS
Carro invade parque no final da Avenida Marcelino Pires, cai em valeta e pega fogo
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
Homem ameaça ex com faca e apanha de vizinhos em Dourados
DOURADOS
Homem é preso após tentar atropelar policiais em abordagem na BR-163 
DOURADOS
Mulher é presa após atear fogo na casa do ex-marido, cadeirante