segunda, 27 de maio de 2024
Dourados
13ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
ECONOMIA

Haddad nega aumento de CSLL de bancos e petroleiras

14 maio 2024 - 19h35Por Redação

Um aumento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para bancos e petroleiras não está em estudo pela equipe econômica, disse nesta terça-feira (14) o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Ele negou que a pasta discuta o aumento da tributação aos dois setores para compensar o acordo que estendeu, até o fim do ano, a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia.

“Não há nenhum estudo no Ministério da Fazenda que diga respeito a esses setores. Temos alguns cenários, mas nenhum deles diz respeito à notícia que saiu hoje”, garantiu o ministro, referindo-se a uma notícia publicada pelo jornal Folha de S.Paulo.

Atualmente, o modelo de desoneração da folha permite o pagamento de alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta de empresas de 17 setores intensivos em mão de obra. Pelo acordo anunciado na semana passada, a alíquota passará a ser de 5% sobre a folha de salários em 2025; 10% em 2026; 15% em 2027; retornando aos 20% originais em 2028.

O ministro reiterou que a renúncia de receitas previdenciárias sem medidas de compensação, como a aprovada pelo Congresso no fim do ano passado, é inconstitucional. “A reforma da Previdência blinda, do ponto de vista das contas públicas, as receitas previdenciárias. E isso é um bem para o país. Caso contrário, daqui a pouco, vai estar faltando de novo e fazendo recair sobre a parcela mais pobre da população, o ônus de uma nova reforma [da Previdência]”, destacou.

Municípios
Embora o governo tenha fechado acordo para reonerar parcialmente a folha de pagamento até 2028, a liminar concedida no mês passado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Cristiano Zanin também suspende a redução, de 20% para 8%, da contribuição à Previdência Social por pequenos municípios. Sobre esse ponto, o ministro disse que há avanços na negociação com as prefeituras.

“Ontem [segunda-feira], tivemos a primeira reunião com eles [os representantes dos municípios]. Foram apresentadas várias propostas por eles, algumas das quais com concordância dos líderes que estavam presentes”, informou o ministro.

Haddad reiterou que o Congresso Nacional terá papel determinante na negociação. “Há matérias constitucionais, que dizem respeito a um amplo espectro de apoio para serem aprovadas. Então depende de negociação com lideranças do Senado e da Câmara, que já estão sendo feitas pelos próprios líderes municipalistas. Vamos prosperar nas negociações esta semana para chegar a um entendimento”, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Moraes nega recurso de Bolsonaro contra inelegibilidade

Moraes nega recurso de Bolsonaro contra inelegibilidade

DIREITOS HUMANOS

Brasília recebe primeira Parada do Orgulho da Pessoa com Deficiência

CAMPO GRANDE

Homem é espancado e jogado em buraco durante roubo de carro

Polícia aprende quase 2t de maconha após perseguição
ITAQUIRAÍ

Polícia aprende quase 2t de maconha após perseguição

Caixa Econômica Federal abre edital com vagas para estagiários em MS
OPORTUNIDADE

Caixa Econômica Federal abre edital com vagas para estagiários em MS

TÊNIS DE MESA

Hugo Calderano conquista título do WTT Contender Rio

ALERTA

Com fim de semana de trégua, chuva deve voltar ao RS nesta segunda

ENCHENTES

MS Pela Vida: doações ao povo gaúcho aproximam sul-mato-grossenses de quem perdeu tudo

ESPORTE

Brasil enfrenta Cuba, Croácia e Tailândia na primeira fase da Copa do Mundo de Futsal

MS-164

DOF apreende Renault Sandero com 1.250 pacotes de cigarros contrabandeados

Mais Lidas

DOURADOS

Homem é preso por importunação sexual após acariciar mulheres

TENTATIVA DE FEMINICÍDIO

Morador de Dourados atira contra esposa durante discussão

EVENTO

Costelão Jurídico da OAB Dourados será neste sábado no CTG

REGIÃO 

Empresários são detidos por desvio de energia elétrica após operação do SIG