Menu
Busca segunda, 06 de julho de 2020
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Governo defende reformas após a pandemia para recuperar o PIB

29 maio 2020 - 12h20Por Agência Brasil

O resultado negativo da atividade econômica no primeiro trimestre, embora esperado, coloca fim à recuperação econômica em curso desde o começo de 2017, afirmou a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, em nota sobre o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, divulgado hoje (29).

Em meio à pandemia de covid-19, o PIB teve queda de 1,5% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com último trimestre de 2019. Os dados foram divulgados hoje (29), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com o primeiro trimestre de 2019, o PIB caiu 0,3%. Em 12 meses, o PIB acumula alta de 0,9%.

“Os impactos iniciais da pandemia na economia a partir de março deste ano reverteram os bons indicadores de emprego, arrecadação e atividade do primeiro bimestre, levando a variação do PIB para o terreno negativo. Os efeitos danosos sobre a saúde da população brasileira e da nossa economia ainda persistem. Dessa forma, o resultado econômico da atividade no segundo trimestre será ainda pior”, diz a nota.

De acordo com a secretaria, as consequências são “nefastas para a população, com aumento do desemprego, da falência das empresas e da pobreza”.

“Para combater e amenizar o sofrimento dos brasileiros é necessário que as reformas estruturais continuem através de uma legislação mais moderna de emprego, com o fortalecimento das políticas sociais (com transferência de recursos de programas sociais ineficientes para os mais eficientes e de comprovado efeito no combate à pobreza), com o aprimoramento da legislação de falências e a modernização e desburocratização do mercado de crédito, de capitais e de garantias”, destacou.
Pós-pandemia

Para a secretaria, a agenda pós-pandemia, além de manter o teto de gastos, precisa incluir: o fortalecimento do arcabouço de proteção social transferindo recursos de programas ineficientes para programas sociais de comprovada eficiência no combate à pobreza; a melhora da eficiência das políticas de emprego; o aprimoramento da legislação de falências; o fortalecimento e a desburocratização do mercado de crédito, de capitais e de garantias; a aprovação novo marco regulatório do setor de saneamento básico e do setor de gás; a abertura comercial; privatizações e concessões; reforma tributária.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
Proprietário é multado em R$ 70 mil por degradação de área protegida
MATO GROSSO DO SUL
Desrespeito ao isolamento continua favorecendo a Covid, afirma Saúde
ECONOMIA
BNDES investe em fundo que apoia empresas de médio porte
DOURADOS
Com data marcada para retomar voos diários, Aeroporto passa por desinfecção
BRASIL
MEC define critérios para repasses do programa Educação Conectada
DOURADOS
Juiz mantém decisão para júri de jovem por homicídio, ocultação e destruição de cadáver
ISOLAMENTO
Melhor colocado no índice de isolamento social, Japorã confirma o primeiro caso de coronavírus
CAMPO GRANDE
Escola deve indenizar vizinhos por poluição sonora
DOURADOS
Acusado de matar secretário pode ter tido surto de esquizofrenia
COVID-19
Em MS, quase 70% dos infectados por coronavírus já estão recuperados

Mais Lidas

POLÍCIA
Assassinado no Izidro é secretário de Agricultura Familiar de Dourados
DOURADOS
Ex-funcionário é o suspeito de matar secretário de Agricultura
DOURADOS
Antes do crime, homem que matou secretário havia sido demitido por não usar máscara
DOURADOS
“Um amigo, um conselheiro”, diz Délia após assassinato de secretário