quarta, 06 de julho de 2022
Dourados
31°max
14°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
BRASIL

Governo anuncia corte no imposto de importação de arroz, feijão e carne

23 maio 2022 - 21h50Por G 1

O Ministério da Economia anunciou nesta segunda-feira, dia 23 de maio, um novo corte de 10% no imposto de importação cobrado sobre bens como feijão, carne, massas, biscoitos, arroz e materiais de construção.

Em novembro do ano passado, o governo havia feito uma redução da mesma magnitude no imposto.

Segundo o Ministério da Economia, as duas reduções somadas afetam mais de 87% dos produtos sujeitos a essa tributação. Nesse conjunto de bens, de acordo com a pasta, as alíquotas foram reduzidas a zero ou sofreram um corte total de 20%.

Assim como no ano passado, ficaram de fora do corte produtos de setores como têxteis, calçados, brinquedos, laticínios e produtos do setor automotivo que já tinham tarifa superior a 14%.

O ministro Paulo Guedes vinha defendendo novas reduções de tarifas cobradas no comércio exterior como maneira de combater a escalada de preços na economia. Ao cortar o imposto, o governo tenta baratear a compra de produtos trazidos do exterior – o que pode ter impacto também nos preços da produção interna.

De acordo com a pasta, a nova redução foi aprovada pelo Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) nesta segunda, com prazo até 31 de dezembro de 2023. A resolução que oficializa a medida, segundo o ministério, será publicada no "Diário Oficial da União" de terça-feira (24).

O custo da medida para os cofres públicos será de R$ 3,7 bilhões.

O secretário de Comércio Exterior do ministério, Lucas Ferraz, afirmou que em casos como este a Lei de Responsabilidade Fiscal não exige uma medida para compensar a perda – seja um corte de despesa ou um aumento de outro imposto.

Impacto nos preços

Ferraz ainda afirmou que a medida deve causar uma redução média de 0,5 a 1 ponto percentual nos preços cobrados no Brasil. "Individualmente, os produtos podem ter impactos maiores ou menores, esse seria um impacto médio", ponderou.

Já o secretário-executivo da Economia, Marcelo Guaranys, admitiu que o corte tarifário "não necessariamente" será repassado para os preços de hoje, mas a chegada de bens importados aumentará a concorrência no Brasil e deve segurar novos aumentos.

"Ainda que não se perceba uma diminuição do preço do produto hoje, ele pode ser impedido de subir. Porque quanto mais ele sobe, mais interessante é importar", afirmou.

De acordo com a Secretaria de Comércio Exterior do ministério, as duas reduções somadas provocarão, "no longo prazo" (até 2040), um aumento de R$ 533,1 bilhões no PIB do Brasil, um incremento de R$ 376,8 bilhões em investimentos, uma elevação de R$ 758,4 bilhões nas importações e um acréscimo de R$ 676,1 bilhões nas exportações.

Porém, esse impacto só será observado se a redução temporária anunciada nesta segunda se tornar permanente.

Nesse sentido, Guaranys afirmou que o governo está em negociação com os demais parceiros do Mercosul – Argentina, Uruguai e Paraguai – para que o corte seja permanente.

De acordo com Ferraz, a expectativa da pasta é que os quatro países do bloco adotem o corte de 20% de forma permanente ainda em 2022.

Cortes de imposto

Em meados de maio, o governo também reduziu o imposto de importação cobrado sobre 11 produtos – a exemplo de alimentos e do vergalhão de aço, usado na construção civil para reforçar a resistência do concreto.

Em março, o governo também havia reduzido a alíquota do Imposto de Importação de seis itens da cesta básica: café, margarina, queijo, macarrão, açúcar cristal e óleo de soja.

Na mesma ocasião, cortou em 10% a alíquota cobrada sobre máquinas e equipamentos, importados para intensificar a produção de bens no Brasil. Como uma redução da mesma magnitude já havia sido feita em 2021 na alíquota de bens de capital, o corte total nas tarifas desses produtos chegou a 20%.

Em fevereiro, o governo ainda reduziu em até 25% as alíquotas do Imposto Sobre Produtos Industrializados para a maioria dos produtos e, no fim de abril, ampliou o corte para 35%.

Entretanto, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal Federal (STF), suspendeu na semana passada a redução do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para produtos de todo o país que também são produzidos pela Zona Franca de Manaus.

Em outubro do ano passado, os governos do Brasil e da Argentina entraram em acordo para reduzir em 10% a Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul – bloco econômico que também inclui os vizinhos Paraguai e Uruguai. A redução atingiria 87% dos produtos tarifados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mais de 30 idosos são vítimas de golpes virtuais em Dourados em seis meses
DOURADOS 

Mais de 30 idosos são vítimas de golpes virtuais em Dourados em seis meses

BRASÍLIA

Carro invade ponto de ônibus e deixa feridos e um morto

SELEÇÃO

Publicadas convocações dos classificados em concurso e processo seletivo da SED

Após pedido de Neno, novos policiais civis são empossados para Paranhos
LEGISLATIVO DE MS

Após pedido de Neno, novos policiais civis são empossados para Paranhos

Conversão de união estável em casamento é o serviço mais procurado da Justiça Itinerante
ATENDIMENTO

Conversão de união estável em casamento é o serviço mais procurado da Justiça Itinerante

DOURADOS

Liandra pede melhorias nos postos de saúde do Idelfonso Pedroso e Altos do Indaiá

ASSEMBLEIA DE MS

LDO é aprovada em redação final e segue para sanção

BRASIL

MEC divulga hoje resultado de 2ª edição do Sisu 2022

MATO GROSSO DO SUL

Divulgado resultado preliminar da pontuação do Bolsa Técnico

CAMAPUÃ

Barbosinha atende comunidade e consegue quadra de esporte para alunos

Mais Lidas

DOURADOS

Cinco professores estavam em veículo que se envolveu em acidente no Itahum

DOURADOS

Prefeitura abre concurso com quase 60 vagas com salários que chegam a R$ 8,3 mil

DOURADOS

Cantor é outro envolvido em acidente que deixou feridos entre Dourados e Itahum

CRIME PASSIONAL

Autor de homicídio no Flórida se passou pela própria esposa para atrair vítima e cometer o crime