Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Exportações de industrializados de MS têm melhor janeiro desde 2008

28 fevereiro 2020 - 09h54Por Da Redação

A receita de exportações de industrializados de Mato Grosso do Sul alcançou em janeiro de 2020 o valor de US$ 321,9 milhões, indicando aumento de 1,9% em relação ao mesmo mês de 2019, quando o valor ficou em US$ 315,8 milhões, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Na prática, esse resultado é o melhor para um mês de janeiro desde a criação da série histórica das exportações de industrializados do Estado em 2008.

Ainda de acordo com o Radar da Fiems, quanto à participação relativa, a indústria respondeu por 93% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul no primeiro mês de 2020. Os grupos “Celulose e Papel” e “Complexo Frigorífico” foram responsáveis por 83% da receita de exportações do setor industrial, sendo 56% para o primeiro grupo e 27% para o segundo grupo.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, os demais grupos que se destacaram foram “Óleos Vegetais”, com 8% da receita, “Extrativo Mineral”, com 3%, “Metalmecânico”, com 2%, “Couros e Peles”, com 1%, e “Açúcar e Etanol”, com 1%. Ele explica que o grupo “Celulose e Papel” registrou receita de US$ 181,78 milhões, uma queda de 2% em relação a janeiro de 2019, que foram obtidos quase que na totalidade com a venda da celulose (US$ 180,30 milhões).

“Os principais compradores foram a China (71%), com US$ 128,57 milhões, a Coreia do Sul (6%), com US$ 11,31 milhões, a Itália (6%), com US$ 10,52 milhões, os Estados Unidos (3%), com US$ 6,26 milhões, a França (3%), com US$ 4,99 milhões, a Holanda (3%), com US$ 4,62 milhões, o Reino Unido (2%), com US$ 3,51 milhões, a Argentina (1%), com US$ 2,41 milhões, e a Turquia (1%), com US$ 2,12 milhões”, detalhou o economista.

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida em janeiro foi de US$ 87,27 milhões, um aumento de 38% em relação ao mesmo período de 2019, sendo que 43% do total alcançado é oriundo das carnes desossadas congeladas de bovino, que totalizaram US$ 37,38 milhões.

Os principais compradores foram Hong Kong (16%), com US$ 13,84 milhões, China (16%), com US$ 13,75 milhões, Chile (12%), com US$ 10,58 milhões, Emirados Árabes Unidos (6%), com US$ 5,46 milhões, Arábia Saudita (6%), com US$ 5,20 milhões, Uruguai (6%), com US$ 4,85 milhões, Japão (5%), com US$ 4,69 milhões, Israel (4%), com US$ 3,89 milhões, Filipinas (3%), com US$ 2,76 milhões, e Irã (2%), com US$ 2,06 milhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA ALVORADA
Trabalhador morre atingido por barra de ferro no dia do aniversário
NÚMEROS DA PANDEMIA
Brasil registra 698 mortes por Covid em 24 horas e total soma 171,4 mil
CAMPO GRANDE
Preso é flagrado com 100 porções de cocaína no Centro de Triagem
JUDICIÁRIO
STF autoriza remarcação da data de concursos por crença religiosa
CAPITAL
Depoimento de assassino contradiz versão de pai sobre morte de Everton
PRESIDENTE INVESTIGADO
Bolsonaro diz que não vai depor em inquérito sobre interferência na PF
JARDIM
Homem é multado por derrubar árvores e incendiar a madeira ilegalmente
SENTENÇA
Flagrado transportando 28t de maconha, homem "pega" oito anos e 7 meses de cadeia
EMPREGO
Comarca de Sidrolândia abre vagas para remoção de juiz leigo
Justiça manda prender ex-vereador envolvido em escândalo sexual

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Mulher esfaqueia ex após discussão em hotel no Centro de Dourados
DOURADOS 
Foragido, autor de homicídio condenado a 16 anos é preso no Novo Horizonte
CRIME BÁRBARO
Suspeita de esquartejar e colocar corpo de namorado em malas se entrega à polícia
IMPROBIDADE
Caso de vereador que perdeu mandato em Dourados tem desfecho no STJ