Menu
Busca sábado, 04 de julho de 2020
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Exportações de industrializados de MS têm melhor janeiro desde 2008

28 fevereiro 2020 - 09h54Por Da Redação

A receita de exportações de industrializados de Mato Grosso do Sul alcançou em janeiro de 2020 o valor de US$ 321,9 milhões, indicando aumento de 1,9% em relação ao mesmo mês de 2019, quando o valor ficou em US$ 315,8 milhões, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Na prática, esse resultado é o melhor para um mês de janeiro desde a criação da série histórica das exportações de industrializados do Estado em 2008.

Ainda de acordo com o Radar da Fiems, quanto à participação relativa, a indústria respondeu por 93% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul no primeiro mês de 2020. Os grupos “Celulose e Papel” e “Complexo Frigorífico” foram responsáveis por 83% da receita de exportações do setor industrial, sendo 56% para o primeiro grupo e 27% para o segundo grupo.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, os demais grupos que se destacaram foram “Óleos Vegetais”, com 8% da receita, “Extrativo Mineral”, com 3%, “Metalmecânico”, com 2%, “Couros e Peles”, com 1%, e “Açúcar e Etanol”, com 1%. Ele explica que o grupo “Celulose e Papel” registrou receita de US$ 181,78 milhões, uma queda de 2% em relação a janeiro de 2019, que foram obtidos quase que na totalidade com a venda da celulose (US$ 180,30 milhões).

“Os principais compradores foram a China (71%), com US$ 128,57 milhões, a Coreia do Sul (6%), com US$ 11,31 milhões, a Itália (6%), com US$ 10,52 milhões, os Estados Unidos (3%), com US$ 6,26 milhões, a França (3%), com US$ 4,99 milhões, a Holanda (3%), com US$ 4,62 milhões, o Reino Unido (2%), com US$ 3,51 milhões, a Argentina (1%), com US$ 2,41 milhões, e a Turquia (1%), com US$ 2,12 milhões”, detalhou o economista.

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida em janeiro foi de US$ 87,27 milhões, um aumento de 38% em relação ao mesmo período de 2019, sendo que 43% do total alcançado é oriundo das carnes desossadas congeladas de bovino, que totalizaram US$ 37,38 milhões.

Os principais compradores foram Hong Kong (16%), com US$ 13,84 milhões, China (16%), com US$ 13,75 milhões, Chile (12%), com US$ 10,58 milhões, Emirados Árabes Unidos (6%), com US$ 5,46 milhões, Arábia Saudita (6%), com US$ 5,20 milhões, Uruguai (6%), com US$ 4,85 milhões, Japão (5%), com US$ 4,69 milhões, Israel (4%), com US$ 3,89 milhões, Filipinas (3%), com US$ 2,76 milhões, e Irã (2%), com US$ 2,06 milhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Consumidor poderá tirar dúvidas sobre valor cobrado na conta de luz
BRASIL
Decotelli atualiza o currículo e diz que foi ministro da Educação por seis dias
MS
Mais de 6,8 mil materiais produzidos nas mãos de reeducandos garantem maior proteção em atendimentos no HR
ESPORTES
Partida entre Fluminense e Botafogo será transmitida em TV aberta
REGIÃO
PMA autua arrendatária de fazenda em R$ 9 mil por irregularidades com agrotóxicos
SAÚDE PÚBLICA
Macrorregião de Campo Grande já tem 73% do leitos de UTI disponíveis ocupados
ESPORTES
Projeto UEMS Karate JKA faz treinos ao vivo online durante pandemia
REGIÃO
Agepen dobra altura do muro do presídio de Caarapó para reforço na segurança
BRASIL
Rodrigo Maia defende importância de sindicatos
DOURADOS
Presidente da Câmara lamenta morte de secretário e pede esclarecimento dos fatos

Mais Lidas

PANDEMIA
Mulher morre de covid-19 logo após dar à luz em Dourados
DOURADOS
Decretos sobre aglomerações, igrejas e comércio terão mais 10 dias de vigência
CAMPO GRANDE
Jovem que estava desaparecida é encontrada morta
20 VEÍCULOS
"Bonde do contrabando" é apreendido abarrotado de produtos do Paraguai