Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Exportações de carnes renderam US$ 1 bilhão para MS

24 janeiro 2020 - 08h59Por Redação

Dados do Radar Industrial da Fiems (Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul) mostram que as exportações de carnes renderam US$ 1 bilhão para a economia estadual ao longo do ano passado.

O levantamento completo indica que os grupos “Celulose e Papel” e “Complexo Frigorífico” alavancaram as exportações de industrializados sul-mato-grossenses em 2019, que fecharam em US$ 3,59 bilhões, um crescimento de 1,5% em relação a 2018, quando alcançou US$ 3,54 bilhões.

“De janeiro a dezembro de 2019, os dois grupos juntos foram responsáveis por uma receita de US$ 3,03 bilhões, ou seja, 84,4% do total comercializado para o exterior pelo setor industrial do Estado”, informou a entidade.

Principal fonte de receitas ao Estado no mercado internacional, o grupo “Celulose e Papel”, sozinho, obteve receita de US$ 2 bilhões. Já o grupo “Complexo Frigorífico” chegou a US$ 1 bilhão. Esses dois responderam, respectivamente, por 56% e 28% do total exportado pelas indústrias sul-mato-grossenses.

Coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende explicou que o bom desempenho da balança comercial sul-mato-grossense em 2019 mais uma vez foi obtido graças aos grupos “Celulose e Papel” e “Complexo Frigorífico”.

Segundo ele, o grupo “Celulose e Papel” registrou receita de US$ 2 bilhões, um aumento de 4% em relação a 2018, que foram obtidos quase que na totalidade com a venda da celulose (US$ 1,98 bilhão).

“Os principais compradores foram China, com US$ 1,19 bilhão, Estados Unidos, com US$ 204,47 milhões, Itália, com US$ 165,26 milhões, Holanda, com US$ 143,59 milhões, Reino Unido, com US$ 49,90 milhões, Coreia do Sul, com US$ 45,18 milhões, Espanha, com US$ 36,30 milhões, Emirados Árabes, com US$ 21,75 milhões, Argentina (1%), com US$ 16,15 milhões, Turquia, com US$ 12,43 milhões, Peru, com US$ 11,96 milhões, e Egito, com US$ 11,24 milhões”, enumerou o economista.

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida de janeiro a dezembro de 2019 foi de US$ 1 bilhão, um aumento de 17% em relação ao mesmo período de 2018, sendo que 42,7% do total alcançado é oriundo das carnes desossadas congeladas de bovino, que totalizaram US$ 431 milhões. Os principais compradores foram Hong Kong, com US$ 168,24 milhões, Chile, com US$ 143,91 milhões, Emirados Árabes Unidos, com US$ 84,19 milhões, China, com US$ 81,91 milhões, e Egito, com US$ 52,46 milhões. (Com informações da Fiems)

Deixe seu Comentário

Leia Também

MATO GROSSO DO SUL
Secretaria anuncia leilão presencial de 38 bovinos da raça Nelore
AQUIDAUANA
Adolescente é apreendido após ser flagrado com 78 porções de maconha
BRASIL
IBGE pesquisa impacto da pandemia do coronavírus nas empresas
RURAL
Recurso do Plano safra 2020/2021 para MS é recorde e ultrapassa R$ 8,6 bilhões
PARANAÍBA
Mulheres são presas após briga com facão
PANDEMIA
Com mais de 3,2 mil casos de coronavírus, Dourados mantém isolamento abaixo do recomendado
DOURADOS
Ex-secretário retorna para a Cultura e Délia nomeia secretário de Agricultura Familiar
DOURADOS
Decreto é alterado e agora autoriza delivery e drive-thru para bares e conveniências
CAMPO GRANDE
Celular roubado e vendido na rede social é recuperado
ECONOMIA
Latam Brasil entra com pedido de recuperação judicial nos EUA

Mais Lidas

DOURADOS
Decreto vai mandar fechar bares e academias por 10 dias
PANDEMIA
Comerciante de 45 anos é a 37ª vítima do coronavírus em Dourados
DOURADOS
Publicado, decreto que fecha bares e academias por 10 dias poderá ser prorrogado
DOURADOS
Após trégua, frio intenso deve voltar até o final de semana