Menu
Busca quarta, 21 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
COMÉRCIO EXTERIOR

Exportação de industrializados tem nova alta e chega a US$ 2,77 bilhões

15 dezembro 2017 - 08h36Por Da Redação

Após nove meses consecutivos de crescimento, a receita com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul acumulada de janeiro a novembro deste ano atinge o patamar de US$ 2,77 bilhões, o que representa um crescimento de 14% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando atingiu o patamar de US$ 2,44 bilhões, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul). Apenas na comparação de novembro de 2016 com novembro de 2017, a receita com a exportação de produtos industriais aumentou em 15%, saindo de US$ 246,4 milhões para US$ 283,8 milhões.

Já em relação à participação relativa, no mês de novembro, a indústria respondeu por 86% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano, na mesma comparação, a participação ficou em 62%. Na avaliação do coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, de janeiro a novembro, os principais destaques ficaram por conta dos grupos “Celulose e Papel”, “Complexo Frigorífico”, “Extrativo Mineral”, “Óleos Vegetais”, “Couros e Peles” e “Siderurgia e Metalurgia Básica”, que, somados representaram 98,1% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior.

No caso do grupo “Celulose e Papel”, o montante no ano soma US$ 959 milhões, um aumento de 5% em relação ao mesmo período de 2016, quando as vendas atingiram US$ 913,2 milhões. “O resultado alcançado no período se deu principalmente pelo aumento das compras realizadas pela Holanda, Peru, Estados Unidos, China, França e Reino Unido, que, somados, aumentaram suas aquisições em US$ 43,0 milhões”, detalhou Ezequiel Resende.

Já no “Complexo Frigorífico”, a receita de exportação de janeiro a novembro de 2017 alcançou o equivalente a US$ 856,1 milhões, um crescimento de 20% sobre igual período de 2016, quando o total ficou em US$ 712,2 milhões. O crescimento observado se deu pelo aumento de 9% no preço médio da tonelada, que passou de US$ 2.552 em 2016 para US$ 2.778 em 2017, e pelo aumento de 10% no volume de carnes comercializadas para Hong Kong, Irã, Estados Unidos, Emirados Árabes e Arábia Saudita.

Outros grupos

O grupo “Açúcar e Etanol” teve receita de exportação de janeiro a novembro de 2017 equivalente a US$ 477,1 milhões, indicando alta de 24% sobre igual período do ano passado, quando a receita foi de US$ 385,9 milhões. “Esse resultado influenciado principalmente pelo aumento das compras realizadas por Malásia, Egito, Estônia, Geórgia, Iraque, Quênia, Bangladesh e Argélia, que somados, apresentaram incremento de US$ 179,0 milhões, e pela elevação do preço médio da tonelada do açúcar de cana, único produto do grupo com registro de vendas ao exterior no acumulado deste ano”, explicou o economista.

No grupo “Extrativo Mineral”, a receita de exportação acumulada de janeiro a novembro de 2017 alcançou o US$ 197,1 milhões, subindo 53% sobre o mesmo período de 2016, quando as vendas foram de US$ 129,2 milhões. O resultado se deu pela alta de 74% no preço médio da tonelada do minério de manganês, que em 2017 está em US$ 140,12 contra US$ 80,48 em 2016 e pela alta de 26% no preço médio da tonelada do minério de ferro que em 2017 está em US$ 32,58 contra US$ 25,84 em 2016.

Em relação ao grupo “Óleos Vegetais”, o fechou com receita equivalente a US$ 107,2 milhões, indicando queda de 11% sobre o mesmo intervalo de 2016, quando as vendas foram de US$ 121,1 milhões, tendo a Tailândia e Indonésia como principais responsáveis pela redução observada, com uma retração nas compras equivalente US$ 26,3 milhões. “Quanto aos compradores, os principais até o momento são Tailândia, com US$ 42,8 milhões ou 39,9%, Indonésia, com US$ 26,8 milhões ou 25,0%, Holanda, com US$ 12,2 milhões ou 11,4%, Coréia do Sul, com US$ 8,1 milhões ou 7,6%, e França com 6,3 milhões ou 5,9%”, enumerou Ezequiel Resende.

O grupo “Couros e Peles” apresentou receita de US$ 90,7 milhões, indicando redução de 9% sobre igual período de 2016, quando as vendas foram de US$ 99,8 milhões. Esse resultado foi influenciado principalmente pela diminuição das compras efetuadas pela China, Holanda, Hong Kong e Vietnã, que somados apresentaram redução de US$ 21,6 milhões. Encerrando, o grupo “Siderurgia e Metalurgia Básica” fechou no período com receita equivalente a US$ 32,4 milhões, um aumento de 122% na comparação com o mesmo período de 2016, quando as vendas foram de US$ 14,6 milhões, sob influência pela elevação das compras feitas pela Argentina e Estados Unidos, que proporcionaram receita adicional de US$ 17,8 milhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AGRONEGÓCIO
Dourados ampliou em 33 mil hectares a área cultivada com soja nas três safras recentes
LIBERTADORES
Fla encara Júnior Barranquilla para se manter líder
SANEAMENTO
Sanesul conclui ampliação do sistema tratamento do esgoto de Angélica
LEGISLATIVO
Deputados devem votar três matérias na Ordem do Dia desta quarta-feira
ELEIÇÕES 2020
Justiça Eleitoral aprova todas as candidaturas e douradense tem sete opções para prefeito
ECONOMIA
Produção industrial de MS tem melhor resultado para setembro desde 2010
CEUCI
Operação investiga crime ambiental em área indígena de MS
DOURADOS
Carona de motociclista que morreu em acidente com carreta corre risco de ter perna amputada
URUGUAI
Ex-presidente uruguaio, Mujica renuncia ao Senado e deixa política
DOURADOS
Vítima de acidente na Marcelino Pires morre na mesa de cirurgia

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente entre carreta e motocicleta mata mulher na BR-163
HOMICÍDIO EM 2013
Condenada pela morte do ex em Dourados é presa na Capital
DOURADOS
Motorista bêbado causa acidente em semáforo da Avenida Marcelino Pires
CONTRABANDO
Depósito de cigarros paraguaios é desarticulado após denúncia em Dourados