quinta, 25 de abril de 2024
Dourados
22ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
ECONOMIA

Empresas podem começar a regularizar ajuda financeira indevida do ICMS

03 abril 2024 - 20h35Por Redação

A partir de 10 de abril, as empresas que usaram indevidamente a subvenção (ajuda financeira) estadual para obter descontos no Imposto de Renda ou na Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) poderão regularizar a situação com até 80% de desconto. A Receita Federal publicou a data e as condições do parcelamento foram publicadas nesta quarta-feira (3) em instrução normativa no Diário Oficial da União.

Para descontos concedidos indevidamente até 31 de dezembro de 2022, as empresas deverão apresentar o pedido de adesão de 10 a 30 de abril. Caso o desconto tenha sido concedido em 2023, os pedidos poderão ser feitos de 10 de abril a 31 de julho.

Segundo a instrução normativa, os débitos de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e de CSLL vencidos até 29 de dezembro de 2023 poderão ser liquidados com descontos de até 80%, caso as dívidas não tenham sido lançadas pelo Fisco. Também poderão ser parcelados com o mesmo desconto compensações de saldos negativos de IRPJ e CSLL usadas indevidamente pelas empresas para pagarem menos tributos.

O pedido de adesão deverá ser feito no Centro Virtual de Atendimento da Receita Federal (e-CAC). A empresa deverá abrir processo digital na aba “Legislação e Processo”, por meio do serviço “Requerimentos Web”, disponível no site da Receita Federal.

Transação tributária
Aprovada pelo Congresso em dezembro, a Lei 14.789 limita a utilização de incentivos fiscais do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), imposto arrecadado pelos estados. Por meio das subvenções, as empresas deduzem incentivos fiscais do ICMS concedidos pelos governos estaduais da base de cálculo do IRPJ e da CSLL.

Em abril do ano passado, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que as empresas só podem usar a ajuda financeira do ICMS para deduzir gastos de investimentos, como obras e compra de equipamentos. Conforme a Corte, a dedução de gastos de custeio (despesas correntes) devia ser extinta.

Em troca de restringir a ajuda financeira do ICMS, o Congresso aceitou incluir um mecanismo de transação tributária, semelhante ao existente desde 2020, para que as empresas renegociem o passivo. As empresas devem cerca de R$ 90 bilhões acumulados desde 2017, quando o mecanismo entrou em vigor.

O Orçamento original de 2024 estimava em R$ 35 bilhões o potencial de arrecadação neste ano com a renegociação e com a limitação do incentivo. No entanto, no fim de março, o governo revisou a estimativa para R$ 25,862 bilhões por causa das desidratações que a lei sofreu no Congresso Nacional.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO

Local de prova do concurso unificado será divulgado hoje, às 10h

MATO GROSSO DO SUL

Agraer vai comprar de 60 mil mudas de erva-mate para distribuir a pequenos produtores

CLIMA

Quinta-feira tem previsão de sol e tempo seco em grande parte do Estado

Após alta na carne bovina, Dourados inicia a quinta com preços fixos no agro
COTAÇÃO

Após alta na carne bovina, Dourados inicia a quinta com preços fixos no agro

ECONOMIA

Regulamentação da reforma tributária prevê alíquota média de 26,5%

POLÍTICA

Sessão do Congresso Nacional sobre vetos presidenciais é adiada

ECONOMIA

Vacina tetravalente contra a gripe do Butantan terá verbas do BNDES

SAÚDE

Unidade Móvel do Hospital de Amor está em Coronel Sapucaia nesta semana

PESQUISA

A cada 8 minutos, uma mulher é vítima de estupro no país

CÂMARA DE DOURADOS

Marcio Pudim pede obras de asfalto, tubulação e quebra-molas em distritos

Mais Lidas

SENAR

Do Japão para Mato Grosso do Sul: filha assume legado do pai e se tornou pecuarista

COLISÃO

Mãe e criança morrem após colisão de caminhonete e carro na BR-163

DOURADOS

Concurso "Miss e Mister Indígena" acontece no próximo sábado na Jaguapiru

COTAÇÃO

Soja em alta; confira como iniciam os preços do agro nesta quarta