Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Com inauguração de indústrias e processo de liquidação, cooperativas vivem situações opostas em Dourados

No mesmo ano em que a Coamo inaugura complexo industrial de R$ 795 milhões no município, a Copacentro entra em liquidação por dívidas de R$ 62 milhões

11 dezembro 2019 - 08h37Por André Bento

Duas cooperativas ligadas ao setor agrícola vivem momentos opostos em Dourados, centro de uma região que produz mais de 50% da soja de Mato Grosso do Sul, por sua vez o 5º maior produtor nacional do grão. No mesmo ano em que a Coamo inaugura complexo industrial com investimentos de R$ 795 milhões, a Copacentro encerra as atividades em liquidação por dívidas superiores a R$ 62 milhões.

Em comum, além do fato de serem associações de pessoas com interesses comuns, elas têm nos grãos produzidos por essa terra a matéria prima para subsistência. A Coamo dispõe de uma estrutura com 92 mil metros quadrados para operar com capacidade de processar 3 mil toneladas de soja e refinar 720 toneladas de óleo de soja por dia. Já a Copacentro armazena, compra e vende tanto a oleaginosa quanto o milho.

Inaugurado no dia 25 de novembro, com a presença da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, o complexo industrial da Coamo possibilitou a ampliação para 8 mil toneladas/dia de esmagamento de soja no Brasil. Além da unidade douradense, há indústria do mesmo tamanho existente em Campo Mourão, no Paraná, que processa 3 mil toneladas por dia, e outra em Paranaguá, no mesmo estado, com capacidade para processamento de 2 mil toneladas diariamente.

Presidente da cooperativa agroindustrial, José Aroldo Gallassini explicou ao Dourados News, na ocasião, que muito antes de lançar a pedra fundamental da obra, um amplo estudo de viabilidade econômica comprovou que o investimento na região estava de acordo com os interesses dos cooperados.

“A decisão por Dourados, como em todas as indústrias que nós fizemos, estamos na 10ª indústria, a gente faz um estudo de viabilidade econômica e onde der a gente vai. Não é só porque eu quero que vou para esse local. Deu Dourados em função do volume de soja que tem Mato Grosso do Sul e que vai crescer”, informou.

De acordo com a mais recente Pesquisa Agrícola Municipal, divulgada em setembro pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Pesquisas), nove dos 10 maiores produtores de soja de Mato Grosso do Sul estão no entorno de Dourados, distantes menos de 200 quilômetros. Juntos, esses municípios produziram mais de 5 milhões de toneladas em 2018, volume superior a 50% das 9.869.382 toneladas colhidas em terras sul-mato-grossenses naquela safra.

Contudo, em contraponto ao otimismo gerado na economia local por causa dos investimentos feitos pela Coamo, poucos dias antes, em 8 de novembro, começou a tramitar na 5ª Vara Cível de Dourados um processo no qual o representante da Copacentro (Cooperativa Agropecuária do Centro-Oeste), Tiago Vargas Mantuani, requer o pagamento de R$ 62.806.928,71 da antiga diretoria como indenização por danos morais e materiais a cooperados e credores prejudicados com a falência.

Eleito liquidante da massa falida pelos próprios cooperados durante assembleia extraordinária no dia 9 de agosto, ele informa ter apurado, no balanço de 31 de dezembro de 2018, um ativo de R$ 42.936.916,22 e um passivo de R$ 38.284.231,36. Porém, no dia 25 de julho deste ano, em Assembleia Extraordinária, diz ter sido apresentado pelos então gestores um déficit de R$ 40.673.488,00.

“Como entender uma evolução deficitária em curto espaço de tempo?”, questiona na petição inicial do processo, para decretar a resposta: “sem sombras de dúvidas, a má gestão dos administradores da Coopacentro”.

O liquidante aponta como “afetados pela má gestão” 65 cooperados, 45 credores não cooperados, 12 empresas credoras por aquisição de produtos (Milho e Soja), 13 empresas fornecedoras de produtos químicos e insumos que depositaram produtos, entre esses alguns credores que venderam, e cinco bancos credores por empréstimos.

Nessa ação, o juiz César de Souza Lima recebeu a petição inicial em despacho proferido no dia 11 de novembro, ocasião em que também determinou a intimação das partes para audiência de conciliação às 17h20 de 23 de janeiro de 2020.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CONTRABANDO
Carreta é apreendida transportando mais de 40 mil pacotes de cigarros
PANDEMIA
Douradense morre em hospital e município contabiliza 93 óbitos por coronavírus
MEIO AMBIENTE
Veterinários do CRAS já trataram 17 animais vítimas das queimadas em MS
BRASIL
Bolsonaro continua apresentando ótima evolução clínica
FUTEBOL
Águia Negra encara Real Noroeste em busca da primeira vitória na Série D
MARACAJU
Mulher é presa por tráfico na frente de filha de 3 anos e bebê
DOURADOS
Guarda cumpre mandado e prende ‘Maldita’ durante festa na Cachoeirinha
BRASIL
Agências da Caixa não abrem neste sábado
CAPITAL
Jovem morre após colidir moto contra árvore em avenida
FUTEBOL
Três jogos dão continuidade à 12ª rodada do Brasileirão neste sábado

Mais Lidas

POLÍCIA
Caminhoneiro de Dourados morre ao capotar na serra de Maracaju
PANDEMIA
Novo decreto diminui toque de recolher e libera venda de bebidas em bares até as 23h
PROSSEGUIR
Governo atualiza mapa da Covid e Dourados volta para "bandeira vermelha"
PONTA PORÃ
Polícia apreende comboio com contrabando avaliado em R$ 1 milhão