Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Dólar fecha em alta e atinge maior cotação em quase dois meses

28 maio 2015 - 18h30

G1

O dólar fechou em alta nesta quinta-feira (28), acompanhando a subida global da divisa norte-americana, em meio a expectativas de que os juros nos Estados Unidos começarão a subir ainda neste ano, enquanto incertezas sobre o ajuste das contas públicas no Brasil mantiveram investidores locais na defensiva.

A moeda norte-americana avançou 0,59%, a R$ 3,1638 na venda – após ter caído 0,15% na sessão passada. É a maior cotação desde o dia 1º de abril, quando o dólar fechou a R$ 3,17. Em maio, o dólar acumula alta de 5%, e em 2015, de 18%.

O dólar tem avançado em relação às principais moedas nas últimas sessões, já que investidores se preparam para o eventual início do aperto monetário na maior economia do mundo, o que pode diminuir a atratividade de investimentos em outros mercados.

Preocupações com os problemas envolvendo a dívida da Grécia também têm pesado na cotação da moeda, em meio a temores sobre um default e a possibilidade de o país deixar a zona do euro.

"Parece que está havendo uma mudança global de patamar do dólar por causa da normalização da política monetária dos EUA. O mercado começa a achar que isso não é temporário", disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

O BNP Paribas, por exemplo, estimou em nota a clientes que a tendência de alta do dólar tem potencial de levar o real a cair mais 18% em relação à moeda norte-americana até 2017.
Cenário interno
No Brasil, as questões entre o Congresso e o Planalto na aprovação das medidas do ajuste fiscal também têm corroborado o clima de apreensão nos mercados financeiros.

"Estruturalmente, as condições internas ainda favorecem a alta da moeda americana", escreveram analistas da corretora Lerosa Investimentos em relatório. "O governo ainda tem longo caminho para percorrer. As dificuldades políticas são importante sinal para empresários voltarem a investir em nossa economia e os sinais ainda são desanimadores nesse campo", acrescentaram.

Mais cedo, o Banco Central deu continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em junho, com oferta de até 8,1 mil contratos.

Na véspera, a moeda norte-americana caiu 0,15%, a R$ 3,1452 na venda, interrompendo quatro altas seguidas. Na máxima do dia, a moeda chegou a R$ 3,18, maior cotação em quase dois meses.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PREVENÇÃO
Bombas flutuantes são ativadas para garantir abastecimento de água em Corumbá
ECONOMIA
Economistas defendem investimentos públicos e taxação de ricos
INCENTIVO
Em segunda edição do programa, UEMS concede 711 auxílios para acesso à internet
POLÍCIA
Idoso é encontrado morto em valeta na região central de Itaporã
DOURADOS
Em MS, interessados em adquirir imóvel podem ter desconto no valor da entrada
ESPORTE
Vasco empata com Bragantino e entra, provisoriamente, no G4
PANDEMIA
Governo aposta que ‘Rastrear’ vai diminuir taxa de contaminação do coronavírus em MS
CONSUMIDOR
Após denúncias, Procon autua seis agências bancárias
PANDEMIA
Em um mês, mais de 5 mil aulas para primeira habilitação foram realizadas de forma online em MS
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Comissão mista se reúne para ouvir formuladores das propostas de reforma tributária

Mais Lidas

POLÍCIA
Caminhoneiro de Dourados morre ao capotar na serra de Maracaju
ATO DE FÉ
Após vigílias em frente a hospital, família celebra 'milagre' por homem que caiu do telhado
PONTA PORÃ
Polícia apreende comboio com contrabando avaliado em R$ 1 milhão
CAMPO GRANDE
Gêmeos são executados dentro de quitinete