Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Dívida pública fecha 2019 em R$ 4,249 trilhões

28 janeiro 2020 - 16h35Por Agência Brasil

A Dívida Pública Federal – que inclui o endividamento interno e externo do Brasil – fechou 2019 em R$ 4,249 trilhões, informou hoje (28) a Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Economia. O valor representou aumento de 9,59% em relação a 2018, quando a dívida era de R$ 3,877 trilhões.

O valor representou alta de 1,03% em relação a novembro, quando a dívida era de R$ 4,205 trilhões. Apesar do aumento, foi cumprido o Plano Anual de Financiamento (PAF) de 2019, que estabelece que a dívida pública poderia fechar o ano passado entre R$ 4,1 trilhões e R$ 4,3 trilhões.

A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi), que é a parte da dívida pública no mercado interno, teve o estoque ampliado em 1,22% em dezembro, passando de R$ 4,034 trilhões para R$ 4,083 trilhões. Esse crescimento da dívida ocorreu por causa da apropriação positiva de juros, no valor de R$ 30,26 bilhões (quando os juros da dívida são incorporados ao total mês a mês), e pela emissão líquida de R$ 19,07 bilhões (quando o Tesouro emitiu mais títulos do que resgatou).

O estoque da Dívida Pública Federal Externa (DPFe), captada do mercado internacional, caiu 3,4%, encerrando dezembro em R$ 165,68 bilhões, ou US$ 41,10 bilhões, sendo R$ 150,37 bilhões (US$ 41,1 bilhões) referentes à dívida mobiliária (em títulos no mercado internacional) e R$ 15,31 bilhões (US$ 3,8 bilhões), à dívida contratual (com bancos e organismos internacionais).

A variação do endividamento do Tesouro pode ocorrer por meio da oferta de títulos públicos em leilões pela internet (Tesouro Direto) ou pela emissão direta. Além disso, pode ocorrer assinatura de contratos de empréstimo para o Tesouro, tomado de uma instituição ou de um banco de fomento, destinado a financiar o desenvolvimento de uma determinada região. A redução do endividamento se dá, por exemplo, pelo resgate de títulos.

Em dezembro, os maiores detentores da dívida pública eram os fundos de investimentos (26,68%). O estoque desse grupo passou de R$ 1,065 trilhão para R$ 1,089 trilhão de novembro para dezembro.

Em seguida, estão os fundos de Previdência, com uma fatia de 24,89%; as instituições financeiras, com 24,69%; os investidores estrangeiros (10,43%); o governo (3,97%); as seguradoras (3,94%) e outros (5,41%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
Homem é preso e multado por pescar com redes durante a piracema
JUSTIÇA
Saiba como solicitar antecipação de julgamento em sessões do TJ/MS
SILVIA REGINA
Atropelada por veículo está em coma no CTI e com lesão neurológica grave
EDUCAÇÃO
UFGD recebe evento sobre produtividade agrícola e conservação do solo
PONTA PORÃ
PM aposentado reagiu a assalto que terminou com bandido morto
INTERNACIONAL
Corpo de Maradona é sepultado em cemitério na periferia de Buenos Aires
FRONTEIRA
Gerente de cassino é presa em investigação sobre quádrupla execução
JUSTIÇA
Motociclista será indenizado por acidente devido ao rompimento de cabos
BATAGUASSU
Marido esgana esposa, quebra celular e rasga dinheiro após discussão
REGIÃO
Detran/MS de Ponta Porã recebe pagamento de guias com cartões de débito

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Mulher esfaqueia ex após discussão em hotel no Centro de Dourados
DOURADOS 
Foragido, autor de homicídio condenado a 16 anos é preso no Novo Horizonte
CRIME BÁRBARO
Suspeita de esquartejar e colocar corpo de namorado em malas se entrega à polícia
IMPROBIDADE
Caso de vereador que perdeu mandato em Dourados tem desfecho no STJ