Menu
Busca domingo, 29 de março de 2020
(67) 9860-3221

Corte nos juros reais pode estimular crescimento do País

26 dezembro 2012 - 13h05

Para quem iniciou 2012 encabeçando o ranking de maiores pagadores de juros do mundo, pode-se dizer que os esforços do Brasil para reduzir a taxa real de juros deram resultado ao longo deste ano. O índice nacional subiu 0,1 ponto percentual após a manutenção da taxa básica (Selic) em 7,25% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, indo de 1,7% para 1,8% e fechando o mês de novembro na terceira posição da lista de 40 países pesquisados pelo relatório da Cruzeiro do Sul Corretora. O número é o mesmo que, no final de agosto, colocou o País na classificação inédita de quinto lugar na lista devido, entre outros fatores, à menor medida inflacionária em diversos países.

Há pelo menos dois anos, o Brasil apresenta uma queda bastante acentuada do índice, cujo cálculo Ex Post (realizado no levantamento) resulta a diferença entre a Selic e a taxa projetada de inflação para os próximos 12 meses pela pesquisa Focus. Por se tratar da taxa que remunera o capital acima da inflação, que é estimada atualmente em 5,4%, a sua elevação tem implicação direta sobre o consumo e o investimento produtivo no País. Não só o movimento encarece financiamentos, empréstimos, cartões de crédito e cheque especial, como refreia o investimento das empresas diante da instabilidade do mercado. Dependendo do contexto, mesmo a tendência de queda da inflação acarretada pela diminuição do consumo pode não compensar o impacto da medida sobre o crescimento econômico do país.

Entretanto, para Mauro Rochlin, professor de Economia do Ibmec (RJ), os cortes consecutivos na Selic pelo Banco Central e a permanência da taxa real de juros a níveis mais baixos não geraram uma situação desconfortável. "Alguns economistas tinham medo que ela pudesse levar a um aumento substancial do consumo e, com isso, à pressão sobre os preços. Mas verificamos que essas taxas mais baixas, tanto a nominal quanto a real, não acarretaram uma explosão do consumo e nem a inflação superpressionada pela demanda", explica. Uma das razões para isso foi o crescente endividamento das famílias brasileiras nos últimos oito anos devido à facilidade do acesso ao crédito, o que elevou os índices de inadimplência.

O professor acredita que há espaço para uma redução maior na taxa real de juros. "Nesse momento, o PIB anda mal, o crescimento da economia é muito pífio e, por outro lado, a inflação não dá mostras de descontrole. Apesar de estar em um patamar relativamente alto em relação a um PIB tão pequeno, houve forte influência de fatores externos, como secas em outros países, que pressionaram o preço dos alimentos", afirma Rochlin. O corte e a manutenção da taxa real de juros em números muito baixos ou negativos têm sido uma das estratégias de combate à crise adotadas pelos Estados Unidos e pelos países europeus para reanimar suas economias: segundo o estudo da corretora, a Grécia está 24ª lugar no ranking com -0,8% em juros reais, com os americanos (-1,9%) em 31º e a Espanha (-2,7%) na 37ª posição.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MATO GROSSO DO SUL
Bombeiros fazem alerta para aumento de 133% na quantidade de incêndios
DEFENSORIA PÚBLICA
DPU cria canal para denúncias durante o enfrentamento ao coronavírus
MATO GROSSO DO SUL
Calendário de vacinação e plano de ação contra aftosa são mantidos
BRASIL
Bolsonaro dá passeio em Brasília após Mandetta enfatizar isolamento
ACIDENTE
Motociclista morre ao colidir em touro em cidade do interior
ESTAVA NA PED
Mato-grossense é preso com por tráfico de drogas em Dourados
NOTA PREMIADA
Lista de ganhadores já está disponível para consulta
DOURADOS
Homem entra em veículo e anuncia assalto com arma de brinquedo; vídeo
COVID-19
Casos de coronavírus no Brasil em 29 de março
COXIM
Jovem de 17 anos esfaqueia tio por causa de buzina de carro

Mais Lidas

COVID-19
Saúde confirma coronavírus para mulher internada em Dourados e casos chegam a 28 em MS
COVID-19
Dourados confirma primeiro caso do novo coronavírus
COVID-19
Mulher de 52 anos é o 2º caso de coronavírus em Dourados, total no Estado é de 31
DOURADOS
Sindicato emite nota e diz que empregados foram obrigados a participar de ato