Menu
Busca terça, 07 de julho de 2020
(67) 99659-5905
JUSTIÇA

Concessionária deve indenizar vítimas de acidente causado por objeto na pista

03 março 2020 - 06h35Por Da Redação

Sentença proferida pela 1ª Vara Cível de Campo Grande julgou procedente a ação movida por um casal em face de concessionária de rodovia, a qual foi condenada ao pagamento de R$ 700,00 de danos materiais e R$ 7.000,00 de danos morais em razão de acidente ocorrido na BR-376, administrada pela ré, em razão de objeto na pista.

Alegam os autores que por volta das 19h50 do dia 9 de março de 2017 trafegavam pela rodovia BR-376 quando o veículo deles se chocou com uma campana de roda de caminhão (tambor de freio) que estava inadequadamente na pista de rolagem.

Relatam que, com o impacto, o carro teve pane elétrica, razão pela qual saíram do veículo e, enquanto aguardavam na pista, outro veículo também se chocou com o objeto que foi arremessado em direção à autora, que foi atingida em sua perna esquerda.

Narram que, em decorrência do acidente, o autor gastou R$ 700,00 com o conserto do veículo, além da troca da bateria. Assim, pretendem obter a condenação da ré ao pagamento de danos materiais e morais.

Em contestação, a concessionária sustenta ausência de culpa pelo ocorrido, refuta os pedidos de danos materiais e a inexistência de dano moral.

O juiz Thiago Nagasawa Tanaka reconheceu, em primeiro lugar, que a relação estabelecida entre a concessionária e o usuário da estrada é de consumo, “o que determina o reconhecimento da responsabilidade objetiva pelo fato do serviço, conforme dispõe o art. 14 do Código de Defesa do Consumidor”.

Assim, discorreu o magistrado que “não há dúvidas que é obrigação da ré zelar pela manutenção da rodovia em condições seguras de trafegabilidade aos usuários, como forma de prestar adequadamente o serviço público que lhe foi concedido e pelo qual é remunerada mediante o pagamento da tarifa de pedágio”.

Nesse ponto, analisou o juiz que o acidente ocorreu devido à existência de objeto na pista, o que demonstra falha da ré em fiscalizar e garantir a segurança do tráfego e, por outro lado, a concessionária “não comprovou, de maneira segura, que a fiscalização da via era constante e adequada, de forma prévia aos sinistros, o que caracteriza falha na prestação do serviço concedido, autorizando o reconhecimento do dever de indenizar”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Chinesa SinoVac começa etapa final de testes da vacina contra covid-19
TRÊS LAGOAS
Bandido é amarrado e agredido por populares após arrombar casa
NOVA ANDRADINA
Jovem fica gravemente ferido após ser atropelado
FUTEBOL
CBF anuncia início do Brasileirão no início de agosto
TRÁFICO
Polícia encontra mais de 100kg de maconha abandonados em rodovia
COFRES PÚBLICOS
Economia com viagens e diárias na pandemia chega a R$ 199,6 milhões
CAMPO GRANDE
Ministério autoriza R$ 27,1 milhões para ações de modernização tecnológica
TRÂNSITO
Detran-MS inicia série de visitas técnicas a empresas de emplacamento e vistoria
BRASIL
Inscrições para o Sisu começam nesta terça
CORUMBÁ
Empresa de alimentos é condenada por erro em emissão de nota fiscal

Mais Lidas

DOURADOS
Antes do crime, homem que matou secretário havia sido demitido por não usar máscara
DOURADOS
Acusado de matar secretário em Dourados acaba preso em barreira sanitária
DOURADOS
Carro que atingiu ciclista pega fogo após bater em árvore ao lado de Avenida
DOURADOS
Adolescente pilota moto embriagado e tio morre após queda na Coronel Ponciano