Menu
Busca quarta, 27 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
JUSTIÇA

Comprador que rescindiu contrato tem direito à restituição de valores

16 novembro 2020 - 22h05Por Da Redação

Decisão do juiz Plácido de Souza Neto, da 2ª Vara Cível de Paranaíba, determinou que uma empresa de empreendimentos imobiliários  restitua ao autor da ação, de uma só vez, o valor de R$ 10.199,86 do montante comprovadamente pago, corrigidos pelo IGPM-FGV. Na sentença, o juiz entendeu que a parte autora tem o direito à devolução dos valores pagos, inclusive a título de sinal, após a dissolução do contrato.  

O autor narrou nos autos que firmou compromisso de compra e venda com a empresa para aquisição de um terreno, com o pagamento de R$ 2.000,00 e outras 185 parcelas mensais no valor de R$ 340,00 cada. Apontou que, após pagar o valor da entrada e 27 parcelas, não pôde continuar arcando com o pagamento das parcelas acordadas, buscando a resolução do contrato junto à empresa, que não deu resposta.

Alegou o autor que os valores pagos, devidamente atualizados, somam a quantia de R$ 11.333,18, dos quais deverá ser abatido o percentual entre 10% para compensação de despesas administrativas, e discorreu sobre a aplicação do Código de Defesa do Consumidor. Ao final, pleiteou a procedência da ação, com a declaração de resolução do contrato e a condenação da empresa para restituição de 90% dos valores pagos.

Citada, a empresa apresentou contestação, alegou que o contrato firmado entre as partes não possui ilegalidades e que o autor deve arcar com as penalidades previstas em caso de rescisão do contrato. Afirmou que o contrato entabulado entre as partes não se trata de relação de consumo, mas de relação obrigacional, não sendo aplicáveis as disposições do CDC.

O juiz Plácido de Souza Neto esclareceu na sentença que a existência de eventual cláusula de irrevogabilidade e irretratabilidade no instrumento contratual, de forma absoluta, não impede a resolução contratual, visto que, assim como ninguém está obrigado a contratar também não o está a permanecer na relação contratual até seu esgotamento.

“No caso dos autos, em razão da revelia da parte ré, não existe controvérsia em relação aos valores efetivamente pagos pela parte autora, que somam R$ 11.333,18. Desta forma, julgo procedente o pedido do autor, pois este tem o direito à devolução dos valores pagos, inclusive a título de sinal ou arras, porém a empresa tem o direito de reter uma parte dos valores pagos, por perdas e danos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Jovem é amarrada, espancada e tem roupas rasgadas por ex
PRESO NO RIO
Ministro do STF nega transferência de Roberto Jefferson para hospital
TRÁFICO
Demitida por ir ao médico, mulher é presa com maconha em Aeroporto
UEMS
Auxílio Mobilidade Internacional abre inscrições para seleção de propostas
JUSTIÇA
Tenente filmado agredindo mulher é condenado a 1 ano e 5 meses
IMUNIZANTE
Fiocruz entrega 4,5 milhões de doses de vacina contra a covid-19
Menina diz ter sido estuprada por veterinário em festa de casamento
VIAGENS
Consulados dos Estados Unidos voltam a emitir visto para brasileiros
CORUMBÁ
Motorista que morreu em acidente viajava a trabalho de empresa alimentícia
POLÍTICA
Câmara de Dourados aprova mais 10 projetos de lei em Sessão Ordinária 

Mais Lidas

CLIMA
Vendaval atinge Dourados e deixa rastro de destruição
DOURADOS
Namorada posta 'status' de jovem com arma, polícia rastreia carro e prende rapaz
DOURADOS
Três vias de Dourados passam a ser "mão única"
DOURADOS
Mulher "roleta" Weimar, causa acidente e deixa motociclista ferido gravemente