Menu
Busca sexta, 27 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
EDUCAÇÃO

Cientistas de MS fazem 'vaquinha' para participarem de conferência na Sérvia

31 janeiro 2020 - 21h35Por G1

O interesse pela ciência mudou a vida das jovens Thailenny Dantas Rezende, de 17 anos e de Maria Vitória Moura Cabrera, de 18 anos. O sucesso em seus respectivos projetos rendeu às alunas de Campo Grande experiências em Feiras Científicas no Brasil e no Mundo. Agora, porém, elas encaram um novo desafio e pedem ajuda nas redes sociais para conseguirem ir até a Conferência Internacional dos Jovens Cientistas (ICYS), em Belgrado, na Sérvia.

Mais jovem, Thailenny, que terminou o ensino médio em 2019, conta que desenvolve pesquisas científicas desde 2017, quando entrou em um clube de ciências na Escola Estadual Teotônio Vilela. No clube, desenvolvido por dois professores desde 2012 no colégio, ela começou a analisar a leucena, uma planta que é muito vista em áreas de córregos ou em locais de reflorestamento.

Porém, a leucena também solta substâncias químicas, que podem interferir no crescimento e até no desenvolvimento de outras plantas ao redor dela. O projeto de Thailenny consistiu em testes e análises para identificar qual o composto da planta com mais substâncias químicas.

Com ele, a estudante participou de diversas feiras científicas, como a Fetec de Mato Grosso do Sul, a Fecintec do IFMS, a Mostratec, no Rio Grande do Sul e, especialmente, a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), sediada na Universidade de São Paulo (USP). O projeto de Thailenny ficou com o 1° lugar na categoria ciências biológicas e rendeu uma credencial para uma feira de ciências em Phoenix, nos Estados Unidos, na qual ela participou em 2019.

O orgulho sul-mato-grossense também está presente no discurso de Maria Vitória, de 18 anos. Estudante da escola General Osório, ela começou a participar de Olimpíadas de Física desde o sexto ano, por incentivo de professores, e a partir do oitavo, começou a se interessar por astronomia. Desde então, colecionou medalhas na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica.

No Ensino Médio, a estudante foi convidada para um acampamento em São José dos Campos (SP), onde fica o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e cidade referência no país em estudos de física. "Lá vi um mundo que eu não conhecia e minha cabeça abriu para oportunidades que nem imaginava", explica Maria.

Ainda na cidade paulista, ela viu uma palestra sobre clima espacial e ouviu pela primeira vez sobre a "Anomalia Magnética do Atlântico Sul". Curiosa, Maria começou a pesquisar sobre o assunto e percebeu que haviam teorias diferentes sobre o motivo dela existir. "Era uma parta da física com uma "ponta solta", algo incomum para esta área de pesquisa. Senti que era ali que eu poderia dar uma contribuição para a ciência, o que era meu sonho", afirma.

No terceiro ano do Ensino Médio, ela desenvolveu um projeto trabalhando em cima de teorias de outros cientistas para explicar o que acontece no campo magnético da Terra (confira neste link o projeto da estudante). Com o trabalho, ela ganhou três premiações, sendo uma delas internacional: o prêmio em excelência em pesquisa de geociências pela Associação de Mulheres Geocientistas, dos Estados Unidos.

Maria ainda ganhou medalha de ouro na Genyus Olympiad, em Nova Iorque, a maior feira de ciências ambiental do mundo. Dentre os 1800 projetos de 80 países, menos de 10% deles receberam a mesma honraria. Agora, a estudante conseguiu um estágio no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) no departamento de clima espacial, o mesmo do professor que ministrou a palestra que acendeu a chama da curiosidade para o tema da pesquisa dela.

O pedido de ajuda

Thailenny e Maria Vitória, que já viajaram juntas para a Febrace, agora possuem um novo desafio: a Conferência Internacional dos Jovens Cientistas (ICYS), em Belgrado na Sérvia, no final de abril. Apenas seis projetos brasileiros foram selecionados para a conferência, sendo dois deles os das sul-mato-grossenses.

Porém, elas ainda não conseguiram o dinheiro suficiente para realizar esta nova viagem. Cada uma calcula precisar de ao menos R$ 5 mil para estadia e translado de avião até a capital da Sérvia, até um mês antes do evento. Por isso, as jovens pesquisadoras organizaram uma "vaquinha" online para arrecadar fundos. Você pode ajudá-las clicando neste link.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Operação Boas Festas em MS será lançada nesta sexta-feira
POLÍCIA
Operação Boas Festas em MS será lançada nesta sexta-feira
Homem morre às véspera de encontro com os filhos que não via há 23 anos
ACIDENTE
Homem morre às véspera de encontro com os filhos que não via há 23 anos
TEMPO
Sexta-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
CAPITAL
Motociclista que foi arremessado durante acidente morre em hospital
PANDEMIA
Bolsonaro diz que não há vídeo ou áudio em que chame Covid de 'gripezinha'
CRIME AMBIENTAL
Homem é preso e multado por pescar com redes durante a piracema
JUSTIÇA
Saiba como solicitar antecipação de julgamento em sessões do TJ/MS
SILVIA REGINA
Atropelada por veículo está em coma no CTI e com lesão neurológica grave
EDUCAÇÃO
UFGD recebe evento sobre produtividade agrícola e conservação do solo
PONTA PORÃ
PM aposentado reagiu a assalto que terminou com bandido morto

Mais Lidas

DOURADOS 
Foragido, autor de homicídio condenado a 16 anos é preso no Novo Horizonte
DOURADOS
Júri condena membros de grupo de extermínio a mais de 100 anos de prisão
PEDRO JUAN
Quatro corpos são encontrados enterrados na fronteira
BONITO
Mãe de bebê também morre após carro bater em coqueiro na MS-382