Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
(67) 99659-5905
JUSTIÇA

Atacadista deve indenizar por danos ocorridos em carro de cliente

04 junho 2020 - 17h35Por Da Redação

Um ,ercado atacadista deverá indenizar um cliente em R$ 5 mil por dano moral e R$ 1.800,00 por danos materiais, depois que o carro do homem sofreu avarias no estacionamento do estabelecimento. O cliente é idoso e cadeirante. A decisão tomou como base a responsabilidade civil objetiva conforme o Código de Defesa do Consumidor. A decisão é da1ª Câmara Cível do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

Segundo os autos do processo, em dezembro de 2015, a companheira do cliente, após realizar compras no estabelecimento da empresa apelante, retornou para o seu veículo, no estacionamento externo e privativo, quando constatou que o carro estava danificado. Havia riscos nas portas das duas laterais do automóvel. O autor demonstrou, por meio de notas fiscais, com data e horário coerentes com o registrado em boletim de ocorrência, comprovando os fatos expostos.

O estabelecimento, em suas razões recursais, alegou que os depoimentos do cliente, testemunha e informante são contraditórios. Sustenta ainda que juntou filmagens do dia e horário indicados, no entanto o juiz de primeiro grau não analisou todo o conteúdo e, com isto, solicitou o retorno dos autos para a devida perícia técnica do material.

Para o relator do recurso, Dese,bargador Divoncir Schreiner Maran, trata-se de uma relação jurídica de consumo, tendo em vista a figura do apelante como fornecedor de produtos e a do apelado como consumidor, aplicando-se, assim, o Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90).

Em seu voto, o desembargador embasa a decisão devido ao fato de que a disposição de estacionamento de forma gratuita não exime o estabelecimento da responsabilidade do dever de guarda e proteção em relação aos bens de seus consumidores.

“Atrelado, ainda, ao fato de que tal disponibilidade é considerada um diferencial, gerando um atrativo para o comércio, podendo ser incluso no valor de seus produtos e considerando o porte da empresa, há necessidade de prestar o serviço garantindo segurança. Consequentemente, deve responder por eventuais danos ou furtos ocorridos em suas dependências, como estabelece a Súmula 130 do Superior Tribunal de Justiça (STJ)”, disse o Des. Divoncir Schreiner Maran.

A decisão foi unânime e realizada pelos desembargadores da 1ª Câmara Cível do TJMS, em sessão permanente e virtual.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL
Paulistão tem data de inscrição ampliada e rebaixamento mantido
DESCAMINHO
Veículos são apreendidos com produtos contrabandeados
MATO GROSSO DO SUL
No dia do Oncologista, médico diz que é um grande compromisso trabalhar nesta especialidade
BRASIL
Bolsonaro apresenta boas condições de saúde, diz Planalto
PANDEMIA
Pedidos e calamidade pública chega a mais da metade de cidades em MS
CRIME AMBIENTAL
Douradense é multado por armazenar combustível de forma ilegal
ECONOMIA
Caixa ultrapassa R$ 5 bi em crédito a micro e pequenas empresas
ECONOMIA
Dólar fecha em queda com investidores monitorando a pandemia
JARDIM MÁRCIA
Homem é preso por violação de domicílio e tentativa de furto em Dourados
DOURADOS
DOF prende dois passageiros de ônibus com tabletes de maconha

Mais Lidas

DOURADOS
Decreto vai mandar fechar bares e academias por 10 dias
PANDEMIA
Comerciante de 45 anos é a 37ª vítima do coronavírus em Dourados
DOURADOS
Publicado, decreto que fecha bares e academias por 10 dias poderá ser prorrogado
DOURADOS
Após trégua, frio intenso deve voltar até o final de semana