Menu
Busca segunda, 17 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Diploma não assegura atuação profissional

01 setembro 2004 - 15h06

O mercado de trabalho quer mais do profissional recém-formado do que "apenas" o diploma, que comprova a conclusão do curso superior. Quer testá-lo antes de credenciá-lo a atuar na carreira na qual se formou.Essa exigência vem dos conselhos profissionais de algumas áreas, que querem "filtrar" a entrada dos graduados no mercado, a exemplo do que a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) faz, desde a década passada, com o exame da Ordem.Que os futuros advogados têm de se submeter a uma avaliação não é novidade. O que surpreendeu alguns estudantes foi que outros conselhos profissionais decidiram fazer o mesmo. Atualmente, para ser veterinário ou contador, por exemplo, não basta ter o diploma, é preciso ser aprovado no exame de sua categoria.Essa tendência é seguida por outros conselhos que estudam a implantação do teste como uma maneira de selecionar quem ingressa no mercado. Hoje só o diploma, dizem os especialistas, não atesta a aptidão de um profissional para exercer sua carreira."Há faculdades que não são rigorosas com os alunos, que os aprovam de qualquer jeito", afirma Ivette Senise Ferreira, presidente da Comissão de Estágio e Exame da Ordem da OAB-SP e professora da Faculdade de Direito da USP (Universidade de São Paulo), que, como outros membros de conselhos, mostra-se preocupada com a crescente abertura de faculdades no país.A contadora Alessandra Nolasco, 32, terminou o curso em 1999 e, no ano seguinte, submeteu-se ao primeiro exame de proficiência aplicado pelo CFC (Conselho Federal de Contabilidade). Nem todos, porém, encaram o exame com naturalidade, e um indício são as freqüentes liminares de formados contrários à medida. No caso da contabilidade, ocorreram tantas controvérsias que, apesar de o CFC ter regulamentado o exame em todo o país, uma liminar exclui, desde o início de 2004, o Estado de São Paulo, onde a reprovação chegava a 45%.Isso foi o suficiente para que Andréia Alves da Silva, 32, conseguisse o registro profissional do Conselho Regional de Contabilidade mesmo tendo sido reprovada na avaliação de 2003 (cada entidade realiza de duas a três provas por ano). "Fiquei sabendo da liminar e consegui tirar a carteirinha em março deste ano", conta.A brecha existe porque, apesar de os conselhos regulamentarem o exame, ele não tem poder de lei, e os candidatos podem recorrer. Para evitar transtornos, Edson Taki, vice-presidente do Conselho Federal de Farmácia, disse haver uma comissão que estuda como promover alterações no projeto que cria o exame. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados tem 35 pacientes com Covid-19 na espera por vaga pública de UTI
OCUPAÇÃO MÁXIMA
Dourados tem 35 pacientes com Covid-19 na espera por vaga pública de UTI
ECONOMIA
Abono salarial do PIS-PASEP de até R$ 1,1 mil tem calendário unificado
EDUCAÇÃO
Projeto 'Astrominas' oferece vagas para meninas adolescentes em atividades online de ciências
EMPREGO
Processo seletivo da Prefeitura de Maracaju terá salários de até R$ 8,5 mil
EDUCAÇÃO
Prazo para pedir isenção de taxa do Enem começa nesta segunda-feira
POLÍCIA
Foragido da Justiça é preso após agredir namorada adolescente
POLÍCIA
Mulher encontra seus três cachorros envenenados e suspeita de vingança do ex
ESPORTE
Grêmio vence Inter de virada e larga em vantagem na final do Gauchão
ESPORTES
Palmeiras domina o Corinthians, vence em Itaquera e vai à final do Paulistão
POLÍCIA
Homens são flagrados carneando vaca furtada e um deles tenta agredir policial a facada

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Após discussão, jovem bate veículo em poste e namorada que estava no capô morre
TRÁFICO DE DROGAS
Chefe do 'Comando Vermelho' e foragido há seis meses é preso em Dourados
FEMINICÍDIO
Mulher baleada na cabeça pelo ex-marido morre no hospital
CAPITAL
Jovem sai para comprar narguilé e morre após colidir moto contra poste