Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Dieta no início da gravidez pode afetar cérebro do feto

18 janeiro 2011 - 13h00

Gestantes que fazem dietas alimentares no início da gravidez podem colocar em risco o desenvolvimento cerebral do feto. De acordo com estudo publicado no periódico Proceedings of National Academy of Sciences, crianças geradas em períodos de restrição alimentar das mães tendem a atingir taxas menores de quociente de inteligência (QI) e a apresentar mais problemas comportamentais. A pesquisa foi conduzida em babuínos, animais com o desenvolvimento fetal muito similar ao humano.

Para a equipe de especialistas do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, responsável pelo estudo, a carência de nutrientes vitais e de calorias nos primeiros meses da gestação reduz a formação de conexões entre as células, a divisão celular e interfere nos fatores de crescimento do feto. Esse déficit é capaz ainda de atuar nas sinapses entre as células cerebrais, alterando a expressão de centenas de genes – dos quais grande parte tem influência direta no crescimento e no desenvolvimento.

Segundo os especialistas, gestantes adolescentes correm riscos maiores, uma vez que parte dos nutrientes ingeridos por elas acaba sendo usada para o desenvolvimento do corpo da própria mãe. Em gestações tardias, os riscos para o feto acontecem porque há uma redução no fluxo sanguíneo para o útero, diminuindo a quantia de alimentos levada ao feto.

“Esse estudo demonstra a importância de uma alimentação correta na gestação. Uma dieta pobre pode interferir diretamente no desenvolvimento dos órgão do feto. No caso, estamos falando especificamente sobre o cérebro”, diz Thomas McDonald, um dos responsáveis pela pesquisa.

Efeitos futuros – O desenvolvimento da saúde tem se mostrado um fator fundamental no aparecimento futuro da obesidade, da diabetes e de doenças cardíacas. Com os novos dados, os cientistas esperam conseguir relacionar o processo de desenvolvimento (da formação do feto) também no contexto do aparecimento de doenças como o autismo, a depressão, a esquizofrenia e outros transtornos cerebrais.

“A pesquisa incentiva ainda os especialistas a rever a noção fortemente aceita de que durante a gestação a mãe é capaz de proteger o feto de desafios alimentares, a exemplo da má nutrição”, diz McDonald.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TECNOLOGIA
WhatsApp vai limitar funções de contas que não aceitarem novas regras
Amigos fazem vaquinha para mãe recomeçar a vida ao lado dos 4 filhos
Agetran faz cerca de 400 abordagens na primeira blitz do Maio Amarelo
DOURADOS
Agetran faz cerca de 400 abordagens na primeira blitz do Maio Amarelo
NAVIRAÍ
Operação multa arrendatário em R$ 12 mil por incêndio em pastagem
IMPEACHMENT
Tribunal absolve governador de Santa Catarina, que reassumirá o cargo
PONTA PORÃ
Baleado, homem cruza fronteira, é socorrido por policiais e morre em hospital
Detran/MS realiza neste sábado mutirão para renovação de CNH
Boliviano líder de grupo atuava no tráfico de cocaína é extraditado ao Brasil
FUTEBOL
Costa Rica faz 3 a 0 no União/ABC e encerra turno do hexagonal na liderança
MEIO AMBIENTE
PMA captura tamanduá-bandeira no banheiro de residência em Itaporã

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher presa com armas, drogas e veículos mantinha relacionamento com interno da PED
DOURADOS
Pancadaria em motel termina na delegacia com três pessoas detidas
JÓQUEI CLUBE
Jovem é presa em Dourados com armamento de uso restrito, drogas e veículo clonado
DOURADOS
Carga de tijolos cai de caminhão em rotatória na Coronel Ponciano; veja vídeo