Menu
Busca terça, 03 de agosto de 2021
(67) 99257-3397

Deputada pede a demissão de general do Exército

20 outubro 2004 - 22h27

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados marcou para a próxima quarta-feira, dia 27, a votação de requerimento da deputada Maria do Rosário (PT-RS) sugerindo ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao ministro da Defesa, José Viegas, a demissão do diretor do Centro de Comunicação Social do Exército (Ccomsex), general Antônio Gabriel Ésper. A deputada quer o afastamento do general pelos termos que usou em nota expedida no domingo, dia 17, sobre as circunstâncias da morte do jornalista Vladimir Herzog nas dependências do Doi-Codi de São Paulo. Na nota, publicada pelo jornal Correio Braziliense, juntamente com uma reportagem sobre a morte de Herzog, o Ccomsex defende o movimento de 31 de abril de 1964 como "um clamor popular em resposta ao movimento subversivo que se recusava ao diálogo", e considera "ação pequena reavivar revanchismos ou estimular discussões estéreis sobre conjunturas passadas". A reportagem do Correio Braziliense apresentou três fotografias inéditas, supostamente de Vladimir Herzog, nu e humilhado que estavam nos arquivos da Comissão de Direitos Humanos da Câmara desde 1997. "Sou do PT e da base do governo. Este governo não deve conviver com o autoritarismo e o saudosismo", defendeu Maria do Rosário. O presidente da comissão, Mário Heringer (PDT-MG), confirmou que o requerimento da deputada será votado na próxima reunião. Sem entrar no mérito da demissão do general, Heringer também criticou a nota do CeconsEx. "A nota está eivada de preconceitos. Esta pessoa não está preparada para estar ali (Ccomsex). Cabe ao Comando Militar do Exército decidir o que vai fazer com ele", afirmou. A polêmica gerada em torno da nota do Exército fez com que o Comando Militar divulgasse outra, ontem, na qual "lamenta a morte do jornalista Vladimir Herzog". O Exército também reconheceu que "a forma pela qual esse assunto foi abordado não foi apropriada, e que somente a ausência de uma discussão interna mais profunda sobre o tema pôde fazer com que uma nota do Centro de Comunicação Social do Exército não condizente com o momento histórico atual fosse publicada". Hoje, o ministro da Defesa, José Viegas, considerou superado o episódio. Segundo ele, "a nota de correção era necessária para corrigir distorções e enfoques errôneos que a nota publicada no domingo continha".

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO DE MS
Assembleia retorna hoje com sessões e quatro matérias pautadas
AJUDA
Caixa libera hoje saques do auxílio emergencial para mais um grupo
Homem é flagrado cortando orelhas de cães e diz se tratar de 'simpatia'
CORGUINHO 
Homem é flagrado cortando orelhas de cães e diz se tratar de 'simpatia'
Conheça 5 áreas em alta para os profissionais de administração com o Claretiano!
EDUCAÇÃO
Conheça 5 áreas em alta para os profissionais de administração com o Claretiano!
Passageiro de ônibus com destino a Capital é flagrado com 'skunk' e haxixe
AMAMBAI
Passageiro de ônibus com destino a Capital é flagrado com 'skunk' e haxixe
LIGA NACIONAL
Após duelo na Taça Brasil, Juventude e Joinville se encaram na Liga
NAVIRAÍ
Adolescente de 16 anos é apreendido por gerenciar boca de fumo
Falando de Habilitação Neuropsicológica e sua contribuição na área de Aprendizagem e na Saúde Menta
IMUNIZAÇÃO
Novo lote prevê 4,2 mil doses de vacinas contra Covid para Dourados
CASSILÂNDIA
Trabalhador rural morre depois de levar coice de vaca em sítio

Mais Lidas

SP
Homem leva menina de 15 anos ao hospital e diz que ela morreu após sexo; polícia investiga
POLÍCIA
Jovem é agredida durante assalto em Dourados
PANDEMIA
Jovem de 21 anos e sem comorbidades é vítima do coronavírus em MS
DOURADOS
Motorista embriagado foge, causa acidente e termina preso