terça, 24 de maio de 2022
São Paulo
23°max
11°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
TST

Depósito de FGTS diretamente na conta pessoal do empregado não quita obrigação

21 janeiro 2022 - 12h38Por Assessoria/TST

A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho considerou que o depósito do valor correspondente ao FGTS diretamente na conta bancária do trabalhador não quita a obrigação de recolher o benefício. Com isso, determinou que a Japher Assessoria Contábil Ltda., de São Paulo, deposite os valores devidos e a multa de 40% na conta vinculada de um chefe de departamento de pessoal.

Pejotização
Segundo o autor da reclamação trabalhista, ele havia trabalhado para a Jasper, como empregado, de 1990 a 2001, até ter sido obrigado a integrar o quadro societário de uma segunda empresa, embora continuasse com as mesmas atribuições, recebendo cerca de R$ 12 mil por mês e uma parcela “por fora” de R$ 967. Ele pedia, assim, o pagamento de diversas parcelas, entre elas o depósito do FGTS e os 40% devidos na rescisão contratual.

A empresa, em sua defesa, sustentou que não se tratava de valor “por fora”, mas sim do correspondente a 8% da remuneração, pago a título de FGTS diretamente na conta bancária do chefe de departamento e, durante um período, na de sua esposa.

Depósito 
O juízo de primeiro grau condenou a empresa ao recolhimento do FGTS na conta vinculada do trabalhador, com o entendimento de que o depósito em sua conta-corrente não é a forma devida de pagamento da parcela. Contudo, o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) acolheu o argumento da empresa de que o pagamento direto dizia respeito ao FGTS e, portanto, não caberia novo recolhimento. 

Fins sociais
O relator do recurso de revista do trabalhador, ministro Augusto César, explicou que, de acordo com a Lei 8.036/1990, a obrigação de recolher o FGTS é cumprida por meio de depósito em conta vinculada, uma vez que os recursos do fundo são aplicados, também, para fins sociais que transcendem o interesse individual do trabalhador. “A tentativa de fraudar o sistema do FGTS (por meio da ‘pejotização’) não exonera a empresa de participar do fundo comum”, afirmou. 

Ainda de acordo com o relator, a parcela tem natureza de salário-diferido, que não é pago diretamente ao empregado, mas destinada, no caso, à formação de um "fundo" que poderá garantir a sua subsistência no caso de rescisão. O seu recolhimento por via ilegal, portanto, passa a compor o salário, simplesmente.

A decisão foi unânime.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Grávida morta com tiro na cabeça morreu ao tentar proteger um irmão
CAARAPÓ

Grávida morta com tiro na cabeça morreu ao tentar proteger um irmão

Lira tira deputado crítico de Bolsonaro, da vice-presidência da Câmara
CONGRESSO

Lira tira deputado crítico de Bolsonaro, da vice-presidência da Câmara

IVINHEMA

Mensagem sobre massacre viraliza entre alunos e causa pânico em escola

BRASIL

Governo anuncia corte no imposto de importação de arroz, feijão e carne

Após acidente, motociclista quase teve cabeça esmagada por ônibus

FUTEBOL

Procuradoria do STJD denuncia Cruzeiro e Grêmio por cantos homofóbicos

FRONTEIRA

Corpo encontrado no Paraguai é de jovem de Coronel Sapucaia

UEMS

Dourados sedia Congresso Nacional Estudos Linguísticos e Literários 

RIO BRILHANTE 

Homem que matou um e feriu outro é condenado a 25 anos de prisão

BOA SORTE

+Milionária: como apostar na nova loteria, que estreia no sábado

Mais Lidas

DOURADOS/ITAPORÃ

Ciclista morre atropelado na MS-156 e motorista foge

MS

Jovens escapam de sequestro após bandido acidentar carro

DOURADOS

Vítima de atropelamento na MS-156 tinha 21 anos e morava na Reserva Indígena  

REGIÃO

Mulher grávida morre após ser baleada em Caarapó